Destaques

quinta-feira, agosto 13, 2009

Atlético-MG e Palmeiras empatam no Mineirão. Poderia ser vitória (o lado alviverde)

Compartilhe no Twitter
Compartilhe no Facebook

Foi um grande jogo, mas foi 1 a 1. Palmeiras e Atlético-MG disputaram em campo uma partida digna de primeiro e segundo na tabela do campeonato. Por ser em Belo Horizonte, o empate não é ruim para o líder. Pelo que mostrou na segunda etapa, depois do pênalti defendido por Marcos, a vitória poderia ter vindo para os paulistas.

Opa! Pênalti defendido? Pois é, a vitória também poderia ter ficado com os donos da casa, porque a infração cometida por Wendel e desperdiçada por Renan Oliveira aconteceu no melhor momento do Atlético na partida.

Se o Internacional de Porto Alegre vencer os dois jogos que tem a menos do que o Palmeiras e um a menos do que o Galo, os colorados podem chegar à ponta da tabela. O Palmeiras mantém quatro pontos de vantagem sobre o segundo, mas com um jogo a mais.

O jogo
O Atlético-MG ganhou de Marcão e Marcos um presente. Aos 5 minutos, o zagueiro bobeou e deixou a bola para Éder Luís que acertou um belo chute. Mas Marcos, o Goleiro, falhou. Quis defender em manchete, errou e o lance merece o nome de frango.

Mas Marcos já jogou 450 vezes com a camisa alviverde.

E tudo isso facilita na hora de uma cobrança de pênalti contra uma promessa de 19 anos. O arqueiro não vinha bem na partida, vacilou em saídas do gol por exemplo. Mas a esta altura, já estava no segundo tempo e o placar marcava 1 a 1, porque Ortigoza tinha empatado em cruzamento de Diego Souza.

Renan Oliveira chamou a responsabilidade, mas tentou a paradinha. O camisa 12 esperou. Resultado: Marcos evitou nova vantagem do Galo.

A partir daí, os visitantes cresceram em campo. Foi essa a parte da partida que fez o palmeirense lamentar trazer apenas um ponto de Minas Gerais. Cleiton Xavier perdeu dois gols feitos. E o time ainda teve um tiro livre indireto dentro da área por recuo de bola assinalado por Djalma Beltrame.

Pierre e Souza mantiveram a raça de sempre e participaram do jogo. Sandro Silva voltou com disposição depois de contusão. Mas o trio não garante muita qualidade de criação. Sem Obina, contundido, Ortigoza foi bem, mas, isolado, tinha como meta conseguir escanteios. Diego Souza foi decisivo ao entregar ao paraguaio o gol.

Jogo de seis pontos
Muricy completa sua quarta partida com duas vitórias e dois empates. Desta vez, a apresentação foi boa, de líder que, quando é visitante e pode ganhar, busca o resultado. Esse era um confronto que, no chavão, é chamado de "jogo de seis pontos", porque os conquistados de um lado são retirados do outro.

Por um lado, Marcos salvou o empate. Por outro, faltou pouco para a noite terminar bem melhor para o lado alviverde.

Para ler a versão atleticana, clique aqui.

8 comentários:

Saulo disse...

Foi um jogão de bola.

Maurício disse...

Sinceramente, achei uma pelada. Basta não estar torcendo para ver o jogo no seu real aspecto técnico. E foi muito baixo. O que mais se viu foi bola espirrada. Se esses são os dois líderes, o campeonato brasileiro vai mal.

fredi disse...

Anselmo, duas coisas.

Primeiro, porque acho que o resultado foi até justo, não falei de juiz. Mas o Beltrame, mesmo não errando tanto, adora se complicar.

Dois exemplos:

O tiro livre indireto foi marcado erradamente. O Renan cortou a bola, aquilo não é recuo. Ok, mas ele marcou. Daí a barreira do Galo adiantou-se e foi quase em cima da bola na hora da batida e ele não teve coragem de mandar voltar.

No pênalti, grande defesa do Marcos, mas se você notar, na hora que o Renan bate, o goleiro já está uns dois três passos fora do gol. Também não teve coragem de mandar voltar.

Maurício, quanto a ser uma pelada, com bola espirrada, pode até ser. Mas os dois times disputaram uma partida com muita vontade e chances de gols para os dois lados. Pela média do campeonato, foi sim um grande jogo.

Maurício disse...

Acho que o conceito de "chances de gol" está bem amplo.

Anselmo disse...

Claro que é pela média do campeonato a análise da partida. Foi "uma partida digna de primeiro e segundo na tabela do campeonato". Não do campeonato de outro ano ou de outro planeta, mas deste que está em disputa.

sobre o tiro livre indireto, eu não marcaria. Acho curioso outro fato, que não muda o mérito do erro, mas se o goleiro fosse um pouquinho mais experiente, nao teria pego a bola com a mão. até porque não tinha nenhum palmeirense por perto.

Fabricio disse...

Eu duvido, que o Maurício pensa isso de verdade. Eu, sinceramente, duvido.

Leandro disse...

Tivemos um primeiro semestre bem interessante, com equipes tão interessantes quanto, como o Cruzeiro, o Inter, o Santos, o Corinthians, o Flamengo, o Palmeiras, o Fluminense... Mas o jogo de ontem, tão decantado "duelo de titãs" entre dois candidatos ao título mostra o quão deprimentes as coisas voltaram a ser.
Hoje, mais um jogador diferenciado (Wagner, do Cruzeiro), foi embora por uma ninharia jogar no fim do mundo do futebol: Na Rússia.
Se eu, que estou na casa dos trinta e peguei os bons tempos no finalzinho já fico deprimido, imagino que se tivesse 50 ou 60 anos de idade já teria tentado é o suicídio.
Pobre futebol, e pobre torcedor brasileiro. O jogo de ontem, entre dois times que estão na ponta da tabela, é um belo retrato disso.

Fabricio disse...

Eu asisti jogos como São Paulo x Grêmio, São Paulo x Goiás, Palmeiras x Atlético-MG, Palmeiras x Grêmio e mais alguns outros dos times que estão na ponta.

Os jogos foram muito bons, e diria até que melhores do que esses times mostraram no Brasileiro do ano passado.

Também assiti corinthians x santo André, Botafogo x Atlético-PR e Fluminense x Atlético-PR.

A diferença entre a primeira lista e a segunda é gritante. E digo mais, não vejo na Europa jogos tão bons tecnicamente falando quanto os da primeira lista faz tempo.

É engraçado ver um monte de torcedores, a imprensa, os jogadores, comentando que o jogo foi bom e apenas os corinthianos dizendo que não. É bem engraçado.