Destaques

sábado, março 27, 2010

Minas pode criar bancada de cachaceiros no Senado

Compartilhe no Twitter
Compartilhe no Facebook

A depender dos resultados das eleições de 2010, o estado de Minas Gerais pode iniciar uma nova frente parlamentar no Congresso, a bancada dos cachaceiros. Ninguém está chamando os ilustríssimos postulantes ao parlamento nacional de beberrões nem de irmãos-da-opa.

Ocorre que o governador de Minas Gerais Aécio Neves (PSDB) e o vice-presidente José Alencar (PRB), ambos cotados para concorrer ao Senado, não têm como negar a alcunha, como explica qualquer alambiqueiro. Ocorre que o termo "cachaceiro" aplica-se, neste caso, aos produtores da marvada. Outro nome cotado, o do ex-presidente e ex-governador Itamar Franco tem outros elos com a malafa

Foto: Divulgação

Aécio e Alencar, criaram marcas próprias da molha-goela. A Mingote é apenas o rótulo mais recente da Fazenda da Mata, na cidade de Cláudio. Trata-se de uma homenagem a Domingos da Silva Guimarães, tetravô do governador de Minas Gerais, cujo retrato está no rótulo. Seu apelido era Mingote e foi ele quem reativou a atividade alambiqueira na propriedade. Consta que Aécio tem sociedade no empreendimento, fruto da união entre a família Guimarães Tolentino e a dinastia dos Neves em virtude do casamento entre dona Risoleta, pela primeira, e Tancredo, pela segunda.

Até 1985, o carro-chefe era a chambirra que respondia pelo nome de Mathusalem. Se o personagem bíblico chegou a 969 primaveras, a branquinha homônima foi descontinuada depois do falecimento de Tancredo Neves. Outras marcas de menor qualidade também são produzidas, mas sobre essas o governador nega qualquer ingerência.

Foto: Divulgação
Rótulos da Fazenda Cantagalo, que produz os isbeliques de José Alencar

Alencar se encarrega da Maria da Cruz, produzida na Fazenda Cantagalo, em Pedras de Maria da Cruz (MG). A proximidade da região de Salinas, no norte do estado, favorece. A propaganda boca-a-boca é feita pelo próprio empresário, até junto a garçons, segundo fontes. A propriedade ainda engarrafa com outras três marcas – Sagarana, Caninha 38 e Porto Estrela.

Assim como há diferenças políticas entre esses mineiros, as divergências também aparecem na forma de se envelhecer aquela-que-matou-o-guarda. A de Aécio descansa de cinco a dez anos em amendoim. A do vice-presidente, em amburana, madeira típica do semiárido brasileiro.

Não é à toa que Aécio ampliou a certificação de alambiques artesanais e incluiu a rapadura na merenda escolar da criançada.

Mas é bem verdade que quem tornou a caninha bebida oficial do estado foi seu antecessor, Itamar Franco, que também estuda concorrer ao Senado. Se tirar uma das vagas dos cachaceiros citados, também será bem-vindo à bancada da cachaça, além de instituir o 21 de maio como data comemorativa para a mata-velho.

A formação da bancada da cachaça – ou dos cachaceiros – depende  da formação das chapas, dos resultados das urnas e, claro, da disposição das figuras de abraçar a causa. Consta uma experiência sem grande repercussão a assembleia legislativa do Rio Grande do Norte. Muito diferente da bancada da cana-de-açúcar e do setor sucroalcooleiro.

Ministro
Foto: Divulgação

Os mineiros envolvidos na política valorizam as golos há algum tempo. O porta-voz de João Figueiredo e ex-ministro do Tribunal de Contas da União, Carlos Átila, abriu, depois da aposentadoria, seu alambique próprio. A Cachaça do Ministro dorme por cinco anos em carvalho ou jequitibá (foto), a depender do rótulo – ouro e prata.

Entre empresários, segundo reportagem da revista Época de 2008, o baiano Emílio Odebrecht, da empreiteira que leva seu nome, e o paulista Ivan Zurita, presidente da Nestlé, também se debruçam sobre uma boa pinga. São donos da Itagibá e da do Barão, respectivamente.

11 comentários:

malvio fonseca disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Neide disse...

E nós? Vamos ficar aqui parados?

Olavo Soares disse...

Que post sensacional.

O questionamento da Neide é pertinente: há relação de candidatos paulistas com a maldita?

fredi disse...

Viu como o Futepoca é democrático com os tucanos quando o assunto é cachaça?

Até fazemos (o Anselmo) propaganda da cachaça do Aécio.

Glauco disse...

Alguém (Anselmo?) já experimentou alguma das citadas? É o caso de fazer o teste cego de apreciação Cachaça Política?

Post excelente.

Marcão disse...

Uma luz no fim do gargalo para o projeto Manguaça Cidadão?

Anselmo disse...

a luz no fim do gargalo não pode ser de vela, pq fogo e cachaça não constróem (que o diga o churrasco emq uqe tentei acender a brasa com uma vodca da promoção).
em são paulo, sei qeu o vereador Goulart tem a maior (segundo ele) coleção de cachaças do mundo (universo?). Mas desconheço a atuação parlamentar dele pela causa.
a questã é separar a cana da caninha, o interesse do dono do canavial e do engenho com a filha-do-engenho.

Anselmo disse...

faltou dizer: Maria da Cruz é legal. tem o problema, sou fã da maria-santa envelhecida em amburana.

a do ministro eu acho que levei pra carminha de presente de aniversário (acho, acho). a mingote, nem a pau. é uns 50 pilas a garrafa. mas se quisessem mandar pra gente degustar, a gente degusta.

Moriti disse...

O post é belísssimo, Anselmo. Mas to me preocupando com o monopólio da danada na mão dos políticos...

Corremos o risco de ocorrer algo como a concentração nos meios de comunicação?

Creio que devemos articular conferências, a começar, talvez, do roxão, como ponto de partida para uma Confemanguaça nacional.

O MM (Movimento Manguaça) precisa se organizar!

Anselmo disse...

Confeman é a sigla correta, pq CNM, iniciais de conferência nacional da manguaça, poderia confundir com o conselho monetário nacional.

P-Mangua é preferível para Partido da manguaça com mais adesão do que PM e do que MAN, pela referência a grupos de qeu o pessoal por aqui não simpatiza muito (corporação policial de ordem militar e o DEM, ex-PFL, ex-PDS, ex-Arena).

E, por fim, não há monopólio algum. Em Minas, são milhares de produtores.

A Brunna pode me ajudar publicando o link de um site do MDA que traz uma relação dos produtores de cachaça orgânica e agricultura familiar.

Então, qto a isso, vc não precisa se preocupar.

Marco Lourenço disse...

Sensacional texto! Parabéns!