Destaques

sexta-feira, março 26, 2010

Marcos pode

Compartilhe no Twitter
Compartilhe no Facebook

Diz-se que fuma e que bebe. Quando termina o jogo, reclama nos microfones da imprensa que o companheiro não voltou para marcar e que o outro fez corpo mole. Nem diz com todas as letras e deixa no ar um monte de possibilidades que vão fomentar as especulações de mesa de bar. Se o time está perdendo por falta de empenho generalizado, põe o pé no freio. Vai à festa e posa para fotos com antebraços cruzados, punho cerrado e o dedo médio em riste, numa inconfundível paródia do gestual característico de uma organizada do São Paulo.

Escrevendo assim, é o perfil de um mau elemento, um bad boy dentro do futebol. Daqueles caras que desagregam elenco, têm pavio curto e gastam tempo demais com um comportamento inadequado a um profissional da bola.

  
"Saint Marcos and a bird in a peaceful time of the soccer game",
diz a legenda da foto original (algo como "São Marcos
e um pássado em um momento de paz de um jogo de futebol"


Mas Marcos é o Goleiro. Não falta em treino – embora fuja de atividades mais pesadas e do que não é coletivo –, joga com dor (e uma placa) no punho esquerdo há anos. É torcedor. No Palmeiras desde 1992, jogou 485 partidas. Foi pentacampeão mundial pela seleção, um dos maiores responsáveis pela Libertadores de 1999 – o último título de monta do clube – além de um dos momentos mais sensacionais a que um palmeirense poderia assistir.

Na libertadores do ano passado, quando salvou a pátria diante do Sport nos pênaltis, o fez pela sétima vez em sua carreira. Em nove disputas assim, defendeu dez cobranças; foi derrotado apenas em duas decisões de pênaltis.

Muito antes disso, no segundo semestre de 2002, não quis jogar no Arsenal, porque a família queria mesmo era morar em Oriente (SP). No mesmo ano, quando o Palmeiras rumava para a série B, Marcos foi o melhor em campo em boa parte dos jogos, sinal de que a retaguarda não prestava. Em goleadas, desistiu de ir para as bolas.

Um ano depois, na segundona, Marcos continuava lá. A campanha foi suficiente para terminar a fase de turnos em primeiro, mas era o camisa 12 quem garantia boa parte dos jogos.

Ele não é bonzinho nem certinho. Gente boa, vá lá.

Por esse conjunto, Marcos pode. Pode dar margem pra polêmica, discutir, falar mais do que a boca...

Mas não deve.

Turras
Mesmo sendo ídolo da torcida – pelo menos deveria ter essa condição permanente, apesar de uma parcela dos alviverdes o culparem pelos males de qualquer formação do escrete – tem cada vez mais gente querendo ver Marcos na função para-raio.

Na segunda-feira, ele abandonou o treino em que Diego Souza e outros atletas ignoravam os apelos do arqueiro para que todo mundo voltasse para marcar. Ficou p. da vida, disse até que não jogava mais. O time foi a campo contra o Rio Branco e, bom, faltou mais gente marcar a sério para evitar os dois gols.

Quando o Palmeiras estava na pior fase do campeonato – não que agora esteja em boa situação, mas enquanto se tentava ostensivamente derrubar o técnico – prometeu parar de jogar no fim do ano para livrar o torcedor do sofrimento com ele.

O problema do Palmeiras não está embaixo das traves. No entanto, Marcos 2010 representa menos soluções do a versão de dez anos atrás. É mais do que seus reservas podem proporcionar. Mais jogador palmeirense do que qualquer outro do atual elenco.

Como ele não vai durar para sempre, precisa só cuidar de não passar tão perto do centro do turbilhão de crises nas quais se enfiou o Palmeiras. Dizer que está com raiva de perder e só.

Talvez mais idas ao bar ajudem a acalmar.

2 comentários:

Marcão disse...

"fomentar as especulações de mesa de bar"

Só por esta sagrada função, meu xará Marcos já merecia ser canonizado.

Sartorato disse...

Seria injusto o Marcão (o goleiro) ser patrimônio só do Palmeiras. Esse camarada aí é patrimônio do futebol.