Destaques

domingo, março 29, 2009

Derrota para a eficiência do time do Muricy

Compartilhe no Twitter
Compartilhe no Facebook

O Palmeiras teve 88 minutos para empatar o jogo com o São Paulo. É que o atacante Washington, autor do único gol do clássico do Morumbi, marcou logo aos 2 do primeiro tempo. Claro que a conta não considera os acréscimos.

A falta de padrão de jogo do alviverde e a eficiência do time de Muricy Ramalho foram as marcas do jogo. Tem palmeirense pedindo a volta de Felipão.

A fase atual do time de Vanderlei Luxemburgo lembra a reta final do brasileiro de 2008. Quando o time atingiu a melhor fase naquela competição, despencou de produção.

No sábado, sem Diego Souza, Keirrison não conseguiu fazer a diferença, mesmo tendo uma oportunidade aos 41 do segundo tempo cara a cara com Rogério Ceni. Pra mim, nesse lance, foi mais falha do atacante do que mérito do arqueiro, porque a bola foi chutada fraca e em cima dele.

O São Paulo assumiu a segunda colocação, deixando o Corinthians para trás. A dois jogos do fim da primeira fase, a terceira derrota na temporada mostra uma dificuldade do time para lidar com partidas importantes. Neste caso, mesmo sem ser decisiva, era um clássico. E todo clássico tem peso. Muito triste mesmo ver o time nesse pé.

No gol de Washington, o são-paulino tem méritos na movimentação, mas a zaga ficou só olhando. Um problema crônico que se agrava quando a capacidade de fazer gols fica menor do que a incapacidade de contê-los, como ensinaria Conselheiro Acácio.

A culpa é do Lula

Não demorou para sobrar a culpa para o presidente da República. Ou melhor, para o neto dele.

14 comentários:

Thalita em Londres disse...

Acordei no domingão, dia de folga, pensando: "hj tem São Paulo x Palmeiras". Qdo entrei na internet, vi q o jogo já tinha acontecido... papelão... Menos mal que eu estava trabalhando e não poderia nem acompanhar a partida pela internet.
Mas os melhores momentos me dizem dua coisas:
1 - eu adoro ter o washington no meu time. sobre ele, acho que fiz uma especulação decente http://www.futepoca.com.br/2008/11/especulaes.html.
2 - o Dagoberto é muito fominha. Em dois lances muito parecidos, em vez de tocar para o companheiro livre de marcação, mandou direto para o gol, ou para longe dele. Volta Borges!
3 - o gol que o Keirrison perdeu, rapaz...

ps: o título "Time feminino 1 x 0 time masculino" e o texto que o acompanha são indignos. Ou melhor, dignos... de serem enviados para o ministério público para investigação contra homofobia.

Fabricio disse...

Minhas considerações em itens para agilizar:

1- O Palmeiras depende do Diego Souza para construir jogadas.
2- O Cleiton Xavier parece ter esquecido do futebol do começo do ano.
3- É a 1274234254 seguida que o Palmeiras toma um gol do São Paulo nos minutos iniciais.
4- Assim como no jogo contra o corinthians e nos dois da Libertadotes o Keirrison mostrou uma afobação incrível. Teve a bola da Taça dos Invictos no pé. Poderia entrar de bola e tudo.
5- Eu não consigo mais admitir que a zaga continue marcando a bola e não os atacantes. Melhor pro Washington. Caiu na cabeça dele já era. Ele é fantástico na área.
6- Parece cada vez mais nítido que o São Paulo perdeu a chance de fazer dinheiro com o Hernanes. Se continuar assim, as propostas de 14 milhões que o clube foi o único a divulgar e que recusou, não vão passar da metade.
7- Pelo amor de Deus, parem com essa babaquice de dar 10% dos ingressos para o visitante. Ou coloca uma torcida só ou divide. E isso começou com esses dois times nas brigas pra jogar no Palestra em 2005 e 2006. Clássico é no Morumbi e ponto final. A vida toda foi assim. 20 mil pessoas num clássico desses é lamentável. Com certeza os palmeirenses comprariam mais dos que os 5,5 mil que puderam.

Parece papo de perdedor, mas não sei se uma vitória no sábado seria tão importante para o Palmeiras, pelo contrário. Com esse resultado seria muito grande a chance de repetir a semifinal do ano passado. Me parece melhor pegar a Portuguesa ou mesmo o Santos.
Além disso, a história mostra que chegar nas fases decisivas invicto é sinônimo de derrota.

Bom, é esperar pelo verdadeiro começo do campeonato. Eu particularmente torço para termos os 4 grandes.

Marcão disse...

Thalita, pra diminuir seu vexame, eu também esqueci do clássico no sábado. Tava tomando uma cerveja com o Sartorato, na Paulista, e aí ele volta do banheiro dizendo: "-Pô, é engano meu ou tão jogando agora Palmeiras e São Paulo, no Morumbi?". Fiquei curioso e fui lá no fim do balcão, onde tinha uma TV minúscula ligada - e todos os funcionários (palmeirenses) assistindo. Quando cheguei, já tava 1 a 0, e eram 5 do primeiro tempo. Depois não assisti mais nada, desisti. O detalhe "butequístico" aconteceu quando passei e vi a TV desligada e perguntei ao chapeiro quanto tinha sido o placar final. Ele me olhou mal humorado e respondeu: "2 a 1 pro Palmeiras". Aí eu soltei um "putaquepariu" e ele completou: "2 atacantes de merda pro Palmeiras e 1 muito bom pro São Paulo, que fez o gol da vitória!". Não adianta estar em primeiro na tabela e já classificado. Derrota em clássico estraga o dia - e o humor - do torcedor.

Fabricio disse...

"Derrota em clássico estraga o dia - e o humor - do torcedor."

Falou tudo. Por sorte não foi o corinthians.

Glauco disse...

Pra botar a culpa no Lula o pessoal não poupa nem criança. Impressionante.

Marcão disse...

Relendo o terceiro volume brasileiro da "Lei de Murphy", adaptada por Millôr Fernandes e publicada em 1990, me deparei com a profética "Lei do Brizola": "Quando nada der certo, a culpa é do Lula".

Nicolau disse...

O Lula tem culpa mesmo, mas de dexar fazerem isso com o neto, coitado do menino... Campanha aberta pra ser palmeirense...

Anselmo disse...

peraí: a gestão do presidente não pode se estender ao neto. ele pode tentar mudar as coisas, mas quem cuida da educação do menino é o pai. O avô pode até se arvorar a função de "estragar" o piá, atitude legítima até no que diz respeito ao futebol. Mas culpa é demais, vá...

E outra: tem o fenômeno Marcos no meio. Ele não entrou com a 10, entrou com a camisa 12. Relativise as coisas, nivaldo... hehe

Luis Henrique disse...

Po, o Hernanes joga mal duas ou tres partidas e não vale mais nada - e o cruzamneto pro gol foi dele, hein. De resto, ele não foi o único: tirando o ridículo Dagoberto, que deve pensar o seguinte antes do jogo: "as primeiras tres bolas eu tento sozinho, não importa a posição do outro; nas próximas eu faço o passe, mesmo que ele esteja marcado". Fora esse, que foi o pior, o resto - dos dois times - ficou na mediocridade. Quanto a torcida, tb não gosto de jogo com uma torcida só, mas se as brigas rolam cidade afora, antes e depois dos jogos, é difícil querer estádio dividido (se bem que deve fazer pelo menos uns quinze anos que a torcida do Palmeiras não divide o Morumbi em jogos contra o SP).
Outra coisa: eu tb não gosto de perder, muito menos clássico, então como reclamar do "pragmatismo" do time do SP? Eu até gostaria de um time com mais toque de bola, mas se não tem, vai tu mesmo... Pelo menos ta ganhando.Qual seria o modelo hj em dia? Aposto que algum time europeu, com um monte de craques. Ai é mais facil, né...

Marcão disse...

Correção: reli a Lei de Murphy e a Lei de Brizola é "errar é humano, mais humano ainda é botar a culpa no Lula".

Fabricio disse...

A torcida do Palmeiras não divide mais o Morumbi por causa da diretoria são-paulina ficar mandando só a vermelha pra vender no Parque.

Vamos fazer a mesma coisa no Parque Antártica. 15 mil ingressos para cada. Mandamos 5 mil e os outros 10 mil vocês compram lá na Turiassu. Quero só ver.

Luis Henrique disse...

Fabricio, esse argumento é válido pros jogos até uns anos atrás, mas agora todo jogo tem que ter uns cinco pontos de venda pelo menos, então não sei se é por aí; e a arquibancada amarela não vendia tb?(Não sei a respeito, to perguntando mesmo). Além disso, a torcida do Corinthians ainda dividia, antes dos 10%.

Fabricio disse...

Opa Luis Henrique,

então, desde aquele jogo do gol do Alex em 2002, sempre mandam a vermelha para os postos de venda com a condição de mandarem a amarela quando começa a acabar a vermelha. Pra comprar amarela precisa ir no Morumbi. Mas ninguém vai lá comprar sabendo que vai encontrar a outra torcida. Daí a amarela fica sempre na metade no máximo.

Pelo que conversei com uns amigos, pros jogos contra o corinthians, madam vermelha e amarela no Pacaembu já no primeiro dia.

Isso não acontece nos jogos contra o corinthians. Em geral a torcida do corinthians é maior, mas frequentemente dividimos ou até ficamos em maior número. Isso se dá pq nesses jogos mandam azul/laranja pros mandante e vermelha/amarela pro visitante já no primeiro dia.

Mas isso é efeito também do campo de jogo. Imagina se os jogos fossem todos no Palestra, mesmo com divisão. Concorda que a maioria seria palmeirense? Isso afasta o público. Antigamente isso não acontecia pois a violência era bem menor. Cansei de ir no Morumbi e comprar ingresso antes do jogo lá na praça, junto com tricolores e vestindo a camisa do Palmeiras. E isso não é década de 70 pra trás, é 10 anos atrás, até menos.

Luis Henrique disse...

Valeu, Fabricio! E tem mais um detalhe: nessa época de até uns dez anos atrás, quando o São Paulo era o "visitante" do clássico, ou seja, não tinha o mando, a torcida sãopaulina ficava com os lados vermelho e amarelo; e imagino que mandavam não só a azul mas tb a laranja. Abraço.