Destaques

quarta-feira, dezembro 10, 2008

Palmeiras foi o maior verdugo do tri são-paulino

Compartilhe no Twitter
Compartilhe no Facebook

Prestes a completar 73 anos (na próxima terça-feira, dia 16), só agora o São Paulo Futebol Clube conseguiu uma seqüência de três títulos consecutivos numa mesma competição (foto à esquerda). Antes disso, bateu na trave por nada menos que seis vezes. Foi bicampeão paulista cinco vezes - em 1945/ 1946; 1948/ 1949; 1970/ 1971; 1980/ 1981 e 1991/ 1992 - e uma vez da Libertadores, em 1992/ 1993. E o tri escapou das mãos todas as vezes. Seus rivais diretos não tiveram que esperar sete décadas por um tri: o Santos, que demorou mais, tinha acabado de completar 50 anos quando fechou a série dos Paulistas de 1960/ 1961/ 1962; o Palmeiras tinha 20 anos quando conquistou o tricampeonato paulista de 1932, 1933 e 1934; e o Corinthians tinha só 14 anos quando completou as conquistas estaduais de 1922/ 1923/ 1924.

Falando no Palmeiras, esse foi o maior verdugo do São Paulo nas frustrações de tricampeonatos, simplesmente quatro vezes (!), em 1947, 1950, 1972 e 1993. Os outros "culpados" foram o Corinthians, em 1982, e o Vélez Sarsfield, em 1994. Na primeira frustração tricolor, em 1947, o campeonato era por pontos corridos e o então clube do Canindé ficou em 4º lugar, o Palmeiras foi o campeão. Já em 1950, mesmo mantida a forma de disputa, o Campeonato Paulista foi decidido na última rodada entre...São Paulo e Palmeiras! A partida, eternizada como "Jogo da lama" (chovia muito e o Pacaembu estava imprestável), foi disputada no final de janeiro de 1951.

O Palmeiras precisava de um empate e o São Paulo partiu com tudo. Logo de cara, o ponta Teixeirinha abriu o placar mas, inexplicavelmente, o árbitro britânico Alwin Bradley anulou, alegando (dizem que inexistente) impedimento. Mas Teixeirinha fez outro e o primeiro tempo terminou 1 a 0, com o São Paulo com a mão na taça. Porém, o célebre Jair Rosa Pinto deu uma bronca aos berros no time do Palmeiras (foto à direita) durante o intervalo, e exigiu, pelo menos, o empate. E foi ele quem lançou Aquiles para empatar o jogo e destruir o sonho de tricampeonato para o São Paulo. Em 1972, os dois times terminaram invictos o Paulistão, mas o Palmeiras tinha vantagem e garantiu o título com um 0 x 0.

Já em 1993, o alviverde não teve culpa: só fez a decisão com o Corinthians, que havia eliminado o São Paulo na semifinal (com um gol impedido de Neto que foi validado e um legítimo de Palhinha que foi anulado). O mesmo Corinthians que, em 1982, com Sócrates e Casagrande, havia impedido o tri do "Tricolaço", como era chamado o São Paulo de Valdir Peres, Oscar, Dario Pereyra, Marinho Chagas, Mário Sérgio e Serginho Chulapa. A última decepção do clube do Morumbi, antes do tri no Brasileiro, foi bem marcante: a perda da Libertadores em casa, nos pênaltis, para o argentino Vélez Sarsfield, em agosto de 1994. Ainda bem que tudo isso ficou no passado...

3 comentários:

Glauco disse...

O Palmeiras também foi a pedra no sapato do Santos na década de 60. Se não fosse o Alviverde em 63 e 66, o Peixe alcançaria a inigualável marca de decacampeão paulista.

Maurício disse...

Palmeiras = verdugo, um trocadalho digno de cartão.

Marcão disse...

Talvez não, Glauco, pois o vice-campeão de 1963 foi o São Paulo e o de 1966, o Corinthians.