Destaques

quinta-feira, novembro 08, 2007

Sem CPI do Corinthians, brecha para o Volta Dualib

Compartilhe no Twitter
Compartilhe no Facebook

Com assinaturas retiradas pelo PMDB, PCdoB (5 de 13) e outros partidos – mineiros em massa –, a Comissão Parlamentar Mista de Inquérito (CPMI) do Corinthians foi arquivada nesta quinta-feira, 8. O pedido protocolado pelos tucanos Álvaro Dias e Sílvio Torres no final de outubro. Dr. Rosinha (PT-PR) também encampou a corrida. O pedido chegou a contar com 38 senadores e 209 deputados. Com isso, o campo está mais aberto para a volta de Alberto Dualib ao Corinthians do que a presidência do Senado a Renan Calheiros.

Ou pelo menos para a troça correr solta: Volta Dualib fase 2: sem escalas para a série C!

De olho em ser sede da Copa de 2014, o governador do PSDB Aécio Neves moveu os palitinhos para tirar apoios à comissão. Os 41 deputados que debandaram fizeram faltar três nomes para abrir a investigação. A MSI e o clube alvinegro seriam o alvo.

A Confederação Brasileira de Futebol (CBF) disse não ter o que dizer a respeito. Dias acusou a pressão de cartolas. A imprensa lembrou dos governadores de Minas Gerais e do Distrito Federal, José Roberto Arruda (DEM).

Rosinha denunciou na quarta da semana passada: "É um movimento suprapartidário. Em todos os partidos tem gente pedindo a retirada de assinaturas. Dizem para o deputado: ou você tira a assinatura, ou sua cidade não será sede de jogo."

A lista dos que tiraram o nome está aqui.

2 comentários:

Renato K. disse...

Eu penso que não é de hoje que os nossos políticos só nos fazem passar raiva e vergonha. Paixão clubística à parte, este é apenas mais um episódio patético das casas que deveriam ser um repositório de confiança e dignidade, mas são tão somente um antro de safados que legislam, na maior parte das vezes, em causa própria.
Dá vontade de ir embora daqui de uma vez por todas.

Glauco disse...

Embora o foco da CPI fosse o Corinthians, obviamente que iria resvalar em outros times e na própria CBF, que autoriza as transações internacionais. Portanto, embora alguns dirigentes se façam de vestais, todos eles estão muito felizes com a pizza servida.