Destaques

sexta-feira, abril 05, 2013

Acabou

Compartilhe no Twitter
Compartilhe no Facebook

Outro dia eu comentava aqui que, mesmo que conseguisse superar o Corinthians (e, com isso, vencer o primeiro clássico no ano e dar moral ao time e alguma esperança à torcida), o São Paulo dificilmente iria vencer (ou mesmo empatar com) o The Strongest, em La Paz, e (com) o Atlético-MG, no Morumbi. Nada mais fácil de prever do que isso - e ainda mais quando nem empatar com o rival do Parque São Jorge o time de Ney Franco conseguiu. Por isso, mesmo antes de ouvir pelo rádio a (previsível) derrota para o clube boliviano por 2 a 1, eu já sabia que a classificação para a próxima fase da Libertadores seria impossível. Porque assisti o (segundo) massacre do Atlético-MG contra o argentino Arsenal, ontem, e me conformei de que o São Paulo perderá novamente para o clube mineiro na última rodada do Grupo 3. Vendo os atleticanos jogarem, com tanta superioridade, facilidade, entrosamento, vontade e toque de bola, comprovei que o Tricolor está a trilhões de anos-luz de jogar sequer metade disso. Pior: o time não consegue nem chegar ao (fraco) nível de um Arsenal de Sarandí ou um The Strongest. Se ocorresse o milagre de passar para a próxima fase, seria eliminado facilmente, contra quem quer que fosse. Morte anunciada.

"Ah, mas ainda tem chance!", diriam alguns (extremamente) otimistas. Não, não tem. Um time que em todos os jogos "pra valer" do ano não conseguiu uma vitória sequer - derrotas para Atlético-MG, Santos, Corinthians, Arsenal e The Strongest e empate contra o Palmeiras - vai mesmo cair fora da mais forte competição sul-americana na primeira fase. O São Paulo até que não é fraco, comparado à maioria da concorrência (como os que disputam o Paulistão), mas é inegavelmente (muito) inferior à elite atual do futebol brasileiro (em qualidade de futebol jogado), representada principalmente por Atlético-MG e Corinthians - os dois favoritos ao título da Libertadores. E insisto: a culpa não é do Ney Franco. Nos últimos jogos, ele escalou corretamente, botou pressão do ataque em cima dos adversários e fez substituições corajosas. Mas, apesar de criar, o time não tem qualidade nem competência para colocar a bola para dentro. Osvaldo é um ótimo jogador, mas não é craque. Nem Jadson, nem Ganso. E Aloísio, Carleto, Denílson e Tolói são apenas esforçados. O resto, com exceção do Rogério Ceni, é de mediano pra baixo. Eis a realidade.

Buenas, bola pra frente. Se o São Paulo arrancar ao menos um empate com o Galo, em casa, já sairá de cabeça erguida - ou menos caída do que ficou após as duas últimas derrotas. Porque a diferença para o clube mineiro, hoje, é abissal. O mais triste, repito, é perceber que nem no nível dos "portentosos" Arsenal e Strongest o time está...



FRANGO - Escrevo esse adendo porque percebi o contraste entre meu elogio ao Rogério Ceni, acima (ao não considerá-lo um dos "medianos pra baixo" do time), e as críticas que ele está recebendo pela falha no segundo gol dos bolivianos, num chute de longa distância de Cristaldo. Sim, pode-se dizer que foi erro, que ele estava adiantado, fora de posição - apesar de ainda ter conseguido tocar na bola, que veio com muita força. Sim, é fato que Ceni, às vezes, falha. Mas, ao mesmo tempo, em vários jogos, fez muitas outras defesas praticamente "impossíveis", livrando a cara do São Paulo. Ou melhor: livrando a cara dos volantes e zagueiros, que permitem a infiltração na defesa e abrem espaços para chutes de longe como nos gols do Strongest. Portanto, eu minimizo a responsabilidade de Ceni. Não sou daqueles defensores fanáticos do goleiro, que o consideram "mito" ou "melhor goleiro do Brasil". Longe disso. Mas sei que sua identificação com o clube e sua chatice/ arrogância/ tagarelice o transformaram em um dos jogadores mais odiados de todos os tempos pelos adversários. Daí para crucificá-lo por qualquer coisa que faça ou não faça, é automático. Menos, menos. Não podemos esconder os erros e a debilidade do time jogando a culpa no goleiro - ou no técnico. Isso é muito fácil. No mais, Rogério Ceni tem crédito eterno.

2 comentários:

Glauco disse...

Acho que o São Paulo ainda pode se classificar, mas o Atlético-MG tem a chance de "escolher" seu adversário nas oitavas e ainda pode vingar o Brasileiro de 77. Mas que o Tricolor na Libertadores está abaixo - em técnica e vontade - ao tão aviltado Palmeiras, isso é verdade...

Curiosidade: todas as cinco partida do The Strongest na Libertadores terminaram com o mesmo placar, 2 a 1. Será que na 6ª rodada será a mesma coisa?

Leandro disse...

O Atlético Mineiro tem um ótimo conjunto, grandes valores individuais e vem jogando bonito e de modo eficiente, mas em contrapartida, tem um baita pé-frio chamado Cuca
Por isto, não me parece impossível o SPFC vencer no último jogo e se classificar, pegar o próprio Atlético nas oitavas de final e eliminá-lo.
Tudo isto a duríssimas penas, é verdade, mas impossível não é.