Destaques

quinta-feira, fevereiro 12, 2009

Um 3 a 2 de Diego Souza

Compartilhe no Twitter
Compartilhe no Facebook

Em uma boa apresentação do camisa 7 palmeirense, Diego Souza, o líder do campeonato passou pelo Mirassol por um placar apertado. Sob chuva, não repetiu a boa atuação de partidas anteriores e claramente pisou no freio quando chegou ao terceiro gol, com direito a substituições dos três principais homens de frente (Keirrison, Willians e Diego Souza). Para alguns, foi um treino.

O primeiro gol saiu de falta, em um chute direto e forte do meia que passou pela barreira e o goleiro não pegou. A infração foi assinalada na sequência de um lance em que Cleiton Xavier fez falta no meio de campo, mas o árbitro não marcou.



Também de falta, o Mirassol empatou e, ainda na primeira etapa, com passe do nome do jogo para o 9 Keirrison, o Verdão voltou à frente do marcador. Na segunda etapa, aos 15, Diego Souza de novo açucarou a bola para o lateral Jefferson fuzilar o terceiro gol dos visitantes. O Mirassol diminuiria aos 44 e Lenny perdeu dois gols e foi parado com falta em outra oportunidade.

Quem para?
O Palmeiras chegou à oitava partida oficial na temporada com 100% de aproveitamento. Em 2006, sob a regência de Emerson Leão, o time chegou a sete partidas assim. Em 2008, fez seis. Antes, só em 1920 o Palestra Itália foi além da marca: fez 11 vitórias para começar o ano.

É levemente falsa a pergunta "quem para o Palmeiras". A atuação de quarta-feira mostrou que o time sabe ser objetivo, que não é totalmente dependente de um único jogador na frente, mas que tem uma defesa que ainda carece ajustes, mesmo tendo o cirúrgico Pierre à frente da zaga.

Contra o Paulista no Pacaembu quem joga é o time reserva, já que os titulares vão a Quito se ambientar na altitude. Contra a LDU, Vanderlei Luxemburgo deve armar um time mais recuado, mas não dá para saber se vai resolver a defesa. O fato de o time ser eficiente nos contrataques é uma arma mortal. Se acertar a retaguarda, eu passaria a considerar a pergunta mais pertinente.

Mesmo com poder de reação e boas opções para fazer gols, o Palmeiras não teve um adversário com uma apresentação consistente pela frente. O Santos pressionou por algum tempo e conseguiu finalizações muito boas, que não entraram por méritos e sorte do goleiro Bruno. Mas no geral não foi o adversário que se esperava.

É bem verdade, porém, que o time foi capaz de atropelar adversários como o Mogi Mirim que foram uma pedra no sapato de rivais como o Corinthians. Que tem um ponto a mais do que o segundo colocado com um jogo a menos. Mas por mais empolgante que tenham sido algumas das apresentações, como contra o Real Potosí, a de ontem contra o Mirassol foi boa pela vitória e por ver Diego Souza jogando bem.

7 comentários:

Marcão disse...

Enquanto ficar no Real Potosí e no Mirassol, Luxemburgo vai voar em céu de brigadeiro.

Nicolau disse...

Marcão, seu comentário coloca o Santos no mesmo nível dos citados. Isso foi intencional?

Glauco disse...

Eu mesmo, santista, coloquei o Santos que jogou contra o Palmeiras no mesmo nível técnico e de entrosamento do Mirassol (o Potosí não está no mesmo nível nem do time dos manguaças depois de um churrasco).

Mas o Paulista está provando cada vez mais que é um campeonato no nível da capacidade técnica do Luxemburgo, diferentemente da Libertadores. Se bem que o nível do torneio sul-americano anda tão baixo (até o medíocre Santos de Quñonez e cia. chegou nas quarta e só não foi pra semi porque foi garfado em 2008) que é até capaz de ele chegar em outra semifinal.

Fabricio disse...

O baixo nível técnico é igual pra todos. Quer me parecer que não são 4 os times acima dessa baixa média, mas são, até o que pude ver até aqui, apenas 2.

De fato o Palmeiras não enfrentou até então NENHUM adversário que conseguiu jogar de igual pra igual contra ele. Na verdade acho que o que mais chegou perto disso foi a Ponte Preta, quando enfrentou os reservas do Luxemburgo. Mas a diferença é que o time está jogando bem. Não está ganhando apenas por acaso como no início do Brasileiro de 2001 com o Roth.

Ultimamente foram poucos os anos em que o time começou o ano jogando realmente bem. Lembro só de 96, 99 e 2006. Tomara que a história dos dois primeiros se repita.

Anselmo disse...

eu prefiro que se repita 1999. não faço questão de ataque de cem gols.

Fernando Paluello disse...

O Palmeiras fez história na noite de ontem em Mirassol.

Jogando contra o time da casa, o Palmeiras conquistou a sua 8ª vitória na temporada. Há 89 anos desde o saudoso Palestra Itália isso não acontecia.

Mas pela primeira vez no ano, o Palmeiras saboreou do seu próprio veneno. O time do Mirassol assim como o Palmeiras, é um time extremamente rápido, e com muita pegada, faltando apenas um diferencial, o Palmeiras tem ótimos valores individuais que fizeram a diferença.

O jogo foi muito corrido, no meio campo o time alviverde não conseguiu impor a sua supremacia mostrada nos sete primeiros jogos da temporada, e o Mirassol chegava com perigo.

O Palmeiras marcou três vezes: a primeira com o destaque do jogo, Diego Souza em cobrança de falta. A segunda com o artilheiro K-9, que teve uma atuação apagada. E a terceira com o lateral Jeferson que fez uma boa partida.

Nomes importantes do Palmeiras não repetiram as boas atuações, que vinham fazendo, como Cleiton Xavier, Keirrison e o zagueiro Danilo. Inclusive os dois gols da equipe do interior, podem muito bem ser acrescentados na conta do zagueiro. No primeiro gol, Danilo que era o ultimo homem da barreira, abriu, e a bola passou por baixo de sua perna, matando o goleiro Bruno.

No final do jogo o zagueiro saiu errado, perdeu a bola, e o Mirassol fez o segundo.

Vamos agora, na opinião desse blogueiro, a alguns destaques individuais.

Bruno – jogou de forma excelente, fez defesas importantes e dificílimas. Quanto a reserva de Marcos, os torcedores podem ficar tranqüilos, Bruno é tão bom ou melhor do que Cavalieri.

Mauricio – jogou bem, foi consistente, o Melhor zagueiro do time no jogo.

Edmilson – não jogou mal, porem parecia, assim como outros jogadores, estar se poupando.

Danilo – não foi bem, como já destacado na opinião desse blogueiro, o culpado pelos dois gols tomados.

F. Capixaba – jogou o que vem jogando, apoiou bem, fez o seu papel.

Jeferson – substituiu a altura Armero, apoiou bem, arriscou e marcou legal, nota 9 para ele.

Pierre – como sempre um leão, brigador, pegador, leal e ate arriscou no segundo tempo subir ao ataque.

Cleiton Xavier – não foi em, errou passes parecia estar meio perdido em campo.

Diego Souza – depois de alguns jogos voltou a jogar bem, foi o destaque da partida, participou do lance dos três gols, nota 9.5.

Wilians – Correu muito, participou e criou bons lances, mas ainda falta a tranqüilidade e um pouco de sorte, mas logo ele ira marcar.

K-9 – apagado em campo apesar de ter marcado, nitidamente se poupando.

Lenny – não marcou, mas incendiou o jogo com sua habilidade e correria.

Marquinhos – ainda esta sem ritmo de jogo e entrosamento, mas é um bom jogador promete. PS: como esse cara é feio hein... Ele parece uma caveira, ou melhor, vocês já viram o vídeo do Achmed o terrorista morto, então eis o próprio.

Sandro Silva – indiscutível um excelente jogador, fará muita falta sábado contra o Paulista, uma pena.

O time agora se divide, o grupo principal esta indo para Quito. E o segundo grupo, encara sábado no Palestra o Paulista tentando a nona vitoria.

Douglas Garcia disse...

Sou palmeirense e estou animado com o desempenho da equipe até agora. Mas nada que me iluda a ponto de achar que o time é imbatível....Acho que os clássicos contra o Corinthians e contra o São Paulo além da primeira fase da Libertadores vão mostrar realmente se esse time merece tantos elogios.

Quanto ao jogo, foi uma imitação do time do São Paulo. Joga mal, mas faz o resultado. Agora esse Willians às vezes parece muito afobado em campo. É bom jogador mas faz uma besteiras inacreditáveis em alguns momentos.