Destaques

domingo, fevereiro 01, 2009

Futepoca no FSM: O "esquenta" paraense

Compartilhe no Twitter
Compartilhe no Facebook


Em Belém, durante o início do ano, época conhecida como "inverno paraense" e com muitas, mas muitas chuvas durante o dia, volta e meia você é surpreendido por um toró que chega do nada. Durante a marcha de abertura do FSM não foi diferente e a cena retratada abaixo mostra como o pessoal se refugiou na hora em que a água apertou.

Não tendo muita opção, eu e a repórter Brunna Rosa tivemos que nos refugiar em uma barraquinha que vendia salgadinhos (apesar de não ter nenhum), além de refrigerantes e, claro, cerveja. Quente. Foi quando três manguaças já com o tanque cheio chegaram e começaram a papear. O nível etílico dos ditos cujos, em plenas 16 horas, não permitia nada muito complexo, mas um saquinho que eles portavam chamou nossa atenção. Dentro dele, um líquido amarronzado e dois canudos.

Perguntamos o que era. "É o esquenta", responderam.Segundo eles, a mistura é comum nessa época em que, para eles, é inverno (temperaturas acima de 30 graus). O blend não tem nenhum segredo, e simples, mas a forma de beber - em um saquinho - e pra lá de curiosa.
O álcool da mistura fica por conta da bebida acima, pouco recomendada e referendada por poucos.

A mistura sendo feita. O refrigerante utilizado é aquele conhecido entre muitos participantes do FSM como o "suco negro do capitalismo".

E aí está o resultado da infame mistura. Veja só a expressão sorridente e feliz do manguaça com o resultado do seu crime contra o bom gosto.

Obs 1 - os cidadãos que fizeram a mistura e beberam a dita cuja tiveram seus nomes e rostos preservados em função da discriminação sofrida pelos cachaceiros nesse país. Esperamos que isso mude no outro mundo possível.

Obs 2 - as fotos são de Brunna Rosa, com exceção da primeira.

7 comentários:

Maurício disse...

De Faria, por acaso esta secção de esfera azul no canto da última foto é o senhor? (hihihi)

Brunna disse...

Hahahahauhuahuaa
que bizarro. Olhe posso afirmar que é o outro paraense, igualmente feliz e sorridente com "o esquenta".

Glauco disse...

Nego veementemente esta acusação do Demarcelo! Estava à mesa.

Anselmo disse...

esperamos que no outro mundo haja bebidas melhorzinhas do que o esquenta. se bem que com o aquecimento global...

Marcão disse...

Se a mistura do líquido negro for com pinga, o nome é "samba". Se for com conhaque, é "esquenta", mesmo.

Marcão disse...

Mas, se é no sentido de "um outro mundo possível", por que usar o "líquido preto do capitalismo" e não os populares "espoca-bucho"? Segundo o paraense Luiz Otávio, esse é o nome dado a todo refrigerante, no Pará, que não seja Coca-Cola e Fanta. "Espoca-bucho" já!

Nicolau disse...

Complexo...