Destaques

quinta-feira, julho 30, 2009

Corinthians empata pelada com o Santo André

Compartilhe no Twitter
Compartilhe no Facebook

O Ricardo do parceiro Retrospecto Corintiano descreveu o Corinthians dessa partida como "um time em reconstrução". Espero que ele tenha razão, ainda vejo apenas o time destruído. Para a descrição do jogo, recomendo clicar no link dele. Eu, por conta do trabalho, acabei não vendo o primeiro tempo e vendo mal o segundo (quer dizer, por cima da tela do laptop, enquanto trabalhava).

Mas foi o suficiente para me dar conta do nível da pelada. Os dois times perdendo muitas bolas bestas no meio de campo, às vezes até em seu campo defensivo, e sem conseguir articular jogadas realmente perigosas. (Depois, nos melhores momentos, vi que Felipe fechou o gol no primeiro tempo, o que nos salvou de um resultado deveras humilhante.) O resultado não podia ser outro: dois gols de bola parada, empate em 1 a 1. Valeu apenas pela belíssima falta batida pelo veterano Marcelinho Carioca, mostrando que não esqueceu sua maior arte.



Deu tempo de ver ainda a expulsão estúpida de Dentinho, que cavou o próprio amarelo por reclamação. Sem ele, a coisa fica ainda mais feia no próximo jogo. E é precio considerar ainda que este era um jogo que o Corinthians teoricamente tinha que ter aproveitado para fazer pontos... teoricamente. Na prática, acho que é isso o que vamos ver por um bom tempo, um Corinthians que vai se segurando como pode.

7 comentários:

Anselmo disse...

interessaaante a devoção corintiana a marcelinho carioca. esse tipo de elo de um atleta com o clube mesmo depois de jogar em outros times é raro. de pronto, lembro da relação entre Palmeiras e Evair... mas essas comparações nunca são fáceis.

Fabricio disse...

Engraçado foi a cara do Mano na saída do Dentinho. Que aliás entrou pro Top10 expulsões estúpidas da humanindade, ontem.

Maurício disse...

Não exagera Fabrício, tem muita expulsão pra pôr na conta aí...

Sobre essa devoção aos seus craques, Anselmo, é verdade, talvez a torcida corintiana seja uma das mais nostálgicas dos tempos em que havia identificação entre os craques e os clubes, que neles permaneciam por anos. Lembro do episódio em que Casagrande tinha voltado ao Brasil para jogar no Flamengo e ia enfrentar o Timão. Em pleno Maracanã, a Fiel começou a cantar "Volta Casão, seu lugar é no Timão". O Casagrande começou a chorar e pediu pra sair.

O que se pode dizer, sem dúvida, é que a identificação com o clube pesa muito na relação dos jogadores com a torcida. Acho que mais que em outros times... me parece.

fredi disse...

Quer dizer, Maurício, que o Marcelinho encarna o espírito corinthiano?

Deus me livre

Olavo Soares disse...

E pensar que tem muito, mas MUITO corintiano que acha que o Neto foi melhor... aliás, é só pensar que o Marcelinho não foi escolhido entre os melhores do Corinthians na votação da Placar na seleção de todos os tempos do clube. Absurdo.

Maurício disse...

Marcelinho não encarna espírito, ele é evangélico.

Nicolau disse...

Vi o jogo muito mal visto no boteco. Foi feinho o negócio. Concordo do o Ricardo na tese da reconstrução. Cabe inclusive lembrar que, além dos três já vendidos, o Corinthians teve o desfalque de Alessandro, Elias e Ronaldo. E Boquita, que era sempre opção de Mano para o meio-campo, e o latral-esquerdo Bruno Bertucci estão com a seleção sub 20. E que Edu ainda não pode jogar. Quer dizer, é muito problema ao mesmo tempo.

Sobre a identificação, o post abaixo do blog do Neto ajuda a explicar pelo menso o caso dele. Nâo é só a torcida que gosta do cara, mas ele também se sente parte do clube:
http://blogdoneto.blog.uol.com.br/arch2009-07-26_2009-08-01.html#2009_07-30_13_39_59-138135702-25