Destaques

segunda-feira, fevereiro 09, 2009

E o Santos não passou no teste...

Compartilhe no Twitter
Compartilhe no Facebook

Antes do clássico de hoje, a imprensa falou que essa seria a partida-teste para o Palmeiras, já que enfrentaria um adversário à altura. Mas, na verdade, o time da Vila Belmiro foi um sparring pobre e para os peixeiros foi de fato um teste para suas pretensões no ano. Teste no qual eles não passaram e em que ficaram evidentes as falhas de planejamento (sic) da diretoria local (e bota "local" nisso).

Com 11 minutos, o Palmeiras tinha chegado ao gol com chances claras de marcar por três vezes. O Santos, sequer tinha finalizado ao gol. O primeiro chute só viria aos 33, com o volante Germano. Pra fora. Vanderlei Luxemburgo fez o óbvio contra um time com dois zagueiros pesados, um tosco lateral improvisado como Adriano e Leo ainda fora de forma: colocou sua equipe para marcar pressão e tirar a saída de bola do Santos. Se Márcio Fernandes poderia até ter dado mais mobilidade no ataque com o meia Róbson no lugar de Roni, o que aconteceu na prática foi que Kléber Pereira ficou isolado, contra dois ou três zagueiros, enquanto o meio de campo peixeiro tinha três atletas que não marcavam: o próprio Róbson, Madson e o inoperante Lúcio Flávio.

Ficaram desnudas as deficiências do Alvinegro. Sem jogadores de marcação no meio, sem lateral direito de ofício e também sem Pará, expulso de forma infantil na partida do meio de semana, restou ao Palmeiras deitar e rolar. Isso, sem contar com a falha de Fábio Costa no primeiro gol e a grosseria de Adaílton no segundo.

Como nenhum time no mundo aguenta fazer marcação-pressão o tempo todo, nos últimos dez minutos o Santos pressionou. Mas as poças do terrível gramado do Palestra, uma defesa sensacional do goleiro Bruno e os zagueiros alviverdes fazendo milagres não permitiram que o time tivesse melhor sorte. No intervalo, restou a esperança, reforçada pela lembrança do clássico do Paulista de 2007, quando o resultado era o mesmo no final do primeiro tempo, mas o final foi um belo 3 a 3.

Mas, com menos de um minuto, vem outro gol de Keirrison, o nono contra o Peixe nas últimas três partidas. E o Santos perde uma, duas, três chances. O Palmeiras, recuado, conta com a sorte, além de tudo. Mas Kléber Pereira, em jogada de Madson, faz o dele. O torcedor teve esperanças, mas o jogo foi decidido em 46 minutos. Uma soma de fatores, a saber: elenco carente em algumas posições, um adversário mais bem entrosado, melhor tecnicamente e jogando em casa, mais contratações que não renderam decretaram a derrota santista. O quarto gol foi a pá de realidade na cova santista. Dessa vez, a culpa menor foi de Márcio Fernandes. Mas ele deve pagar o pato, justa e também injustamente.





Individualidades santistas
Quando o técnico Leão tirou Fábio Costa da partida contra o Barueri, em 2008, muitos chiaram. Claro que o treinador é chegado em confusões, mas será que ele estava errado? O goleiro voltou, como sempre volta, acima do peso, na ocasião, com cinco quilos a mais. E demora pra se recuperar, o que afeta a olho nu seu desempenho. Começo de Paulista é sempre garantia de falhas do arqueiro.

Lembra da partida contra o Marília em 2006? Do jogo contra o Mirassol ou mesmo contra o São Caetano, quando rebateu bolas para o meio da área? Hoje, nova rebatida que resultou no terceiro tento palmeirense, fora a falha no primeiro gol. Claro que o arqueiro tem crédito, mas é profissional voltar sempre com quilos a mais e demorar pra se adaptar e render para a equipe? Acredito que não.

Madson deu uma assistência, correu muito e, ao contrário de outras ocasiões em que foi bem improdutivo, dessa vez se salvou em meio à mediocridade. O triste é lembrar que era o único que se salvava no temerário Vasco do ano passado. Mau sinal.

Pra resumir, Adriano, que não consegue dar um passe de dois metros, não tem condições de ser titular do Santos nunca. Cães de guarda existem aos montes por aí. Não precisamos de mais um.

E como perguntar não ofende, algum santista, vendo o Lúcio Flávio jogar, não tem uma pontinha de saudades do Tabata?

6 comentários:

Maurício disse...

O Pará ainda não pegou ritmo depois que parou para o Fórum.

Anselmo disse...

Cartão amarelo para o Marcão.

A vitória do Palmeiras sobre o Santos é diferente das anteriores porque foi num clássico. Porque, apesar das falhas da retaguarda do alvinegro da Baixada, mostrou um Verdão rápido e objetivo. Um escrete concentrado.

A meia-bicicleta desajeitada de Edmilson e o pênalti de Fábio Costa no segundo gol são contestáveis. Mas diante do placar elástico, a polêmica fica de lado (achei legal o gol, e faltosa a saída do arqueiro santista).

Concordo que Bruno, sorte, bolas tiradas embaixo da trave e o fato de o terceiro gol palmeirense ter sido conferido logo a 44 segundos da etapa final dificultaram muito as coisas para os visitantes.

Interessante lembrar dos 9 gols de Keirrison em três partidas contra o Santos. Em 2008, no 1º turno Brasileiro, foi 4 a 2 o jogo. Além do 3 a 3 citado, teve o 5 a 1 de 2006. É muito comum ou sair goleada ou ser um jogão. Ontem, foi o primeiro caso.

Nicolau disse...

Esse jeito do Fábio Costa de sair do gol com os pés levantados é um atemeridade, sempre. Mesmo que não pegue, facilita muito pro juiz enxergar errado. Pelo que vi do lance, achei que foi falta mesmo, mas não garanto.

Marcão disse...

Mas por que cartão amarelo para mim?!?? O que eu fiz?!?? É preventivo?!??

Anselmo disse...

é a confusão mental de segunda de manhã. o cartão era obviamente para o maurício.

Glauco disse...

É tanta gente fazendo trocadalho que um dá a botinada e o outro que toma cartão...