Destaques

terça-feira, fevereiro 10, 2009

Na arquibancada

Compartilhe no Twitter
Compartilhe no Facebook

60 mil pessoas
Lá pelas 19h20 e mero 1º C na gélida Londres, chego ao Emirates Stadium - estádio para qualquer um babar - para assitir à minha primeira partida da Seleção Brasileira ao vivo. Não dá para não reclamar. Tive que vir para Londres para conseguir ver a Seleção jogar. E não foi por falta de jogo em São Paulo, foi culpa da maldita raça dos cambistas. Odeio cambistas (e, com o perdão da digressão, ainda tenho o azar de ver o Radiohead tocando em São Paulo e não em Londres no período da minha estadia aqui... tá tudo ao contrário).

O clima no estádio era bem mais comum para mim do que nos jogos do Arsenal. Todo mundo bebendo, cantando, vendedores de bandeiras e camisetas mil. Quando o jogo é do Arsenal não tem festa nenhuma do lado de fora, e nenhum camelô, claro. Imagina, vender produto pirata na frente do estádio. Isso aqui deve dar cana na hora.

Mas como faltam poucos minutos para o início da partida, não tomo nenhuminha lá fora e corro para meu portão. No caminho, vários grupos de brasileiros pulam, gritam e fazem festa loucamente, no melhor estilo "Galvão, filma eu". Faz parte.

Nos estádios aqui, é permitida a venda de cerveja, menos nos jogos da Champions League, creio que por questões de patrocínio. O problema é que não pode carregar a cerveja para as cadeiras, tem que tomar tudo nos corredores de acesso. Mais uma vez o tempo urgia e não deu pra ter o prazer de beber uma no estádio (quase meio litro de breja em menos de cinco minutos não ia dar). Mas... não poder assistir ao jogo com o copo na mão também não é tanta vantagem assim.

O início do jogo atrasou um pouquinho - creio que por isso o hino brasileiro foi grotescamente cortado - e, quando começou, tivemos que implorar para a galera do "filma eu" abaixasse as faixas. Triste.

O jogo, como o Glauco já escreveu, começou quente. Logo no comecinho, gol anulado da Itália. Na hora me pareceu impedimento - eu estava na lateral do campo, bem de frente para o lance -, mas os portais dizem que o gol foi legal. Azar da Itália, e meu prazer em gritar "chuuuuuuupa" para os italianos atrás de mim. Delícia!

Logo depois, aos 12, uma bela jogada entre Ronaldinho e Robinho culminou no gol de Elano. Mais provocações aos italianos, mais diversão. Depois, veio a ola. Pode parecer banal, mas os ingleses perto de mim se divertiram a valer. Eu até perguntei para o que estava ao meu lado se eles não tinham ola nos estádios. Não, não têm.

replay na hora
Mas o melhor veio depois, com a pintura que foi o gol de Robinho. (E o melhor é que revimos os gols na hora, por todos os ângulos, pelo telão do estádio. Sem essa história de que não pode passar lance do jogo no estádio). Os gringos simplesmente não acreditavam no que aconteceu. Os espanhóis na minha frente (torcedores do Real Madrid, devem ter ficado um tanto arrependidos) e os ingleses ao lado davam gargalhadas. Mesmo, sem exagero. O que foram aqueles dribles?

man of the match
Aliás, o que é o Robinho quando joga pela Seleção? Mesmo com o relativo sucesso de sua passagem pelo Manchester City, quando ele entra em campo pelo Brasil o nível é outro. Ele se compromete em campo, está sempre atrás da bola que nem um maluco. Dá gosto de ver. Dunga agradece, certamente. E eu, que presenciei, também.

No geral, o primeiro tempo foi muito bom. O Felipe Melo jogou muito bem, o meio se movimentou e a defesa segurou as jogadas pelas laterais da Itália - redundância, porque a Itália só tem jogada pelas laterais e chuveiro para a área. Medíocre.

Já o segundo tempo foi diferente. O Brasil deu aquela acomodada e não importunava muito a defesa italiana. Já a Itália subiu a marcação e foi aquele deus nos acuda de chutão pra frente. Assim, a Azzura conseguiu algumas boas chances. Os atacantes, no entanto, não fizeram a sua parte. Luca Toni chegou perto, mas seu gol foi anulado por ajeitar a bola com a mão. Na hora eu nem soube o motivo, mas não importa, foi bom importunar novamente os italianos.

Que, diga-se de passagem, depois de verem o jogo perdido, começaram a gritar "Robinho estuprador". Ao que os brasileiros perto de mim responderam na lata: "Robinho is fucking Itália". Gritos espontâneos de torcida são ótimos.

No final, substituições protocolares. Achei que o Dunga podia ter colocado o Pato antes, já que Adriano não é opção de saída de bola quando o adversário marca em cima. Ele até tentou, mas correr com a bola pela lateral não é sua melhor característica.

Sem mais emoções, com um olé aqui e outro lá e alguns toques de efeito, o jogo acabou. Agora, o Brasil tem vantagem na série histórica de jogos contra a Itália, o que não é lá muito importante. O que importa agora é importunar os meus vizinhos italianos!

8 comentários:

Marcão disse...

"Robinho estuprador". Baixaria...

Anselmo disse...

é preciso criar um movimento contra o "filma eu". E não adianta só exigir respeito à gramática, mas o fim das faixas. Exceto as que contém ofensas aos apresentadores de TV. Essas eu toleraria, até porque são poucas.

olavo disse...

Como bem conheço a Thalita, consigo imaginar com perfeição a intensidade e a tonalidade do "chuuuupa" descrito no post...

Nicolau disse...

De fato, o "chuuupa" deve ter sido bastante, digamos, enfático, hahaha! E Tahlita, para atenuar minha inveja de ter visto esse jogo, tenho que te falar: eu vou ver o Radiohead em SP, hehe!

Maurício disse...

Impressionante o golaço do Robinho.

fredi disse...

Impressionante a qualidade do gramado. Isso dá inveja.

Claro que dá inveja da Thalita também vendo esse jogo lá. É duro ter de ir para a Europa para ver a seleção brasileira.

Daqui a pouco até as eliminatórias sul-americanas serão por lá...

Marcão disse...

Thalita, quanto custou o ingresso para esse jogo? E quanto custou, normalmente, nos outros jogos que você assistiu?

Thalita disse...

Marcão, paguei 35 libras pelo ingresso, anel inferior, na lateral do campo, altura da grande área.
No outro único jogo que fui, Arsenal x Dinamo de Kiev, pela Champions League, paguei 33 por um lugar no anel inferior atrás do gol.
E comprei ambos pela internet, sem tirar a bunda da cadeira nem enfrentar fila.
Sobre os ingressos, é bom lembrar também que, no caso do Arsenal, conseguir comprar uma entrada sem ser sócio do time é quase um milagre. Eu simplesmente não vou ver uma partida do Arsenal do campeonato inglês, pq os ingressos sempre acabam antes que a venda seja aberta para quem não é sócio.
Não sei exatamente como é com os outros clubes. Acho que com o Chelsea é mais fácil, pq a torcida não é tão grande.
E, pra terminar, moro a menos de 10 minutos de caminhada do Emirates Stadium. Luxo!