Destaques

sábado, fevereiro 07, 2009

Kantuta: união entre o povão da Bolívia e do Brasil

Compartilhe no Twitter
Compartilhe no Facebook

Recentemente, estive por duas vezes na Praça Kantuta (à direita), reduto da comunidade boliviana que vive em São Paulo - em breve, a revista Fórum publicará a reportagem que fiz. A feira dominical mantida naquele espaço há 6 anos e meio é frequentada, maciçamente, por imigrantes bolivianos das classes mais populares (muitas vezes em situação irregular), que foram atraídos pelos empregos e subempregos da indústria de costura e confecção. O cônsul da Bolívia em São Paulo, Jaime Valdivia, me disse textualmente que a Kantuta é freqüentada pelo "povão". Talvez por isso eu tenha me identificado logo de cara.

Alguns indícios, na feira, me fizeram traçar um paralelo interessante entre os gostos e opções do povão de lá e o do Brasil: futebol, política e cerveja. De origem indígena e humilde, o presidente Evo Morales é celebrado em todos os cantos, em fotos, calendários e cartazes de apoio - assim como Lula no Brasil, que também tem origem pobre e goza de muita popularidade entre as classes econômicas mais baixas. E, tal como no Brasil, o futebol é onipresente entre os bolivianos. Na Kantuta, além dos campeonatos (masculino e feminino) que se desenrolam todos os domingos na quadra central da praça (foto acima), é nítida a ligação de todas as pessoas com o esporte mais popular do mundo.

Mesmo nos cartazes de Evo Morales, o chefe da Nação aparece muitas vezes envergando a camisa do Litoral, time da segunda divisão pelo qual jogou em 2008, ou mesmo abraçado ao ídolo Maradona (reprodução ao lado). Entre as camisas de times bolivianos vendidas nas barracas, mais que os uniformes dos tradicionais Bolívar, The Strongest ou Jorge Wilstermann, a camisa exposta com maior destaque é a do San Jose (acima, à direita), time de coração do presidente vizinho. Da mesma forma, o que não falta entre os fequentadores é a camisa do Corinthians, time de Lula e de torcida predominante na Zona Leste de São Paulo, onde se concentra a maior parte dos 100 mil bolivianos que habitam a cidade.

Quanto à bebida, apesar de muitos bolivianos gostarem de singani, algo semelhante à cachaça, nossa mania nacional, a pedida na feira geralmente é cerveja - o combustível do povão. E penso, particularmente, que eles fazem a melhor Pilsen que já provei na vida: Paceña (foto à esquerda). Conheci essa cerveja em 1989, quando Lula disputou pela primeira vez a Presidência. Um de meus cunhados, que trabalhava em São Paulo, costumava levar para o interior cervejas importadas que só eram encontradas na capital, para que meu pai e eu experimentássemos. Foi nessa época que conhecemos a holandesa Heineken, a estadunidense Budweiser e a mexicana Tecate, entre muitas outras. Mas a boliviana Paceña, de forma unânime, tornou-se nosso "padrão" de cerveja boa.

Encorpada, com cheiro e gosto de chope (só que mais acentuado), boa espuma e paladar que permanece. Sempre que bebo Paceña fico mal acostumado, torcendo a língua para as Brahma e Skol da vida. Pois é isso: todo domingo, das 11h às 19h, na Praça Kantuta, bairro do Pari (rua Pedro Vicente, a 700 metros da estação de metrô Armênia), o povão brasileiro pode se confraternizar com o povão da Bolívia, no melhor clima de descontração e amizade. Orgulhosos de nossos presidentes (detalhe de calendário acima) e prontos para celebrar o futebol com uma cerveja estupidamente gelada. E com democracia, lógico! Afinal, nem todo mundo torce para o San Jose ou para o Corinthians. A Kantuta recebe todos com o mesmo aconchego e respeito. Até lá!

Ps.1: Amanhã, 8 de fevereiro, haverá na praça a tradicional festa de carnaval "Diablada".

Ps.2: Não percam a reportagem sobre a Kantuta na próxima edição da revista Fórum , que destacará ainda o Fórum Social Mundial de Belém (PA).

5 comentários:

Maurício disse...

Lembro também que nesta época meu tio Sergio, com quem costumava passar férias na praia, eu tinha lá meus 12 ou 13 anos, comprava Paceña e falava dela com muita admiração. Lembro, aliás, que era muito fácil encontrá-la, era amontoada às pilhas nos supermercados, mesmo em Ubatuba. A Budweiser também era muito consumida pela família nesta época.
Eu tomava com meu tio e meu pai, mas não posso dizer que tivesse condições de comparar. Mas meu tio é alguém que viaja muito e se dedica deveras à apreciação de cerveja e outros alcoólicos.
Fui tomar de novo quando estive na Bolívia e Peru em 1996, e aí pude comprovar não só a excelência da Paceña como a altíssima qualidade das cervejas bolivianas e peruanas em geral. Estão sem dúvida bem melhores que nós. Acho que só a Cerpinha premium rivaliza com eles.
E, de fato, está entre as melhores Pilsen que já tomei, comparável às alemãs e às tchecas.

Leandro disse...

Sei que não é original o que vou escrever aqui, mas, de boa, não há time no Brasil que combine mais com povão e com democracia que o Corinthians.

Zé Pedro disse...

Show de bola.
Ainda por cima, tenho uma latinha de Paceña até hoje.

Anônimo disse...

Gostei dos comentarios, pois sou um boliviano com 39 anos de Brasil, bolivarista na Bolivia e sãopaulino no Brasil, gosto da cerveja paceña da Bolivia e de muitas aqui no Brasil.Também frequento a feira boliviana kantuta e acho legal o intercambio e as demostrações culturais. Parabens pela reportagem e agora esperamos a edição da revista.

ROGELIO QUIROGA disse...

EU SOU PACEÑO, NACIDO NO BAIRRO DE MUNAYPATA, TEÑO 36 AÑOS E ADORO BEBER A CERVEJA NOSSA DE CADA DIA, CORINTIANO, APOSTOLICO, ROMANO. ATE POSSO DICER Q´ AGORO MINHA NACIONALIDADE É BOLINTIANO. AGORA,FAZER COMENTARIO DA CERVEJA PACEÑA. DEPOIS DE VOLTAR PARA MINHA PATRIA AMADA BOLIVIA, MINHA VONTADE ERA BEBER UNA CERVEJA , PARA ME LEMBRAR DE MEU BRASIL Q´ME ACOLLEO CON TODO CARINHO, CONTO PARA VOCES Q´NO PRIMERO GOLHE, EU BOMITE, ESSA CERVEJA É MUITO RUIM, TEM UM SHEIRO DE XIXI PODRE. NÃO ACREDITAM!! EXPERIMENTEM. NÃO TEM MELHOR CERVEJA NO MUNDO , Q´A CERVEJA BRASILEIRA. BRHAMA, SKOL, SKIN.