Destaques

domingo, março 28, 2010

O governo de São Paulo deve explicações

Compartilhe no Twitter
Compartilhe no Facebook

A cena de uma policial sendo carregada por um suposto manifestante foi sem dúvida uma das imagens mais marcantes do protesto dos professores em frente ao Palácio dos Bandeirantes, que foi recebido com truculência pela Polícia Militar. Para desfazer o valor simbólico da imagem, a assessoria de imprensa da corporação divulgou nota dizendo que a pessoa que carregava a ferida era um “policial à paisana”.

Do fato, surgem algumas questões. Primeiro, qual é a intenção da polícia ao infiltrar um policial em meio a uma manifestação de professores? Tal ação lembra os regimes autoritários que esse país viveu e, já que a polícia expôs um de seus agentes, o mínimo que se poderia esperar é uma justificativa sobre tal operação.

Curioso também o fato não causar estranheza à mídia comercial. Imaginem, por exemplo, se alguém descobrisse em meio ao protesto do Cansei, algum policial federal à paisana “tomando conta” da manifestação? Provavelmente fariam alusão à URSS, à Cortina de Ferro, aos nazistas, ou a Cuba, que infiltra (e assume isso publicamente) agentes na manifestação das Damas de Branco que ocorreu na Ilha. No caso, o governo cubano justificou dizendo que faz isso para evitar confrontos entre simpatizantes do regime e os manifestantes. Mas, repito, qual a justificativa do governo estadual para infilitrar agentes, ainda mais em um país democrático?

No entanto, denúncias graves relacionadas à ação policial e à atitude de “infiltrados” vieram à baila. Leonardo Severo, da CUT, relata que um professor de Filosofia de Jundiaí, Fernando Ribeiro, teria presenciado quando um dos policiais à paisana “tentava atear fogo em um veículo, buscando incriminar os manifestantes”. Professores e estudantes teriam evitado o ato e o falso manifestante buscou refúgio entre os policiais militares. “Tentaram colocar fogo no carro para culpar o protesto. Como agiram com muita força, numa ação desproporcional, queriam uma justificativa”, disse o professor.

É inadmissível que não haja qualquer resposta da PM ou do governo do estado. É bom lembrar, aliás, que a infiltração de agentes por parte da polícia em manifestações democráticas já foi comprovada em outra gestão do PSDB, no Rio Grande do Sul. Um homem usou um crachá da Agência Carta Maior para se infiltrar em protesto de servidores públicos contra Yeda Crusius, em Porto Alegre, fazendo fotos dos manifestantes.

Com a palavra o governo do estado que, ao que parece, prefere usar cassetetes ao invés do verbo.

13 comentários:

Raphael Tsavkko Garcia disse...

Das duas uma, ou a PM mente ao dizer que o rapaz que socorreu a PM era também policial, ou comete um crime ao usar um P2, um homem do Serviço Reservado, colocando sua vida em risco. E, mais ainda, colocando a vida dos manifestantes em risco, tumultuando uma manifestação, incitando à violência e fazendo com que o Batalhão de Choque comece a espancar os manifestantes graças à uma ação não dos professores, mas de policiais infiltrados.

http://tsavkko.blogspot.com/2010/03/greve-dos-professores-e-o-massacre-do.html

scnv disse...

Tem muita paixão nisso. O poder de polícia não se restringe só ao policiamento ostensivo que é responsabilidade da polícia militar, mas existem setores de inteligência e desde que o mundo é mundo esse tipo de trabalho infiltrado existe (reinos, impérios, países, etc e tal), a polícia ou sistemas de inteligência sabem quem eu sou, quem vc é, as informações estão disponíveis e o acesso aos bancos de dados de instituições públicas e privadas também desde que feitas dentro da lei. É tão inocente bradar que isso é coisa de regimes autoritários quanto achar que esse tipo de trabalho não acontece em regimes democráticos. Podem infiltrar simplesmente para identificar agressores que as vezes nem professores são, as razões são diversas (para o bem ou para o mal, sim pode haver tb). Por isso a democracia existe, no seu sistema de pesos e contrapesos para assegurar o direito das minorias e maiorias e também garantir que existam instrumentos que coibam abusos de parte a parte.

Glauco disse...

Scnv, alguns pontos. Claro que o serviço secreto existe em diveras instâncias de governo, mas existem atribuições específicas para cada um. O P-2 da PM paulista deveria agir na prevenção do crime e sua presença em manifestações democráticas deveria ser no mínimo justificada por quem de direito. E, se alguém denuncia que os agentes estão estimulando a violência e preparando situações de flagrante armado, isso é algo muito sério. Se o órgão não se pronuncia respeito disso, a sociedade fica sem resposta e a moral da corporação é posta em dúvida.

E, como lembrou o Raphael, é estranho que um agente que tem, em tese, que realizar um serviço secreto, seja exposto de forma pública, o que pode implicá-lo por conta de outras missões contra criminosos de fato, e não professores em greve.

Esses pontos precisam ser discutidos, mas parece que nem a mídia comercial, muito menos o governo do estado, estão preocupados em fazê-lo. Melhor fingir que não aocnteceu nada.

Thalita disse...

A PM e seus chefes - governo de sp - precisam explicar isso sim, mas eles precisam explicar tb coisas muito mais basicas, como pq toda e qquer manifestacao ocorrida pelo menos no ultimo ano acabou em pancadaria. Serah que todos os manifestantes de sp sao baderneiros irresponsaveis?
Eu tenho vergonha de ser de um lugar em que uma manifestacao de qualquer natureza eh sempre desmobilizada na base da porrada e do gas pimenta

Anônimo disse...

caro scnv, se vc acha mesmo q é legítimo q o "infiltrado" esteja lá, quero agora saber dos resultados dessa ação dele.

Já que o governo do PSDB gosta tanto de números e resultados eu exigiria o mesmo desse P2: prisões dos supostos "baderneiros" e relatório completo das ações de todos naquele dia.

Ou, see vc acha q o objetivo do P2 era impedir a baderna e acalmar os ânimos, ele fracassou completamente. E se era para ele identificar os "violentos" cadê as prisões, mandados de busca, etc? Esse P2 deveria ser demitido!!!

Tão de palhaçada, achando q P2 é válido em manifestações!! O serviço dele é se infiltrar em organizações criminosas, não em manifestações!!!

scnv disse...

Vamos lá.

Sobre ser esquisito denunciar um infiltrado. Bom, se optaram por fazê-lo, trata-se de uma prerrogativa da corporação. E possivelmente esse agente público não poderá realizar mais esse serviço pois até minha vovó já sabe quem ele é. É opção deles. Perderam um homem pro serviço.

Sobre a afirmação "se vc acha mesmo q é legítimo haver um infiltrado". Parece um contracenso. Cada polícia tem suas atribuições: Federal, Militar e Civil.

Sobre a afirmação "Ou, see vc acha q o objetivo do P2 era impedir a baderna e acalmar os ânimos, ele fracassou completamente". Caralho... vc sabe ler??? Eu disse que deveria fazer alguma dessas coisas??????? Não, nem uma, nem outra.

Eu me dei ao trabalho de checar as atribuições de P-2 na Polícia do Paraná (se é a mesma do que ocorre em SP EU NÃO SEI, mas aposto que vc tb não sabe). Vamos lá, as atribuições são:

1) "Policiamento Reservado em apoio às ocorrências que necessitam de acompanhamento"

2) "Faz o acompanhamento das denúncias que são feitas através do fone 181 “Narcodenúncia”, no âmbito de toda circunscrição e área de abrangência e competência territorial"

Com base nisso, eu te pergunto... O evento precisava de acompanhameto? Quem define isso é a própria corporação, não? Ou quem define isso é vc - com todo seu conhecimento de segurança púbica? Futebol também é uma manifestação democrática e também tem acompanhamento e muitas outras.

O trabalho infiltrado pressupõe o sigilo e legalidade. Se ele é legítimo? Oras, vc que me responda se é inconstitucional? É? Foi? Vc sabe? Não? Sim? Onde é que está a ilegalidade? Pode me dizer?

Todo manifestação acaba em pancadaria? Minha amiga, toda generalização não presta e eu desconsidero.

Por isso mencionei o fato de que o sistema democrático deve "garantir que existam instrumentos que coibam abusos de parte a parte".

O que foi colocado aqui é simplesmente: o trabalho EXISTE. Não é algo SOBRENATURAL. Se vc acha que foi ilegal, então levante a sua bunda do computador e trate de mover os dispositivos legais para receber a resposta que almeja. Quer números? Quer planilhas? Solicite! O que eu duvido que vc vá fazer.

Hudson Luiz Vilas Boas disse...

Aqui em Poços de Caldas estamos enfrentando uma luta desigual contra uma empresa de transporte coletivo. Parte dos usuários de um sistema integrado, que se mostrou uma aberração, organizou um movimento o MUTRAPU -- Movimentos dos Usuários do Tansporte Público -- e realizou passeatas pelo centro da cidade. Qual foi nossa surpresa ao identificar que entre os manifestantes estavam policiais infiltrados? É assim que os governos da sacrosanta aliança PSDB/DEM/PPS trata os movimentos sociais. Em Poços o prefeito Paulinho Courominas é do PPS e seu mentor e padrinho político, o ex-prefeito da cidade Sebastião Navarro Fillho, atualmente secretário estadual de Desenvolvimento Regional e Urbano de MG,é do DEM.

Marcão disse...

É inacreditável como a imprensa não diz NADA. Incrível. NADA mesmo.

Glauco disse...

Calma que a PM mudou sua versão, resolvendo insultar qualquer pessoa que tenha dois neurônios:

- Primeiro, o policial não estava "empenhado na operação", como dizia a nota anterior, mas estava "passando por ali". Essa versão é sensacional, não? Que coincidência...

- Não foi divulgado o nome do policial porque o mesmo "não quis ser identificado". Ótimo, não só a foto dele saiu em todos os veículos de comunicação minimamente decentes (há aqueles que até isso escondem) como ele foi exposto pela própria corporação. Fantástico.

Pra ler sobre a nova versão da Polícia, aqui.

Adhemar Santos disse...

O que eu queria saber é como o prof. de filososfia de Jundiaí, Fernando Ribeiro, descobriu que policiais à paisana tentaram "atear fogo em um veículo, buscando incriminar os manifestantes". Será que esse professor pediu para ver o crachá desses policiais???

Thalita disse...

testemunhas dizem que o policial embarcou no onibus dos professores em Osasco.
Eh... tah cada vez mais feia a coisa.

http://www.viomundo.com.br/denuncias/policial-militar-infiltrado-embarcou-em-osasco-no-onibus-dos-professores.html

Sobre todas as manifestacoes terem terminado em pancadaria no ultimo ano, por favor me informar qual nao tenha tido esse desfecho. Paraisopolis, Heliopolis, usp, moradores do Jd. Romano, professores. (nao sei se todas aconteceram no periodo de um ano, mas vale a lembranca). A pergunta eh a mesma: todos sao baderneiros?

scnv disse...

Thalita,

Salvo engano, a primeira e a segunda manifestação dos professores que fechou a Paulista (mesmo tendo sido recomendada o não fechamento) não acabou em pancadaria.

E é claro que não, não são todos baderneiros, mais uma vez não existe generalização.

Raphael Tsavkko Garcia disse...

scnv: A PM tentou dar porrada na primeira manifestação mas a maior parte dos presentes escapou da provocação. E as duas pistas foram tomadas por mera questão de bom senso, era gente demais! Não dava pra espalhar por uma pista só.