Destaques

quarta-feira, março 17, 2010

Apoio palestino engrossa rumores de Lula como secretário-geral da ONU

Compartilhe no Twitter
Compartilhe no Facebook

A nove meses de deixar a Presidência da República, Luiz Inácio Lula da Silva pode ter de enfrentar uma nova campanha. Quem o lançou candidato foi Mohamed Edwan, porta-voz da autoridade palestina. Segundo a BBC, o funcionário afirmou, nesta quarta-feira, 17, que quer ver Lula secretário-geral da Organização das Nações Unidas (ONU), sucedendo o sul-coreano Ban Ki-moon.

Foto: Ricardo Stuckert/Pr

"Achamos que ele poderia ser um ótimo secretário-geral da ONU, pois é um homem de paz e de diálogo e sabe negociar de maneira inteligente e admirável", disse Edwan. "O próprio presidente Abbas também pensa assim", acrescentou o porta-voz. Ban Ki-moon tem mandato até 2011, mas pode se reeleger, como fizeram a maioria dos que estiveram no posto.

Antes, Mahmoud Abbas, presidente palestino, diz que veem o mandatário brasileiro como um "irmão". Lula ainda recebeu "vivas" ao inaugurar a rua Brasil, na cidade de Ramallah, capital da autoridade palestina.

Claro que é uma forma de bajular o visitante e pedir manter o apoio. Mas o assessor da Presidência para Assuntos Internacionais, Marco Aurélio Garcia, lembrou que a ideia não é inédita, já que Nicolas Sarkozy sugeriu isso antes.

Andres Oppenheimer, jornalista gringo que escreve para o Miami Herald e para o El Nuevo Herald e vive malhando o Lula, discutiu a sério a hipótese. Ele repercute uma nota de Lauro Jardim, da Veja que registra que "a mais de uma pessoa Lula disse que foi sondado para se candidatar a secretário-geral da ONU em 2011".

Foto: Ricardo Stuckert/Pr

Ele entrevistou um ex-presidente do Conselho de Segurança da ONU, Diego Arria, que vê uma candidatura de Lula com muita força, pelo peso do Brasil e por capitalizar um certo sentimento antiestadunidense nas Nações Unidas. Apesar de crítico, Oppenheimer vê mais chances para o brasileiro na agência da organização para o combate à fome, a FAO.

Já pensou?
Por um lado, imagino que algo assim representaria um baque para os setores da sociedade que têm ojeriza a Lula. Isso representa uma parte menor dos 5%, segundo pesquisa Ibope que consideram o governo ruim.

Em especial, seria um golpe contra o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, que veria o ex-operário alçar voos que ele, sociólogo da Sorbonne, não conseguiu. Segundo alguns, levaria o diretor do instituto de mesmo nome ao haraquiri.

Por outro lado, a depender da conformação eleitoral deste ano, com, por exemplo, uma vitória da oposição, tirar Lula do hall dos presidenciáveis poderia não ser uma má ideia. Nem que para isso fosse preciso mandá-lo para o meio da ONU. Mas essa reação é mais improvável do que corintiano vestir a camisa do Palmeiras.

3 comentários:

Marcão disse...

Eu e outros companheiros estamos cantando essa bola há uns dois ou três anos. E que bom que partiu da Palestina! Muito simbólico. Se o fato se concretizar, um certo sociólogo que fala francês vai se jogar do Terraço Itália...

Taediu disse...

Se acontecer uma merda dessa, vai ser a primeira vez que um completo analfabeto vai assumir esse cargo.

Marcio-SJP disse...

Grande homem de PAZ!

"Ele que se morreu de fome"

Eu, gostaria muito de ver esse cidadão bem longe do meu Brasil HONESTO!

Militar de Cuba é bom...Do Brasil é ruim!
Protesto contra o governo em Cuba NÃO PODE...no passado do Brasil era LINDO!

Tasquepariu!