Destaques

quarta-feira, maio 13, 2009

Diário de uma quase ginástica

Compartilhe no Twitter
Compartilhe no Facebook

Aos 43 anos, para lá da meia idade, começa-se a pensar em fazer alguma coisa para pelo menos diminuir os efeitos de décadas de cervejas, noites maldormidas, trabalho sentado ao computador...

A primeira fase é das mais chatas, médicos e exames.. Aliás, a classe, que só usa branco para torturar os pobres mortais, promete que se a gente seguir tudo que eles dizem seremos saudáveis. Se não dá certo, a culpa é nossa, fizemos algo errado. Quando o cara morre, nem pode voltar do além para reclamar pelas cervejas, os doces e os cigarros que teve de abdicar.

Mas voltando aos exames, depilam você no peito para colocar umas espécies de ventosas, corre-se na esteira, fazem-se exames de sangue, fica-se 24 horas com um maldito aparelho medindo a pressão apenas para provar que você não vai morrer no primeiro exercício.

Aprovado, vem o primeiro dia. Fichas são feitas, atestados apresentados, começa-se a programação. Bicicleta, musculação, esteira, abdominais. Músculos de que nem supunha a existência e que estavam bem quietinhos em seu lugar resolvem reclamar. Aguenta-se tudo pelo ideal de sáude. Menos que aquela senhora com mais de 50 anos humilhe você correndo mais na esteira ao lado... O coração vai a mil, você resiste um pouco, mas resolve reconhecer, humilhado, a derrota antes do enfarto.

O pior ainda estava para acontecer. Banho no vestiário masculino. Na entrada, tudo bem, não havia ninguém. Depois, quando você já está se enxugando no boxe, alguém do lado liga a água, que começa a respingar. Ok, é só sair e se secar lá fora.

Põe-se a roupa e na hora que vai pôr o tênis, o cara que estava no chuveiro, que você descobre que era um careca, para bem na sua frente para abrir o armário. Ok, é só virar o rosto e sair rapidinho. Mas antes de botar o pé para a fora ele ainda para na sua frente e começa a passar óleo ou sei-lá-o-quê em todo o corpo.

Realmente, é hora de sair correndo para tomar uma cerveja e esquecer o primeiro dia de tortura.

3 comentários:

Anônimo disse...

Tá feia a coisa, hein cumpadre? Acho que é melhor fazer hidroginástica....

Maurício disse...

óleo???
credo...

Marcão disse...

Pois é, a decrepitude é inevitável, principalmente para aqueles que, como eu, já ultrapassaram as duas décadas de manguaça braba. Daqui a pouco (pouco mesmo!) sou eu que serei obrigado a todo este suplício. Mas a historinha me lembrou um colega que foi nadar na piscina da USP, lá no Butantã, em São Paulo, e, ao entrar no vestiário, viu dois caras pelados, um lambuzando o outro com bronzeador. Também saiu correndo sem pestanejar, abandonou a ideia de nadar e se enfiou no primeiro ônibus com destino ao redentor buteco mais próximo...