Destaques

quinta-feira, maio 05, 2011

Kassab foi navegar... e Serra ficou a ver navios

Compartilhe no Twitter
Compartilhe no Facebook

Muito lúcida a análise que Luís Nassif faz hoje em seu blogue, "Serra e a (i)lógica da burocracia partidária". Recorrendo às recordações de seu início como jornalista e às observações das trajetórias de figuras medíocres que acabaram ascendendo de alguma forma no cenário político (sob "temor reverencial" da mídia), Nassif destrincha as estratégias furadas e míopes do tucano José Serra, dentro e fora do PSDB, e o limbo no qual se meteu como consequência delas. Pelo menos cinco trechos do texto merecem ser reproduzidos na íntegra, pelo poder de síntese:

1
O caso José Serra-PSDB é emblemático. Analise-se o político Serra hoje, fora do minarete do controle burocrático que exerceu sobre o PSDB. Perdeu os espaços possíveis junto ao PSDB nacional e ao DEM. Dançou em São Paulo. Montou uma aliança com Kassab que vai entrar para a história. Kassab ficou com todos os quadros técnicos do serrismo, conseguiu a estrutura operacional de que necessitava, inclusive o cacife da prefeitura para atrair parte do DEM ... e irá se aliar a Aécio.

2
Serra apostou no barco do PSD, encheu a bola de Kassab, ajudou a montar a tripulação. Quando o barco saiu do cais, percebeu que estava fora, como um membro da corte portuguesa que não conseguiu alcançar as caravelas que permitiriam a fuga para o Brasil.

3
Experimentou todo o desgaste possível com suas manobras para queimar Alckmin e restou de mãos abanando. Depois, foi até Alckmin para – suprema humilhação para quem conhece o ego de Serra –se explicar, atribuindo as informações sobre sua traição a intrigas de secretários de confiança do próprio governador. Na campanha, todas as acusações contra Serra eram rebatidos com o argumento simplório de que não passavam de "intriga petista".

4
Antes disso, desde que se tornou governador, aliou-se ao pior esgoto jornalístico e abandonou por completo o discurso programático. Chegou para ao final da campanha sem nada, explorando apenas fígado e intestinos de seus eleitores. Tem um final melancólico, sem discurso, sem bandeiras e sem seguidores.

5
Quem ousasse apontar o rei nu era execrado. Ocorreu com um dos melhores políticos do DEM que, em meados de 2009, ousou fazer uma análise isenta que apontava essa pequenez de Serra. Amigos próximos evitavam cumprimentá-lo em público para não se indispor com o feroz imperador. Ocorreu com a mídia, escondendo seus esbirros autoritários, sua falta de gana, a inapetência gerencial, cedendo às suas pressões. No futuro, será tema para boas teses dissecando o mal que vitimou o PSDB: o caciquismo, o burocratismo que impediu a renovação do partido.

Sem mais a acrescentar.

1 comentários:

Luciano Mano Negra disse...

Caros cachaceiros, Marina no PV é igual Muricy no Fluzão: http://asarvoressaofaceisdeachar.blogspot.com/2011/05/e-agora-marina-silva-para-onde.html