Destaques

segunda-feira, fevereiro 01, 2010

Primeira derrota para o Corinthians em três anos. Por que não passa jogo no avião?

Compartilhe no Twitter
Compartilhe no Facebook

O Palmeiras perdeu do Corinthians por 1 a 0 com um jogador a mais. Após três anos e três meses, o alvinegro voltou a sentir o sabor de uma vitória sobre os rivais. E os palestrinos, o amargo que é essa derrota. Jorge Henrique fez o gol e mandou avisar que nem precisava do Ronaldo, o Gordo, mesmo.

Bem desagradável.



Roberto Carlos expulso no começo e nem assim o time de Muricy Ramalho conseguiu manter a freguesia. Lamentável.

Mais lamentável foi não ver o jogo por estar no avião. Com a chuva na tarde de domingo, o aeroporto de Congonhas ficou fechado por uns 30 ou 40 minutos. Atraso. Esperar dentro do avião para decolar, celular sem bateria para ouvir o rádio.

É quase defender um direito humano a possibilidade de garantir ao torcedor a transmissão do jogo em uma situação assim, em que a comunicação com o mundo exterior é vedada. Tudo bem que precisaria pagar para Globo, para o clube dos 13, mas também daria para captar anunciantes. Será que não?

8 comentários:

Marcão disse...

Pelo menos liberaram a manguaça no período de espera dentro do avião? As aeromoças eram interessantes? Porque, se não teve futebol, cachaça e nem aeromoça jeitosa, é caso claro de tortura e desrespeito aos direitos humanos mais fundamentais! Absurdo!

Anselmo disse...

a cia aérea nao tinha nem cerveja. mesmo sabendo disso, eu sempre fiz questão de perguntar se tinha. de repente algum(a) comissário se sensibiliza e comenta com algum supervisor. Se todos os ébrios fizessem isso, talvez o padrõa mudasse. ou talvez poderíamos ter certeza de que a cia aérea é claramente antibêbados, numa política sectária de relação com os clientes.

sobre os atributos físicos das comissãrias, eu não reparei, porque do contrário teria problemas em casa. mesmo se tivesse reparado, não iria paquerá-las. então, tortura foi

eu sei q nao deveria escrever isto: cadê os corintianos?

Olavo Soares disse...

Será que não ia rolar tumulto no avião se passasse um jogo, ainda mais clássico?

Eu sou um daqueles que talvez não conseguisse se conter.

Leandro disse...

Foi injusta a expulsão do Roberto Carlos, e se não fosse por ela, quer me parecer que o Corinthians ia quebrar o tabu com goleada.
E cadê os (outros) corintianos?

Leandro disse...

Foi injusta a expulsão do Roberto Carlos, e se não fosse por ela, quer me parecer que o Corinthians ia quebrar o tabu com goleada.
E cadê os (outros) corinthianos?

fredi disse...

Leandro, desculpe, carrinho por trás com risco de quebrar a perna do adversário é uma expulsão injusta?

Qual o critério para expulsão direta, só se tiver fratura exposta?

Se vc olhar no livrinho de regras está lá, uso de força desproporcional, expulsão.

Se aquilo não foi desproporcional, o que será?

Você deveria estar cobrando mais calma do Roberto Carlos, se não será expulso várias vezes.

Marcão disse...

A expulsão do Roberto Carlos foi perfeita, gostei da coragem do Seneme - que depois se complicou no segundo tempo por não ter posto o Armero pra fora em lance parecido. O Richarlyson foi expulso certa vez numa entrada idêntica (também não acertou diretamente o adversário) e eu achei muito justo. Qualquer entrada por trás deveria ser vermelho direto. O foda é que só às vezes alguém tem peito pra fazer isso, daí fica parecendo "injustiça", "exceção" ou "falta de critério".

Leandro disse...

Fredi e Marcão,
O anticorinthianismo falou mais alto, aí, com certeza. Vocês dois estão redondamente equivocados.
O teatro do jogador palmeirense foi de uma desfaçatez sem precedentes.
Vejam a repetição e constatarão que o velhinho Roberto Carlos pode ter muitos problemas com a idade e com as meias, mas não chegou nem perto dos pés do pimpolho. Este é quem merecia amarelo pela encenação.