Destaques

quinta-feira, fevereiro 11, 2010

Fabricar mil tijolos é pena a motorista bêbado na Bolívia

Compartilhe no Twitter
Compartilhe no Facebook

O candidato ao governo do departamento (estado) de La Paz, Félix Patzi, foi condenado a fabricar mil tijolos de adobe por dirigir embriagado. A sentença não foi do Judiciário Boliviano, mas da comunidade indígena aimará a que pertence o ex-ministro da Educação e aliado de Evo Morales. No domingo, Patzi pediu desculpas ao presidente na TV pela presepada.

Foto: Wikipedia

As fotos estão aqui. Adobe, pelo menos no Brasil, é um tipo de bloco feito com barro e palha seca, que seca ao sol ou em fornos, uma tecnologia tradicional que dura menos do que as peças de alvenaria.

"Irmão presidente, sei que falhei. Você é muito sábio, disciplinado, exemplar. Por isso, pediu que eu renunciasse e tem todo o direito, mas me perdoe", declarou Patzi, desta vez, sem soluçar.

O candidato fugiu de uma blitz da polícia. Na Bolívia, atualmente, o manguaça flagrado no volante tem a licença cassada. O recrudescimento da legislação é recente e polêmico, como foi no Brasil. Ele chegou a renunciar, seu nome foi vetado pelo Movimento ao Socialismo (MAS) e ficou ameaçado na eleição. Indígenas responderam reiterando o apoio.

Não faltaram críticas de sua parte à "lei seca" boliviana (ou seria também bolivariana?). Houve ainda queixas de Patzi em relação ao "entorno brancoide" que, preconceituoso, queria o indígena fora da disputa.

Mas, segundo fontes nada oficiais e inexistentes psicografadas pelo Futepoca, tudo teria sido resolvido na base da diplomacia Barack Obama: numa mesa com cerveja.

A possibilidade de uma comunidade indígena definir sentenças por infrações é assegurada pela Constituição boliviana, aprovada na gestão de Morales. Para críticos ouvidos pela Folha de S.Paulo, trata-se de manipulação da justiça tradicional desses grupos por finalidades políticas.

A sentença de mil blocos de barro começou a ser realizada na quarta-feira, 10, com 300 peças. Faltam só 700.

Como motoristas profissionais de La Paz começaram uma greve (!) de 48 horas contra as novas restrições ao álcool no volante, as coisas podem mudar, a favor dele. As incursões do ex-ministro sociólogo no ramo da olaria podem durar menos do que como governador do departamento que abriga a capital.

2 comentários:

Marcão disse...

Só concordo com isso se os blocos de adobe forem utilizados para levantar um bar. Público e subsidiado!

Anselmo disse...

se a gente fosse condenado a fazer um tijolo a cada asneira que falasse sob efeito do álcool, quantos bares seriam construídos?