Destaques

segunda-feira, novembro 30, 2015

Costelas, Adão e Eva, castigo, trabalho e o ócio sagrado

Compartilhe no Twitter
Compartilhe no Facebook

Tom Zé: 'Estão comprando o Brasil de volta'
Há uns 15 anos, ao entrevistar por telefone o Tom Zé, para o jornal Diário do Nordeste, de Fortaleza, ele me perguntou sobre o que acontecia de mais relevante no Ceará, naquela época. Como eu era repórter do caderno de economia (e estava apenas fazendo um bico para o de cultura), comentei:

- Acho que uma coisa que o pessoal não tem ideia nas outras regiões do país é que grupos portugueses estão comprando várias extensões na costa cearense, construindo hotéis na beira do mar e cercando as praias, impedindo o acesso da população. É uma verdadeira privatização do espaço público.

Tom Zé soltou uma gargalhada no telefone e gritou para a esposa dele:

- Neusa! Vem aqui ouvir o que o repórter tá me contando: os portugueses venderam caro nossa independência e agora tão comprando o Brasil de novo, aos poucos!

Exatamente. O fino humor do músico, intérprete, compositor e performer baiano resumiu, em uma frase, o que dez comentaristas ou colunistas econômicos não conseguiriam (ou não ousariam) concluir. Mas me lembrei disso porque, hoje, ao ler uma notícia na inFernet, fiquei pensando o que o Tom Zé - que  há dez anos lançou o CD "Estudando o Pagode - Na opereta Segrega Mulher e Amor", sobre machismo, papel da mulher e suas relações com o homem (ouça aqui) - comentaria sobre isso:


Sim: uma modelo sueca arrancou seis costelas por questão estética (leia aqui). Imagino o que o Tom Zé observaria sobre isso, se as costelas dariam origem a um novo ser, como Eva, que Deus criou a partir de uma costela que retirou de Adão, segundo a Bíblia. Vai daí, uma ideia (de jerico) puxa outra e me lembrei de um texto que li recentemente, da filósofa Marilena Chauí, como introdução ao trabalho clássico "O direito à preguiça", de Paul Lafargue. Ela observa que "ao ócio feliz do Paraíso segue-se o sofrimento do trabalho como pena imposta pela justiça divina e por isso os filhos de Adão e Eva, isto é, a humanidade inteira, pecarão novamente se não se submeterem à obrigação de trabalhar".

Chauí: condenação da preguiça faz com que desempregado se sinta humilhado, um pária

A filósofa observa ainda que "o laço que ata preguiça e pecado é um nó invisível que prende imagens sociais de escárnio, condenação e medo" e que isso gerou "as figuras do índio preguiçoso e do negro indolente", do "nordestino preguiçoso, a criança de rua vadia (vadiagem, aliás, o termo empregado para referir-se às prostitutas), o mendigo - 'jovem, forte, saudável, que devia estar trabalhando em vez de vadiar'; é ela, enfim, que força o trabalhador desempregado a sentir-se humilhado, culpado e um pária social". O que me faz pensar no taxista Juraci, o Pai Velho, como um subversivo...

'Vai trabalhar, vagabundo!/ Vai trabalhar, Criatura! DEUS permite a todo mundo/ Uma loucura...'

Prova maior de que o trabalho é um castigo divino é a ira de Deus ao expulsar o casal do Jardim do Éden, descrita no Gênesis. Ele diz a Adão: "Com sofrimentos te nutrirás todos os dias de tua vida (...). Com o suor de teu rosto comerás teu pão, até que retornes ao solo, pois dele foste tirado". E é ainda mais cruel com Eva: "Multiplicarei as dores de tua gravidez, na dor darás à luz filhos. Teu desejo te levará ao homem e ele te dominará" (será que isso inclui arrancar seis costelas para atrair a atenção?). Sobre essa pesada pena para a mulher, Marilena Chauí comenta: "Não é significativo que em muitas línguas modernas recuperem a maldição divina contra Eva usando a expressão 'trabalho de parto'?". Aliás, falando em maternidade, vejamos esse cartum do argentino Quino:

 
Só que, após a reforma protestante e a revolução industrial, o ócio passou a ser condenado pelo ideal religioso, com a preguiça tornando-se um dos "sete pecados capitais", e econômico, com a valorização máxima do dito "tempo é dinheiro". Nisso aí, minha mente (preguiçosa) desanda a trabalhar (pela causa) e faz o link, agora, com um post que fiz, aqui no Futepoca, observando que a palavra trabalho vem do latim tripalium, um instrumento romano de tortura por empalamento, e que a palavra negócio vem de "negação do ócio". Marilena Chauí complementa: o latim labor, que origina a palavra trabalho em inglês e lavoura em português, significa "esforço penoso, dobrar-se sob o peso de uma carga, dor, sofrimento, pena e fadiga". Por outro lado, ócio, em grego, se diz scholé, de onde vem nossa palavra escola. Coisa que o Geraldo Alckmin (PSDB) costuma reorganizar, digo, fechar.

Tripalium (três paus): instrumento de tortura é origem da palavra trabalho

Então, num esforço para amarrar - ou não - tudo isso (costela, Adão e Eva, castigo, trabalho e valorização do ócio), puxo um samba do Adoniran Barbosa, "Conselho de mulher", em parceria com Oswaldo Moles e João Belarmino dos Santos, que eu citava no tal post:

Trecho falado:
"Quando Deus fez o homem, quis fazer um vagulino que nunca tinha fome
E que tinha no destino nunca pegar no batente e viver forgadamente
O homem era filiz enquanto Deus anssim quis
Mas depois pegou Adão, tirou uma costela e fez a mulé
Deis di intão, o homem trabalha p'rela

Vai daí, o homem reza todo dia uma oração:
'-Se quiser tirar de mim arguma coisa de bão, que me tire o trabaio; a muié não!'"

Pogréssio, pogréssio
Eu sempre iscuitei falar
Que o pogréssio vem do trabaio
Então amanhã cedo nóis vai trabaiá

Quanto tempo nóis perdeu na boemia
Sambando noite e dia, cortando uma rama sem parar
Agora iscuitando o conselho da muié
Amanhã vou trabaiá, se Deus quisé
(Mas Deus não qué!)



Taí: se a mulher agora também está arrancando costela, o homem podia entregá-la pra Deus como "quitação de débito", acabar com a obrigação do trabalho e voltar ao ócio sagrado - uma vez que, como lembra Adoniran, no Paraíso "Deus não quer" que peguemos no batente! Outra coisa: trabalho é opressão. Naquele mesmo post que fiz sobre a falaciosa "dignificação do homem", alguém lembrou muito apropriadamente, nos comentários, que - não por acaso - os nazistas punham placas nos portões de entrada dos campos de concentração com a frase "Arbeit macht frei" ("O trabalho liberta").

Frase nos campos de concentração 'ensinava': 'O trabalho liberta'
 
 Ou, como acrescentou o já citado Tom Zé, em "Esquerda, Grana e Direita" (ouça aqui):

"Quando o trabalhador cresce na sociedade
 E tem a oportunidade de ser protagonista da história
Ele pratica o método do opressor
Porque foi o único método que aprendeu
Então, ele só sabe agir como o opressor
Arrastão de Paulo Freire"

E, falando no "Elogio ao ócio" (outro texto clássico, dessa vez de Bertrand Russell - acesse clicando aqui), me cai na mão exatamente neste momento um exemplar da revista "Cidade", publicação do Shopping Center Cidade Jardim, com um texto de Adriana Nazarian intitulado "O que fazer? NADA", que afirma: "Ter horas livres - em uma época em que nada parece ser tão livre assim - pode ser mal visto. Para dar conta da demanda, que também exige vida pessoal bem equilibrada, eliminamos da rotina algo fundamental: o ócio".

Ilustração da matéria da revista 'Cidade' (feita por Catarina Bessell)

A revista ouve três especialistas que reforçam que "praticar o nada é essencial":

"É fácil achar que o mundo vai se afastar de nós caso a gente dê uma pausa na produção, mas se permitir esses momentos faz com que a parte inconsciente do cérebro organize todas as ideias às quais estivemos expostos. Aprender a desconectar é perceber que nós não podemos - nem devemos - participar de absolutamente tudo. Nossa cultura prega a ilusão de que podemos ter tudo, mas isso acaba colocando o foco apenas no que não temos." - David Baker, fundador e editor da revista "Wired', escritor e professor

"Praticar o fazer nada é crucial para equilibrar a fisiologia e a cognição. (...) O descanso e, sobretudo, o sono são essenciais para limpar o cérebro de toxinas, repor metabólitos despendidos na vigília e processar memórias. (...) Ao contrário do que muitos pensam, o sono não é um simples descanso, mas tem papel ativo na saúde mental e física. O ócio é parte fundamental da experiência humana e precisa ser preservado." - Sidarta Ribeiro, neurocientista da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN)

"Silêncio significa fazer perguntas, e nós  criamos barulho e bagunça justamente para evitar as grandes questões e propósitos da vida. Não abrir espaço para esses momentos é como viver sem dormir, sem deixar o motor esfriar antes de mais uma corrida. Hoje, a maioria das pessoas atribui a felicidade ao alcance de metas. Com isso, vivem infelizes (...)." - Yonatan Shani, diretora do Kabbalah Centre do Brasil

Ignácio de Loyola Brandão: 'A melhor coisa de não fazer nada é, em seguida, repousar'

Ah, tem outro texto que me vem à mente agora, uma crônica do Ignácio de Loyola Brandão publicada no jornal "O Estado de S.Paulo" no ano passado (leia aqui), que proclama:

"Não que eu não faça nada somente no sábado ou domingo de manhã, nos feriados ou nas férias convencionais. Não faço nada quando decido: agora, não vou fazer nada. Isto significa liberdade. Quantos de vocês tomam estas decisões? Não fazer nada, contudo, não significa que em seguida você vai se esfalfar para tirar o atraso. Nem pensar. A melhor coisa de não fazer nada é, em seguida, repousar do nada fazer. Perceber que está feliz por não ter feito nada. Não sentir culpa por não fazer nada."

Sobre isso, aproveito para citar uma frase de outro escritor, Charles Bukowski:

"Gosto de olhar os meus gatos, eles me acalmam (...). Você sabia que os gatos dormem 20 das 24 horas do dia? Não se admira que tenham melhor aparência do que eu."


E arremato com mais literatura, indo direto ao ponto com uma frase de Marguerite Duras:

“É preciso ser muito forte pra não fazer nada.”

 
Buenas, depois de tanto "trabalho" pra pular da modelo que tirou as costelas pro Tom Zé e a privatização de praias brasileiras pelos portugueses, de Adão e Eva e Marilena Chauí para um instrumento de tortura romano e um samba de Adoniran Barbosa, passando pelos campos de concentração nazistas e voltando ao Tom Zé para desembocar nos especialistas e escritores que corroboram a valorização do ócio, vou conceder à minha ociosa inteligência o direito à preguiça. E verei se amanhã "vou trabaiá, se Deus quisé"... "Mas Deus não qué!"


0 comentários: