Destaques

quinta-feira, agosto 07, 2014

E só a cerveja 'salvou' a noite

Compartilhe no Twitter
Compartilhe no Facebook

Beatles no Ed Sullivan Show: 73 milhões de espectadores
No dia 9 de fevereiro de 1964, os Beatles tocaram ao vivo no programa televisivo Ed Sullivan Show, nos Estados Unidos, para uma audiência estimada em 73 milhões de espectadores. Estava consolidada definitivamente, ali, a "conquista do planeta" pela banda inglesa. Mas poucos poderiam imaginar que, apenas 26 meses antes, eles tinham enfrentado uma situação exatamente oposta. A primeira tentativa de ampliar seu público e o mercado de trabalho na Inglaterra, saindo da provinciana Liverpool para explorar o rico mercado de Londres e região metropolitana, foi constrangedora. Em 9 de dezembro de 1961, na cidadezinha de Aldershot, a 60 km da capital inglesa, os Beatles fizeram um show para... 18 pessoas. E nenhuma delas fazia ideia de quem eles eram.

Depois de duas temporadas tocando para bêbados, prostitutas, marinheiros e estudantes de arte na zona boêmia de Hamburgo, Alemanha, a proposta era voltar para a Inglaterra e tentar um destino mais promissor. Assim que retornaram, em outubro de 1961, iniciaram uma temporada na boate subterrânea Cavern que chamou a atenção de Brian Epstein, dono de uma cadeia de lojas de disco. Ele vislumbrou antes de todos o potencial da banda e decidiu empresariá-los. No entanto, mesmo com o contrato já firmado com Epstein, em dezembro, os Beatles ainda faziam "bicos" por conta própria. E foi assim que aceitaram um convite do promotor de eventos Sam Leach para se apresentarem pela primeira vez nos arredores de Londres - tudo o que eles mais queriam naquela época.

O anúncio do show, que nunca foi publicado
Para promover o show, Leach inventou que o público veria um "duelo" entre duas bandas e escolheria a melhor: uma representando o "som de Londres", Jay and The Jaywalkers, e outra "o som do Norte" (ou "Mersey Sound", som do Rio Mersey, em Liverpool), The Beatles. A divulgação principal - e fundamental - seria feita em bombástico anúncio no jornal Aldershot News, para o qual o promotor do evento enviou um cheque de 100 libras. Porém, ele não sabia que o periódico só aceitava pagamento em cheque de anunciantes antigos; os novos tinham que pagar em dinheiro vivo. Como não conseguiram entrar em contato com Leach, simplesmente não publicaram o anúncio. E quase ninguém ficou sabendo que o tal show aconteceria...

Na manhã do fatídico sábado, 9 de dezembro, os quatro beatles - os guitarristas George Harrison (18 anos) e John Lennon (21), o baixista Paul McCartney (19) e o baterista Pete Best (20) - saíram de Liverpool às 9 da manhã para uma viagem de quase 300 km, no rigoroso inverno inglês, apertados em uma van dirigida por Terry McCann, amigo de Sam Leach (que viajou em outro veículo). Ao chegarem a Aldershot, a surpresa: as portas do Palais Ballroom, local do show, estavam trancadas. Foi então que descobriram que a a população da cidadezinha desconheica que haveria alguma coisa ali naquela noite. Mesmo decepcionado, Leach decidiu honrar o compromisso e pagar os músicos, ainda que eles não se apresentassem.

As 18 'testemunhas' e, no palco, os constrangidos rapazes de Liverpool
George e John dançam: esculhambação
Mas eles decidiram ir em frente. Encontraram alguém para abrir a porta do clube, fizeram a passagem de som e depois saíram pela cidadezinha para convidar qualquer um que passasse na rua para assistir a apresentação. O bizarro show foi feito para apenas 18 "testemunhas". Em determinado momento, desanimado pela minúscula plateia, Pete Best abandonou o palco e passou as baquetas para que o motorista Terry McCann tocasse a bateria (!). John e George, por sua vez, decidiram se divertir e passaram a tocar acordes errados e trocar as letras das canções por paródias infames. Logo depois, os dois desceram do palco e começaram a dançar valsa como se fossem um par. E a esculhambação virou festa quando Sam Leach trouxe garrafas da cerveja Watneys Brown Ale para todos.

McCartney também entrou na bagunça
A bebedeira descambou para um jogo de futebol improvisado, usando bolas de bingo. Por volta de uma hora da manhã, a gritaria e a bagunça fizeram com que um vizinho chamasse a polícia. Os Beatles foram convidados a deixar Aldershot e não voltar nunca mais. A única coisa que "salvou" a noite foi a bebedeira com Watneys Brown Ale. Poucos imaginariam naquele momento, sequer a própria banda, que dali a seis meses eles seriam contratados pela gravadora EMI, dois meses depois trocariam o baterista por Ringo Starr, lançariam um compacto de sucesso ("Love me do") e pavimentariam o caminho para dominar Londres, a Inglaterra e a Europa em 1963, partindo dali para conquistarem os EUA e o mundo. Os 18 de Aldershot devem ter deixado o queixo cair...

Leach, em 1º plano, George e John enchendo a cara: consolo
A cerveja que 'salvou' a desastrosa noite em Aldershot


Lennon entornando a saideira: 'só tomando (mais) uma!'

2 comentários:

figbatera disse...

História interessante e pouco conhecida... pelo menos eu nunca soube dela! (Se bem que tb não acompanhei a carreira dos rapazes, kkk).
Só comento, de vez em quando, sobre como o Pete Best foi "azarado", né?
No mínimo ele devia ser bem melhor na batera do que o Ringo, mas entregou "de bandeja" a fama pra ele!

Marcos Futepoca disse...

De fato, tem muita coisa pouco conhecida sobre eles, e muitas delas envolvendo bebida (se você clicar na tab BEATLES, no fim do post, vai ver outros posts). O Pete Best, pelo o que li, foi um cara que desenvolveu um tipo de batida único naquela época, em Liverpool, e chamava a atenção por isso e também por ser uma espécie de "galã" local - duas coisas que, pelo o que parece, provocavam ciúme e irritavam John, Paul e George.

Num outro post que escrevi aqui, sobre a saída dele da banda, observei também: "Dizem que o produtor George Martin não gostou da batida do baterista. Dizem que Paul McCartney não ia com a cara dele e fez campanha para tirá-lo. Dizem que Epstein era apaixonado por Pete e, sem correspondência, vingou-se." Ou seja, tudo confluía para que ele levasse um pé na bunda na primeira oportunidade - e o descontentamento de George Martin parece ter sido a "gota d'água".

Difícil, para Best, é saber que, não fosse ele (e a família dele), possivelmente os Beatles não teriam acontecido. Em 1959, quando John e Paul haviam acabado com os Quarrymen e estavam parados, sem banda nem apresentações, George entrou para o Les Paul Quartet e conseguiu shows na boate Casbah, montada pela mãe de Pet, Mona Best, no porão da casa dela. Num desses shows, George levou John e Paul para "desenferrujarem" as guitarras e, a partir desse dia, os Beatles começaram a existir.

No ano seguinte, ao receber a proposta para tocarem em Hamburgo, na Alemanhã, a banda não tinha baterista. E lá foi George pedir socorro aos Best novamente: Pete entrou para a banda e viajou com eles, contribuindo decisivamente, com sua batida, para que os Beatles encontrassem o próprio e distinto som. Só não "sobreviveu" para colher os louros, que ficaram com Ringo Starr, que integrava a banda Rory Storm & The Hurricanes e já era considerado um dos melhores bateristas de Liverpool.