Destaques

domingo, março 29, 2009

Barrichello: a volta de quem não foi

Compartilhe no Twitter
Compartilhe no Facebook

Invado aqui o espaço do Chico Silva, que irá dissertar melhor sobre o assunto, mas é impossível não falar sobre o GP da Austrália de F-1, talvez o grande evento esportivo do final de semana. A estreia da temporada mostrou uma competição diferente da previsibilidade modorrenta dos últimos anos e até, porque não, mais democrática. E um quase aposentado, Rubens Barrichello, mostrou que seu fim de carreira pode ser muito melhor do que se esperava.

A largada do brasileiro foi péssima e o carro quase morreu. A queda para o sétimo lugar e um toque que danificou sua asa dianteira esquerda parecia trazer à memória um filme que o torcedor brasileiro cansou de ver: a mistura de vacilo com falta de sorte que fizeram do piloto uma caricatura para muitos no Brasil. Mas ele se recuperou. Ultrapassou a Ferrari de Kimi Haikkonen, mesmo com o carro avariado. Seu companheiro Jenson Button se distanciava na frente e várias voltas se seguiram até a troca do bico da Brawn GP.

Mesmo com o trabalho do box tendo tirado um quarto lugar que era seu, Barrichello ganhou na pista a posição de direito. Àquela altura era o único brasileiro na pista e foi incrivelmente bafejado pela sorte com o acidente envolvendo os novos e rápidos Sebastian Vettel e Robert Kubika.

Terminou em segundo em uma corrida histórica, sendo a primeira dobradinha de uma equipe estreante em 45 anos de F-1. O término da prova foi promissor e talvez esse seja um ano absolutamente diferente na categoria. Ou, pelo menos até Barcelona, quando novos pacotes das equipes devem estrear e outros devem contar com os difusores que são parte importante do sucesso da Brawn GP. Por enquanto, a festa é de Button e Barrichello. E do estrategista Ross Brawn.

4 comentários:

Maurício disse...

Vai Rubinho!

anselmo disse...

parabens a quem ficou acordado de madrugada.

e tbem ao rubinho.

Brunna disse...

surpreendente.
custei a acreditar na notícia. Claro no domingo pela manha.
Achei que era ressaca, que tava sob efeito de tóxicos e por fim lembrei que o Glauco, em seu momento vidência (invadindo o espaço da eminência parda) já havia vislumbrado tal momento durante a semana.

Glauco disse...

Nõ fiquei acordado, coloquei o despertador pra acordar. Mas se fosse no ano passado, continuaria dormindo fácil dado o grau de desinteresse pela F-1.