Destaques

quarta-feira, março 17, 2010

O líquido preto do capitalismo

Compartilhe no Twitter
Compartilhe no Facebook

Nosso amigo fotógrafo Jesus Carlos, da Imagemlatina, costuma dizer que tem três coisas que se recusa terminantemente a consumir: comida de fast food, novela e Coca-Cola, que ele chama carinhosamente de "líquido preto do capitalismo". Porém, vemos nas fotos deste post que os camaradas cubanos Ernesto "Che" Guevara e Fidel Castro não tinham muita restrição a esse produto estadunidense. Pergunta maldosa: será que refresca greve de fome?

6 comentários:

Anselmo disse...

se não me engano, é "suco negro do capitalismo". E quem diria que Che Guevara e Fidel Castro gostavam de coca cola.

Olavo Soares disse...

Aê!

Enfim um post elogioso - ou menos crítico - à maior criação humana.

Longa vida ao líquido negro da SALVAÇÃO!

Brunna disse...

Não suporto refrigerante, mas quando fui a Cuba percebi que o"refri" de mais fácil acesso era a Cuba Cola e que era possível encotrar Coca Coca em diversas partes do país. Em Varadero experimentei uma que era feita no México.
Segundo quem gosta e toma o liquido negro do capitalismo a versão mexicana do "refri" era muuuiiiito mais doce do que a nossa.

Anselmo disse...

Olavo,
na minha opinião, o post é crítico ao che e ao fidel. hehe

Marcão disse...

Na minha infância me lembro de uma vizinha que foi parar no hospital com uma garrafa de vidro de 1 litro entalada, por sucção. Ficou com apelido de Lena Coca-Litro.

Anônimo disse...

Na verdade era um ritual simbólico, tomar coca-cola significa tomar de volta o que os estadunidenses tinham se apropriado. nada melhor do que um símbolo do capitalismo para mostrar uma nova era.