Destaques

terça-feira, maio 12, 2009

Teste cego de cervejas do Futepoca: Libertadores da América

Compartilhe no Twitter
Compartilhe no Facebook

Depois de muito adiar, muito enrolar e muito cair de bêbado, finalmente o Futepoca foi capaz de realizar a:

O 2º teste cego do Futepoca – Edição Libertadores da América

A definição das concorrentes é análoga à competição continental, embora não tenha havido tempo para adquirir um exemplar de marcas dos países andinos e do Paraguai. Havia representantes do Brasil, Argentina, Uruguai e México. Não fosse a inserção da convidada da América do Norte, estaria mais para Copa Mercosul.

1. No bar
Nada de churrasco de amadores. O palco do teste cego foi o Espetinho da Villa, bar que serve, como sugere o nome, espetos. O Alexandre, proprietário do estabelecimento, se encarregou de servir as cervejas, tarefa pela qual o Futepoca é muito grato. Como alguns pediram queijo coalho e outros picanha no alho, quem bancasse o somelieur da breja e percebesse notas de leite e de condimentos cairia no descrédito. Isso sem falar em outros fatores, como fumaça de cigarro.

Foto: Paulo Macari

A ascensão da carne.

2. Dez bêbados, 100 copos
Diferentemente da primeira edição do teste, o número de avaliadores alcançou a incrível marca de 10 pessoas, o dobro do teste de outubro de 2008. Outra diferença foi a opção por um copo limpo por cerveja para cada pessoa. Incluindo os copos com água para os intervalos entre uma marca e outra. Fazendo as contas, o DataFutepoca estima em mais de cem copos usados (claro que eles podem ter sido lavados entre uma rodada e outras). Os jurados foram os convidados Paulo Macari, Paulo Junqueira e Débora, além dos autores Fredi, Marcao, Glauco, Brunna, Maurício, Nicolau e a minha pessoa. A Débora chegou no meio da prova e testou apenas as seis últimas da fila.

3. Só garrafa, um só fornecedor
Todas as marcas foram adquiridas em garrafas de vidro, embora em vasilhames de tamanhos diferentes. Como algumas marcas estrangeiras chegam apenas em certos tipo de embalagem, foi o mínimo de variação possível. Nada de latinha, portanto. A opção foi por adquirir todos os exemplares de um mesmo fornecedor, com exceção da Skol, introduzida de surpresa.


O carrinho de supermercado ficou escondido atrás de uma pilha de
achocolatados na hora de posar para os fotógrafos.


4. 9 pielsen e 1 lager
Entre as cervejas brasileiras, foram escolhidas as pielsen mais bens cotadas na versão anterior do teste, no critério normal. Em relação às hermanas, a margem para escolher foi menor, já que não há tanta variedade vinda da América Latina nos supermercados paulistanos – sobram belgas, holandesas, alemãs. Além da embalagem, descrita pelo volume, há ainda informações importantes como a validade e o teor alcóolico. Na ordem de apreciação, tivemos:

Cervejas:
1. Cerpa
2. Bavária Premium
3. Eisenbahn
4. Dos Equis
5. Patrícia
6. Pilsen
7. Isenbeck
8. Quilmes
9. Norteña
10. Skol
Vol.
355ml
355ml
355ml
355ml
1L
1L
1L
1L
1L
600ml
Validade
06/08/2009
24/08/2009
03/09/2009
06/10/2009
06/08/2009
03/08/2009
19/11/2009
15/06/2009
12/09/2009
-
Teor alc.
5,3%
4,8%
4,8%
4,5%
5%
5%
4,6%
4,9%
4,1%
4,7%


5. Meio copo e demora inescapável
A dose de cada marca para degustação foi mais generosa do que na edição anterior. Entre cada uma, água para quem quisesse fingir que limpava o paladar, e lá vinha a próxima. O intervalo entre os copos variou bastante, foi o preço de contar com um serviço profissional e muito cuidadoso com as amostras. Em plena véspera de feriado, o bar estava cheio e a trabalheira impedia que o Alexandre conseguisse escapar para cumprir sua nobre função de fracionar o líquido sagrado e levar até os ávidos jurados. Isso se acentuou no final da brincadeira, o que pode ter favorecido as últimas da noite.

Foto: Paulo Macari

"Notas de sabão".

6. Uma nota, com observações
O Futepoca chegou a estudar a realização de um processo licitatório para contratar urnas eletrônicas, mas logo veio a ressaca a suplantar a bebedeira e dar água numa proposta tão divertida. Uma cartela com espaço para dar notas em diferentes quesitos e uma média geral havia sido preparada, então, como plano B. Por conta de umas questões paralelas, (ou seria escassez de sobriedade?) elas não ficaram prontas a tempo. Isso recolocava o guardanapo como bloco de notas oficial do bom boteco. "Vai molhar tudo", vetou o Alexandre. A caderneta de bar foi substituída por folhas de papel convencional, algo estranho ao ambiente. Mesmo assim, alguns dos ébrios registraram anotações. Detalhes preciosos como "cheiro de sabão" e "aguada e doce; tubaína" fazem parte da documentação – disponível para auditoria, aliás.

Foto: Paulo Macari

"Ó, ó... discordo!".

7. Mistério
Novamente, nada de venda nos olhos. Os manguaças sabiam apenas que se tratava de um teste Libertadores, mas não sabiam exatamente quais seriam as marcas. E muito menos a ordem em que eram oferecidas. Apenas um dos analistas conhecia o conjunto de marcas, este que escreve.

8. O teste é cego, não mudo
Apesar do intertítulo politicamente incorreto, os constantes comentários pejorativos sobre os exemplares oferecidos e a troca de ideias podem ter interferido na aferição de notas. A quantidade de rasuras nas anotações indica que isso influenciou. Mas agora não adianta culpar o vizinho que falou mal da que você gostava.

Feitas as observações, vamos ao:

Resultado do Teste cego Libertadores do Futepoca

a) Eis as médias.


A normal é a aritmética sem reparos. A já consagrada média carnavalesca comprova o gosto médio dos mamados naquela noite, com mudanças apenas na sexta e sétimas colocações. Um terceiro recorte traz as médias excluídas as minhas notas (o único que conhecia o leque das degustadas), que mostra a mesma ordem. Quer dizer, não tem jeito.

b) Conclusão: dobradinha argentina. Quem diria que o pessoal gostaria tanto da Quilmes em detrimento de artesanais como Isenbeck, a segunda, e premiums como a Cerpa A medalha de bronze foi para a uruguaia Norteña. A primeira brasileira foi Bavária Premium, novamente surpreendentemente bem cotada.

c) Pela ordem. Mais uma vez a oitava cerveja oferecida é a vencedora. Além de estudar a possibilidade de jogar no bicho, a informação é relevante porque foi exatamente a posição em que, da outra vez, a vencedora foi apresentada. Coincidência? Entre as primeiras, a única que se deu relativamente bem desta vez foi a Bavária Premium. O gráfico mostra que há notas mais altas. O agrupamento das brasileiras no início e das argentinas no fim podem ter beneficiado as do outro lado do rio da Prata, mas seria exagerado reduzir o resultado ao posicionamento. O fato de a antepenúltima colocada ter sido a derradeira atesta que ainda havia resquícios de capacidade gustativa armazenada.


No gráfico, curvas completamentes diferentes entre os testes.
Aparentemente, a ordem não influencia tanto assim.


d) Validade. Desta vez o prazo de validade foi anotado. A suspeita de que o sabor se altera e se perdem propriedades foi o que estabeleceu esta exigência. Curiosamente, o menor prazo de validade era o da vencedora e o mais extenso, da segunda colocada. A segunda que mais demoraria para estragar segundo o fabricante foi a última colocada. Nada conclusivo, portanto, em relação à data expressa nas embalagens.

e) Teor de álcool. A variação de 0,9 ponto percentual na concentração alcoólica das marcas parece pouco conclusiva ao se analiser o resultado. A posição ficaria como apresentado abaixo. Se alguém conseguir desenvolver uma teoria...


Cervejas:
8. Quilmes
7. Isenbeck
9. Norteña
2. Bavária Premium
6. Pilsen
5. Patrícia
1. Cerpa
10. Skol
3. Eisenbahn
4. Dos Equis
Teor alc.
4,9%
4,6%
4,1%
4,8%
5,0%
5,0%
5,3%
4,7%
4,8%
4,5%



Foto: Paulo Macari

O desgaste tomava conta dos avaliadores. Muita concentração.


f) Passou de ano. A média geral foi de 6,1, um pouco superior à do teste anterior. O nível da Libertadores está tão próximo assim do campeonato brasileiro? Pode ser. Como equipes do porte de um Real Potosí participam da competição internacional e a escolha das cervejas excluiu a Paceña e marcas de outros países, é preciso relativizar as coisas. Seria precipitado dizer que as mais bem cotadas da região estavam à mesa. Nas médias individuais, o Glauco manteve-se como o mais ranzinza dos árbitros, seguidos por mim e pelo Frédi, que da outra feita empatara como o mais rigoroso. O troféu generosidade ficou com o Maurício, por um centésimo em relação ao Marcão, o mais bondoso da outra vez.

Ébrio
Maurício
Marcao
Brunna
Nicolau
Paulo Junqueira
Paulo Macari
Débora
Anselmo
Fredi
Glauco
Geral
Média
6,9
6,9
6,7
6,6
6,0
5,9
5,8
5,4
5,4
4,7
6,1


g) Contaminação? A ansiedade etílica não foi contornada antes do teste, e mais da metade dos degustadores havia "contaminado" seu paladar com marcas que não participaram do teste. Surreal é a repetição do desempenho pifio da artesanal Eisenbahn, de Blumenau, adquirida ano passado pela Schincariol. O pessoal realmente não gosta da pielsen deles. Fez menos sucesso ainda a mexicana Dos Équis, a única lager, com ínfimos 2,7 pontos de média. Foi ela que mereceu a comparação com a Tubaína.

Discorda?

Enquanto o Futepoca estuda formas de criar outros testes cegos de cerveja, o que você achou? As cervejas argentinas são boas mesmo ou os avaliadores é que não regulam bem do paladar?

15 comentários:

fredi disse...

E vc, camarada Anselmo, quantas bebeu para fazer um post tão bom? Repilo ser quase tão ranzinza quanto o Glauco.

De resto concordo com tudo.

Glauco disse...

Isso é uma clara perseguição pelo que represento pra manguaça de esquerda.

Agora, sobre o teste em si, poucas vezes vi uma cerveja tão ruim quanto à mexicana. Essa poderia ter sido vetada também adotando os critérios da Conmebol.

Felipe Carrilho disse...

Parabéns pelo teste e pelo texto!
Concordo com você que a Quilmes é a melhor entre todas essas.

Abraço.

André Augusto disse...

Quilmes realmente detona! Como consumidor e cervejeiro tb, a Brahma não podia ficar de fora né? haha

Abs

Thalita disse...

Marcão e eu vamos protagonizar o teste inglês, em breve!

Maurício disse...

Que inveja desse teste inglês.

Além de Guinness (irlandesa, claro, mas coloniza toda a Inglaterra), não podem faltar clássicas como a Newcastle Brown Ale, ou as "de todo lugar" como a Foster's.

Anselmo disse...

eu sempre tive mta resistência à quilmes. fiquei surpreso e ainda não voltei a experimentar.

ouvi uma defesa da Dos Équis, dizendo que ela só funciona com limão, algo parecido com o que se fazia com a sol importada (antes de ela ser engarrafada pela femsa aqui no brasil). acho estranho.

tbém fui acusado de ter ido ao supermercado da vizinhança atrás de cerveja para não ter conseguido outras marcas. Prometo melhorar.

confesso que fiquei com um pouco de vergonha de ver as argentinas dominarem.

Ricardo Chicuta. disse...

É penalt juizzzz!!!!Discordo totalmente.A Eisenbahn é a melhor cerveja brasileira.

Vinicius disse...

Quando forem fazer outro teste desses não esqueçam de me chamar..
abrass

Alisson disse...

Peço encarecidamente a todos os cervejeiros AMBEV do Brasil a experimentar as AMBEV de Agudos-SP. É muuuiiiito diferente das AMBEV de Jaguariuna ou Jacareí. Por causa da água ,dizem.Veja no mini rotulo do gargalo ou no fundo da lata " AG" e não JA ou JC...

zumba disse...

Muito bom esse teste, estão de parabéns...
Tenho uma sugestão:
fazer esse teste cego em etapas, uma marca de cerveja por dia, assim poderão acrescentar o item ressaca na avaliação, além do paladar não ficar comprometido...
Abraços

RB disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Renbrant disse...

Faltou incluir duas coisas nesse teste:

- A cerveja Bamberg fabricada em Votorantim/SP

- Eu como degustador.. hehehe

Parabens pelo post.

Paulo Macari disse...

ansioso pelo teste-cego copa do brasil. quero ver se alguma zebra vai tão longe quanto o xv de campo bom, paulista de jundiaí, santo andré, juventude, cianorte, asa de arapiraca, csa...

Marcão disse...

Rapaz, as fotos não negam o tanto que minha barriga aumentou entre um post e outro...