Destaques

quinta-feira, fevereiro 12, 2009

Delay ao contrário

Compartilhe no Twitter
Compartilhe no Facebook

Ontem presenciei um fenômeno muito estranho (não, não era o Ronaldo Gordo). Quando fui me deitar, perto de meia-noite, ouvi o barulho da torcida no Pacaembu e lembrei que, naquele momento, ainda rolava a rodada do Paulistão. Explico: moro num prédio em que a janela do meu quarto está de frente para a Avenida Angélica, a um quilômetro (ou menos) do estádio municipal. Por isso, ao ouvir o barulho, liguei o radinho de pilha para saber o que estava acontecendo. O jogo que estava sendo transmitido era exatamente o do Pacaembu, onde o Corinthians empatava por zero a zero com o Mogi Mirim, aos 35 do segundo tempo.

Logo em seguida, porém, o alvinegro abriu o placar, com Boquita (leia post do Nicolau abaixo). O esquisito foi que ouvi a torcida gritando, pelo rádio, e só dois ou três segundos depois a gritaria in loco chegou até a minha janela. Fiquei confuso. Geralmente, quando a gente está assistindo um jogo pela TV e acompanhando ao mesmo tempo pelo rádio, notamos o chamado delay - ou seja, a gente ouve primeiro pelo rádio o que a TV mostra com alguns segundos de atraso. Mas o que eu percebi ontem era que o rádio também adiantava o som da torcida que estava a algumas quadras da minha casa.

Pensei que tinha me enganado, mas tirei a prova dos nove quando, no final do jogo, Chicão cobrou o pênalti e fez 2 a 0. Mais uma vez, ouvi a torcida explodindo pelo rádio e, dois ou três segundos depois, chegou o barulho que vinha diretamente das arquibancadas do Pacaembu até o meu prédio. Alguém pode me explicar o que acontece? Observação: eu não estava bêbado.

11 comentários:

Anselmo disse...

Futepoca também é ciência.

Em primeiro lugar, afirmar que a sua pessoa não estava sob efeitos de álcool é muito pouco crível.

Em segundo lugar, o som se propaga a uma velocidade de 340 m/s enquanto as ondas do rádio vão na velocidade da luz, que é bem superior. Você não tá tão perto assim do Pacaembu, apesar de ouvir os ruídos da torcida por estar em uma região alta. Fazendo umas contas rápidas, eu tenho certeza de que não vou chegar a nenhuma conclusão.

Então, a próxima teoria sugere que a torcida corintiana já não acreditava na vitória e só começou a gritar alguns segundos depois que o gol saiu, o que deu vantagem às ondas eletromagnéticas de transmissão do rádio. No caso do segundo, como foi no finzinho, mtos torcedores já tinham ido embora.

Tudo bem, não convenci. Mas é bom porque pode vir alguém com uma explicação melhor.

Mas Marcão, isso já tinha acontecido em outros jogos?

Einstein disse...

É obvio que é isso. Esse é o problema de ser corintiano e fugir da escola.

Como o som viaja mais devagar do que a luz, pode-se até medir a distancia que vc está de um determinado lugar.

Ou seja, se vc demora 3 segundos para ouvir os gritos do Pacaembu, ele está a 3 x 340m da sua casa (cerca de 1 km). Faz sentido?

É a mesma coisa quando cai um raio. Veja o relampago. Conte os segundos até ouvir o trovão. Multiplique por 340 e tera a distancia em metros.
Simples. Mas nao pra corintiano....

Nicolau disse...

Meu caro Einstein, o Marcão, autor do post, é sãopaulino. Direcionou mal seus preconceitos. Os corintianos deste humilde blogue somos o Maurício e eu. O Marcão você chama de bambi, a gente de favelado e ignorante, ok?

Maurício disse...

Mas que virulência, seu Einstein...

Marcão disse...

Eu não cheguei a fugir da escola (morria de vontade), mas creio que não adiantou muita coisa eu ficar lá, pois, como se vê pelo post e pelos elucidativos comentários, minha ignorância segue intacta. Mas chamar de corintiano eu não aceito, não, seu Einsten!

Glauco disse...

Calma, gente, tudo é relativo.

Fabricio disse...

Tenho uma outra teoria:

a torcida do corinthians estava toda de costas para protestar contra a falta de estádio, a não vinda do Vágner Love e do Kléber e pedindo para que o Dualib seja extraditado para a Itália.

Nisso saiu o gol. Como não estavam vendo, não comemoraram. Mas aí o cidadão que tava lá de costas com o radinho gritou: "Goooool! É Deus no céu, curintia na Terra e nóis na fita!".

E a galera explodiu após o cara ter ouvido a narração.

Simples.

Só não posso provar.

Maurício disse...

Não deixa de ser uma teoria plausível a do Fabrício.

Jogando Por Música disse...

Eu, por outro lado também presenciei uma coisa bizarra ontem. Mas no meu caso estava em casa e comecei a assistir o jogo do São Caetano. Notei que estava 0x0 e deixei a tv ligada e fui ao computador que fica do lado da tv...Fiquei esperando o narrador falar alguma coisa do jogo e nada, nada, nada. Olhei para a tv e achei que estava no mudo, mas daí notei que eu ouvia a torcida e nada do narrador...O que aconteceu? Não tinha ninguem narrando, nem na horas do gol. Isso eu nunca tinha visto. Tudo bem que o São Caetano é time pequeno e tal, mas poderiam por qualquer um narrando né...

Mohammad Severino disse...

Desta vez, nem seu fictício vizinho corinthiano chato (http://papodehomem.com.br/um-vizinho-corintiano/) conseguiu despertar sua atenção para o jogo, Marcão?

Marcão disse...

Putz, Mohammad, o fictício vizinho corintiano chato, que EXISTE, já não me incomoda mais: me mudei de lá. Agora estou num prédio bem próximo ao Pacaembu - Anselmo, suspeito que não dá nem o 1 quilômetro que chutei no post. Eu já tinha ouvido o barulho da torcida, mas nunca tinha ligado o rádio pra saber o que estava acontecendo. E foi assim que presenciei o estranho delay ao contrário.

Ps.1: Da cobertura do prédio é possível ver parte da arquibancada do Pacaembu.

Ps.2: É vergonhoso, mas ainda não conheço o estádio municipal. Se o São Paulo disputar algum jogo lá, me compromento a comparecer.