Destaques

segunda-feira, fevereiro 01, 2010

Pesquisa CNT/Sensus: a manchete alarmante que ninguém deu

Compartilhe no Twitter
Compartilhe no Facebook

A 100ª pesquisa do Instituto Sensus, encomendada pela Confederação Nacional dos Transportes (CNT) foi divulgada nesta segunda-feira (1º) e todos os veículos optaram por manchetes corretas, mas surpreendentemente favoráveis à pré-candidata petista Dilma Rousseff, ministra-chefe da Casa Civil. Realmente a vantagem de intenção de votos de José Serra (PSDB), governador de São Paulo, caiu para 5,4 pontos percentuais, menor do que a soma de margem de erro – de três pontos para mais ou para menos. É o limte da margem, mas é a margem.

Outras possibilidades seriam dizer que Dilma subiu 6 pontos ou que a diferença caiu quase pela metade. Ou ainda que Ciro Gomes despencou, pela primeira vez aparece atrás de Dilma numa simulação de improvável segundo turno.

Mas nenhuma dessas é a manchete alarmante.

O Marcão já havia alertado, em 2008, que Lula já era mais popular do que futebol e cerveja.

Agora, o dado assustador é que 67,4% dos 2 mil entrevistados são contrários ao uso de bebidas alcoólicas. A parcela é apenas sete pontos menor do que a rejeição ao cigarro.

O detalhe é que o Levantamento Nacional sobre os Padrões de Consumo de Álcool na População Brasileira, realizado em 2007, apontava que 52% das pessoas bebiam. Segundo a Veja, "quase 70 milhões de brasileiros bebem" (36,6% de 191 milhões, segundo estimativa do IBGE de agosto).

Seja de acordo com os dados do Levantamento, produzido pelo Ministério da Saúde, seja na estima tiva sem menção a fontes da revista da Abril, há uma sobreposição de pelo menos 4% e no máximo 20% da população que bebe mesmo sendo contra o hábito.

No caso dos fumantes, 17% (24,6 milhões) têm o cigarro como hábito. É compatível com o nível de rejeição do tabagismo.

Independentemente da sobreposição, que realmente preocupa, o que impressiona é pensar que dois terços da população são contra bebidas alcoólicas.

5 comentários:

Neide disse...

Calma Anselmo. Nada de pânico. É politicamente correto ser contra bebidas alcoólicas e cigarro e a favor do verde, da mata atlântica, do mico-leão dourado, da ararinha azul. Liga não, isso não reflete necessariamente o pensamento do pesquisado. Veja na questão do aborto. Mais de 70% é contra a legalização, mas na real, quando o aborto é necessário em seu núcleo familiar, a coisa muda de figura.
E, você sabe: manguaceiros unidos jamais serão vencidos!!!!

Marcão disse...

O mais impressionante é que, naquela época que postei "Lula é mais popular que futebol e cerveja", citei que "Pesquisa de Bem-Estar Mundial da Durex, de 2006, diz que 76% dos brasileiros são sexualmente ativos". Agora, com 81,7% de aprovação, podemos afirmar, com espanto, que Lula também é mais popular que sexo no Brasil!

Kadhira Saccomano disse...

o problema é a quantidade do que se bebe em detrimento da qualidade do que se bebe, já no caso da aceitação de um político é a quantidade de bebeficiados em detrimento da qualidade das ações. Acho que Lula ficaria emocionado com essas palavras do Marcão, com todo respeito.

Kadhira Saccomano disse...

Ou seria o contrário? maior quantidade de bebida e maior qualidade nos serviços!

Anônimo disse...

condordo inteiramente com a neide. e essas pesquisas sao todas furadas e mentirosas, por exemplo essas de popularidade do lula, nao conheco ninguem que gosta desse individuo mentiroso e hipocrita