Destaques

quarta-feira, dezembro 10, 2008

Emoções no Beira-Rio

Compartilhe no Twitter
Compartilhe no Facebook

Por Gerardo Lazzari*

Passada uma semana da final da Copa Sul-Americana, o São Paulo já foi campeão, o “Fenômeno” virou coringão, etc. etc.

Mas não quero deixar de comentar algumas coisas que vivi no Beira Rio na semana passada no jogo Inter x Estudiantes. Fiquei com vários assuntos na cabeça que quero compartilhar com a galera do Futepoca.

Primeiro, a Confederação Sul-Americana (Conmebol), preparou uma grande festa para o Brasil na Copa. Fiquei impressionado com a magnitude do evento preparado por Nicolas Léoz e Cia. Havia pelo menos 16 caminhões de TV fora do estádio. Além de Globo e Bandeirantes, estavam Fox Esport, T&C Sport, ESPN e até um canal da Venezuela. O jogo foi para toda a América, Europa e Ásia. Nicolas, com um sorriso de orelha a orelha ao entregar a taça, provavelmente pensava nos dividendos da próxima edição, em 2009.

Sem dúvida o Internacional é um belo campeão, formou um time muito competitivo e apostou forte para conquistar a Sul-Americana. Fato altamente positivo para o clube, que vira vitrine, melhorando a vida dos atletas, contratos com TVs e obtém reconhecimento internacional. Fato idêntico vivido pelo Estudiantes, que desde a chegada da “Brujita” Verón voltou a disputar uma final de torneio continental depois de mais de 37 anos. Além de alcançar o título argentino depois de 23 anos.

Cheguei cedo ao estádio para montar meu computador numa área que o Inter preparou para que os repórteres fotográficos pudessem transmitir as fotos dentro do campo de jogo, com, inclusive, proteção contra a chuva. É uma bancada com tomadas, de mais ou menos 2 metros e meio com teto de policarbonato. O espaço ficou dividido com uma mesa de som gigante. Ficamos apertados, mas ninguém reclamou, o wireless funcionou, só não conseguíamos mais ir ao banheiro depois das 21h, tivemos que agüentar até a entrega da taça.

Fiquei pensando na estrutura necessária para um jogo do Mundial, e percebi que estamos a anos-luz do que a Fifa exige. Claro que a gente imagina uma situação ideal, com espaço confortável para todo mundo, torcedor e imprensa, com acessos fáceis ao estádio etc. Mas ao mesmo tempo pensei: será que toda essa espontaneidade dos nossos torcedores sobreviverá?

Chegaram quatro mil torcedores de La Plata por diferentes meios, ônibus, vans, e alguns carros antigos. Passearam pelo centro de Porto Alegre, com bandeiras e camisetas, despertando a curiosidade. Torcedores do Inter e do Grêmio se aproximavam para tirar fotos e trocar idéias com a torcida do Estudiantes. Os Gremistas eram "Pincharratas" desde pequenos e os colorados avisavam que venceriam de qualquer jeito, sempre na brincadeira.

Acabado o jogo, ainda com a preocupação de ter que transmitir fotos para dois jornais ao mesmo tempo e dor no corpo pela tensão e a emoção de ser torcedor e profissional ao mesmo tempo, parei para comer um lanche no boteco da esquina do hotel. Quando entramos no bar, tinha gente de Estudiantes e Inter bebendo cerveja Polar juntos, trocando camisetas e cantando as músicas da arquibancada.

Sentei no boteco com Pochola e Toti, que viajaram 18 horas para ver seu amado time, pedimos umas "papas fritas" e, entre cervejas, fiquei imaginando se depois do Mundial, dos belos estádios, das estruturas à européia para a imprensa, nosso futebol continuaria o mesmo. Será que o valor dos ingressos na Libertadores, Sul-Americana e Brasileirão permitirão que torcedores menos favorecidos consigam acompanhar seu clube? Todas essas emoções que senti antes, durante e depois desse encontro de amantes do futebol se preservariam? Ou vamos passar a ter um futebol de torcedores de elite, como acontece em algumas partes de Europa?

Prefiro continuar transmitindo fotos apertado, mas continuar tomando uma "breja" antes de entrar no estádio, acompanhada com um sanduíche de pernil. Encontrar com a galera do Pincha vindo de carro velho e sem ingressos para ver o jogo, essa galera que grita, dá cor e faz o verdadeiro espetáculo do futebol.

Ao torcedor.... Saúde!


Gerardo Lazzari é fotógrafo, torcedor do Estudiantes e argentino residente no Brasil. Apesar de tudo isso, é amigo do povo e colaborador do Futepoca.

5 comentários:

Glauco disse...

Legal ver os torcedores bebendo juntos, apesar do esforço midiático em tentar fazer de brasileiros e argentinos inimigos. É a cerveja selando a paz!

Olavo Soares disse...

Caramba, que belo relato. Parabéns, Gerardo!

Sobre sua dúvida, tenho certeza que a tal da "elitização" não tiraria esse clima não. Aliás, talvez até o melhoraria. Quem já foi a uma Copa do Mundo conta que uma das coisas mais legais é justamente a possibilidade de conversar com gente do mundo todo. E quer coisa mais elitizada do que a Copa?

Marcão disse...

Será que a Kaiser selaria algum tipo de paz?

Olavo Soares disse...

Aliás, vale registrar que na final da Sul-Americana só sócios do Inter entraram no estádio. Um público "elitizado", portanto, e que deu um puta show.

gerson disse...

belo relato. e eu tb prefiro uma boa cerveja e o velho futebol do que um espetáculo totalmente elitista.