Destaques

quinta-feira, abril 09, 2009

Dale-ô, dale-ô, dale-ô, Juventus!

Compartilhe no Twitter
Compartilhe no Facebook

No setor de visitantes: Tuty Renzo, Chico, Marcão Palhares e Taroba

Como estava aguardando as fotos, registro só agora a prova do "crime", ou melhor, da "expedição" que muitos taquaritinguenses desterrados em São Paulo fizeram ao estádio da Rua Javari, bairro da Mooca, no último sábado. Mais do que o futebol, a ocasião serviu de encontro e união da "colônia", com figuras como João Palomino, da ESPN Brasil. O Juventus, que ainda está na zona de rebaixamento da Série A-2, venceu o Clube Atlético Taquaritinga (CAT), que permaneceu entre os oito classificados para a fase final, por 2 a 1. Assim que chegamos, com o jogo já em andamento, o Moleque Travesso abriu o placar, com Jordan (foto à direita). Aliás, para chegarmos até o setor de visitantes, tivemos que passar por trás desse gol, no meio da torcida juventina. Houve provocação, mas tudo no bom humor.

Só então pude contemplar o campo onde Pelé marcou o gol que considera como mais bonito, há exatamente 50 anos: tirando pequenas reformas, o visual é o mesmo daquela época, com o setor coberto sustentado por colunas, destinado à torcida da casa, e o alambrado praticamente no gramado. Sente-se o cheiro de grama e os jogadores passam a meio metro do torcedor - o que permite imaginar que, nos áureos tempos, devia ser realmente difícil derrotar o Juventus ali. Mas não passaram nem dez minutos e o CAT empatou, com Carlos Henrique. Em pé, no alambrado, provocamos os juventinos aos berros cruéis de "Ão-ão-ão/ Terceira divisão!".

Na segunda etapa, fui até a cabine de imprensa, cumprimentar os radialistas de Taquaritinga, e foi lá que encontrei o Palomino, que levava seu filho João Vítor pela primeira vez a um estádio. "Um empatezinho aqui já tava bom demais", me soprou o jornalista conterrâneo. Não deu: minutos depois, Dewide fez o gol da vitória para o Juventus. O barulho que a pequena torcida organizada do nosso adversário fazia atrás daquela meta, a mesma onde Pelé fez o gol antológico em 1959, me levou a crer que atrapalhou tanto o goleiro do Juventus, no gol que sofreu no primeiro tempo, quanto o do CAT, no final do jogo. Gritavam, sem parar: "Dale-ô, dale-ô, dale-ô, Juventus!".

Conformados com o resultado e surpresos com a hospitalidade dos juventinos, fomos (lógico) aos bares folclóricos de uma esquina atrás do estádio. Lá, encontramos diretores do clube, ex-jogadores, fotos, flâmulas e trófeus. Um dos ex-atletas que cumprimentei foi Buzzoni (à esquerda), ex-Juventus, Portuguesa e Palmeiras. Apesar da derrota do CAT e da qualidade sofrível dos jogos da Série A-2, conhecemos um local mítico e aconchegante para todos que gostam de futebol. Recomendamos. E voltaremos.



4 comentários:

Luis Henrique disse...

Eu particularmente ainda devo a primeira visita, não só à Rua Javari, como também à Rua Comendador de Souz(s)a.

Glauco disse...

Idem ao Luis Henrique. Impressionante a "guerra" de torcidas. O Palomino falou a respeito do jogo no Linha de Passe, um evento com certeza.

MAU disse...

EAe, parabens pelo blog e pelo texto sobre a Javari, sem duvida , um estadio a ser eternizado nao só pela galera da mooca mas tbm pelos seus adversarios.
Eu escrevo o www.asmilcamisas.wordpress.com , de uma olhada e me diga o que achou!

Giulio disse...

Muito legal esse texto. Só uma correção : quem aparece na foto não é o Buzzone, mas o Osvaldinho que foi centro avante do Juventus, Portuguesa e Palmeiras que, coincidentemente se chamava Osvaldo Buzzone, mas sem qualquer parentesco com o outro Buzzone, que você teve a oportunidade de encontrar no bar e que se chamava Wilson.