Destaques

segunda-feira, dezembro 08, 2008

Triste fim de uma temporada que parecia promissora

Compartilhe no Twitter
Compartilhe no Facebook

Enquanto o Frédi bem analisou os rebaixados, os são-paulinos que falem sobre o título. Agora vem a Libertadores.

São Paulo, campeão, e Grêmio, vice, já chegaram à 38ª rodada com a vaga assegurada para o continental. Sobravam dois postos para três times. A vitória do Cruzeiro sobre a rebaixada Lusa manteve a terceira posição para os mineiros. Mais um motivo para Adilson ficar. Sobrava uma vaga.

Enquanto eu mandava uma feijoada em dia errado (domingo lá é dia de feijoada, ô, manguaça?), vi na TV no boteco que o rubro-negro paranaense resolvia o problema do Palmeiras. O jogo ainda teve contornos emocionantes na Arena da Baixada que não acompanhei, mas deu certo.

Não adiantou o mantra do alviverde paulistano (nem o goiano, é fato). A derrota para o Botafogo em pleno Palestra Itália, a primeira em 18 anos, foi o fim de campeonato que só não se tornou mais melancólico porque o Flamengo desistiu da vaga ao ser derrotado pelo Atlético-PR por 5 a 3.

O resultado impediu que houvesse uma curiosíssima representação brasileira na competição. Se o Flamengo tivesse a vaga, as cinco equipes brazucas teriam um time de Belo Horizonte (MG) Porto Alegre (RS), Recife (PE), Rio de Janeiro (RJ) e São Paulo (SP).

Ainda bem. Pelo menos para os torcedores palmeirenses que, como eu, não conseguiram comemorar a repetição da posição de 2005 (só que com cinco pontos a menos), quando o alviverde conseguiu a mesma quarta posição no Brasileirão, depois de uma temporada de recuperação com Leão.

Para um time que chegou a ser líder, é frustrante. A saída de Valdívia no meio da competição trouxe muito mais danos do que a diretoria e o treinador Vanderlei Luxemburgo imaginavam. Diegou Souza resolveu alguns jogos, mas nem Denílson nem Evandro chegaram a cumprir a função de substituir o chileno.

A dependência do atacante Kleber foi surpreendente porque mostrou que até Alex Mineiro caiu de produção. Diegou Souza pareceu querer deixar o clube e não funcionou nem como meia, nem mais avançado, quase como terceiro atacante.

O quarto lugar representa uma melhora de uma posição em relação à temporada de 2007, mas foi brinde de um time que pediu pra ficar de fora, igualzinho ao ano passado. Vai disputar a pré-Libertadores ou seja lá como se quiser chamar a disputa antes da fase de classificação. O quinto lugar no campeonato ficou, pelo segundo ano consecutivo, com a equipe dirigida pelo Caio Jr.

Se fosse ao contrário
Fiquei pensando se Luxemburgo e Caio Jr. estivessem em posições trocadas. É especulação pros comentaristas explorarem.

6 comentários:

fredi disse...

Ô, manguaça, a feijoada continua até hoje pelo jeito... Ou é efeito das caipirinhas, porque o jogo do Atlético Paraguaio e Flamengo ficou 5 a 3.

Só para não perder a oportunidade de provocar (rs). Mas bela análise do time do Luxemburgo que poderia ter sido, mas não foi...

Aliás, qual a última vez em que o Luxemburgo fez algo memorável mesmo?

Marcão disse...

Caio Júnior, sempre batendo na trave...

Marcão disse...

...ou será que rifou o Flamengo pra fazer as pazes com a torcida do Palmeiras?

brunna disse...

voltaaa caio júnior!!!

Anselmo disse...

ó, ó... zem feijoaza...

o luxemburgo ganhou estaduais nos últimos anos. precisa de férias.

Glauco disse...

Só pra lembrar que o Caio Junior conseguiu o mais difícil: classificar o Paraná em 2006 pra Libertadores. Na época, o Inter foi vice-campeão brasileiro e tinha o título da Libertadores. Ou seja, abriu uma vaga para o... quinto colocado. Aí entrou a equipe de Caio Junior.