Destaques

quinta-feira, abril 30, 2009

Corinthians "rebola" e perde invencibilidade

Compartilhe no Twitter
Compartilhe no Facebook

“O time entrou rebolando”, reclamou Mano Menezes no intervalo da partida Atlético PR 3 x 2 Corinthians, na Arena da Baixada. No momento do comentário do treinador gaúcho, o jogo estava 2 a 0 para o Furacão, fora o baile. E pra fechar a tragédia, quem dava os melhores passos no salão era Rafael Moura, o famigerado He-Man (que já fez comentários sobre economia aqui), autor de um gol de cabeça e do passe para o tento de Wallyson (o filho de Wally, que foi encontrado em um boteco obscuro de Curitiba, segundo fontes).

A tal “rebolada”, traduzida do gauchês, é o tal do salto alto. E Mano tinha razão de reclamar. O Corinthians entrou nitidamente desconcentrado, o que bateu com minha própria atitude: liguei a TV pra ver uma vitória, com gols de Ronaldo, não para ver um jogo difícil. Quando percebi, já tava 3 a 0 no início do segundo tempo e a classificação estava indo pro saco. Pra piorar, a notícia de que Ronaldo, que não voltou para a segunda etapa, tinha suspeita de haver quebrado uma costela. Perdia-se a classificação, a moral e o craque do time.

O time só acordou a partir da metade do segundo tempo, quando colocou a bola no chão e tocou a bola. As chances começaram a aparecer. Chicão bateu penalti questionável sofrido por Morais e a bola bateu nas duas traves e voltou, coilocando o fator zica na noite já trágica.

Depois de apresentar o pior cenário possível, a sorte começou a virar. Mas só aos 41 minutos. Christian acertou um petardo numa bela cobrança de falta e tornou mais possível buscar o resultado no Pacaembu. E aos 47 minutos, Dentinho aproveitou cruzamento de Alessandro para fazer 3 a 2 e deixar a classificação a uma vitória simples em casa de distância. Ufa!

Atuações

Duas coisas ficaram claras pra mim no jogo dessa noite. Primeiro, que Chicão, que é um baita zagueiro, não sabe marcar bola cruzada na área. É a terceira vez que vejo ele olhar só para a bola, tentando cortar o cruzamento, e deixar o atacante sozinho pra cabecear. Hoje o presenteado foi o He-Man, nas ioutras vezes foi o zagueiro Miranda, no primeiro jogo da semi-final do Paulista contra o São Paulo.

A outra constatação é que Alessandro faz falta ao time. Com Fabinho em seu lugar, não tem saída de bola pela direita, a bola fica menos tempo rodando no meio campo, as jogadas pelo lado funcionam bem menos e mesmo a marcação fica prejudicada. Não imaginava que o lateral viria a ter essa importância, que talvez venha mais da noção tática do que da habilidade do jogador.

Isso me leva a terceira constatação: o time só funciona quando está muito focado. A força do Corinthians vem da aplicação, da entrega dos jogadores. Se entra fora de foco, não funciona. Não tem craque no Timão, com a exceção do Gordo. Que, aliás, não quebrou nada e pega o Santos domingo.

O lado bom

Se o jogo tivesse terminado 3 a 0 não teria como dizer isso, mas sendo otimista, é possível dizer que a derrota veio em bom momento. Entrar com esse salto alto na decisão contra o Santos seria suicídio. O time da Baixada é bom e tem condições de ganhar da gente no Pacaembu. Vamos precisar de toda essa concentração pra garantir o título.

Falando no Santos, não pude ver a partida passada por motivos profissionais e preferi não fazer post em cima dos melhores momentos. Mas vale uns comentários. O Santos massacrou o Corinthians quase o tempo todo, pelo que vi. E ainda tem corintiano detonando Felipe pelo falha no gol. Se trocasse o goleiro, dava pra ter sido 5 a 3 para o Santos.

Mas o fato é que, novamente, o time jogou recuado e quase leva um chocolate. Quem salvou a pele de Mano Menezes, além de Felipe, foi Ronaldo. Não dá para não falar dos dois golaços feitos pelo centroavante. A matada de bola no primeiro e toda a jogada do segundo são alguns degraus acima do que se vê no futebol brasileiro. O craque fez a diferença e espero que continue fazendo.

Domingo é entrar jogando sério e pressionando o Santos, fazendo valer o fator casa. Mano Menezes que dê um jeito do pessoal não ficar “rebolando” de novo. E que bote o time pra frente. Outras idéias podem custar.

10 comentários:

Fabricio disse...

80% dos gols que o corinthians toma é resultado de falhas ou mal posicionamento do Chicão. Há tempos eu digo que ele não chega perto do Betão e todos acham um absurdo.

Ele não se posiciona bem nas bolas aéreas e sempre deixa a bola pingar, aparentemente porque não tem lá muito domínio.

Quanto ao jogo, o time do Atlético-PR é bom, e tem grande chances de levar o estadual também antes do segundo jogo.

Acho que bater eles, mesmo que por diferença mínima, não vai ser tão fácil. De fato o corinthians não tem se dado bem contra times que jogam fechado. Vide empates contra Guarani e Ponte (em casa) nas últimas rodadas do Paulista.

Jogando Por Música disse...

Achei que foi uma boa tomar essa sacudida. Também acho que foi a experiência definitiva para Otacilio Neto e Souza. Chega!!!

Glauco disse...

Chicão pode ser ruim na bola aérea na própria e também acho que o injustiçado Betão era (é) melhor. Mas o zagueiro tem sido decisivo no chão e também nas cobranças de falta, isso conta.

Pô, como assim reclamar do Souza? Se não fosse a tosca matada no peito dele a bola não teria chegado no Dentinho...

E mais um pênalti mandrake pro Corinthians na Copa do Brasil, hein?

Marcão disse...

O Corinthians entrou pra perder, mas de 1 a 0. Daí, quando viu a maionese desandar, resolveu jogar bola. E o Atlético-PR, que fazia uma boa partida, se encolheu vergonhosamente, diante da própria torcida. Se os corintianos tivessem mais dez minutos, empatariam o jogo.

Nicolau disse...

Um penalti mandrake por jogo, até aqui. Sobre o Chicão, ele é muito bom zagueiro no chão, é rápido e tem bom posicionamento. Além disso, tem bom passe e ajuda muito na saída de bola. Mas é ruim por cima, o que faz da dupla com o William um bom negócio.

Maurício disse...

Me desculpem Glauco e Nivaldo, mas não foi nada mandrake este pênalti. O zagueiro nem olha a bola, vai de ombro no peito do atacante. Dentro da área, é, sempre será, pênalti.

Maurício disse...

Eu acho que o Corinthians mostrou que tem toda capacidade de perder para o Santos, e é por isso que tem que entrar pra jogar.

Mas no final do jogo mostrou que é capaz também de certa consistência no toque de bola. A jogada do pênalti foi assim, um toque de bola envolvente, que vai levando a bola pra dentro da área, tocando em pequenos espaços.

E os dois gols mostraram uma real capacidade de reação, sem Ronaldo, com a molecada mesmo.

Fabricio disse...

Acho que pro jogo de domingo, foi bom essa derrota pro time entrar mais ligado. Claramente ontem achou que era a Holanda de 74 e por pouco a vaca não vai pro brejo já no primeiro jogo.

Os dois gols no final darão ânimo pro jogo da volta e servirá pro time não repetir a rebolada contra o Santos. Acho que por ontem, ficou ainda mais perto do corinthians levar o Paulistão, mesmo já sendo praticamente certo.

Ah, e achei que foi penalty sim, por increça que parível.

Carlos Pizzatto - Blog do Carlão disse...

Nicolau, coloquei o link do Futepoca lá no blog.

Abraços.

Leandro disse...

O juiz só deu o pênalti porque não tinha mais justificativa para não apitar. Na mesma jogada, segundos antes, já havia ocorrido uma outra penalidade que ele fez que não viu, mas como ocorreu de instantes depois cometerem outra falta incontestável dentro da área, o caseiro árbitro teve que marcar, embora contrariado.
Sobre o Chicão, mesmo com a péssima atuação de ontem, acho o cara muito melhor que o caricato e nada saudoso Betão. Este, mesmo com a altura que tem, não desempata com o Chicão nem no quesito bolas aéreas, em que ambos são bem fracos.
E eu só paro de cornetar o Mano se alguém conseguir me explicar porque o Souza entra direto e o Acosta fica esquentando banco se é bem melhor que o ex-flamenguista em tudo.
Quer me parecer que tem coisa de empresário nisso aí, e também quero entender como é que o gaúcho vê o time rebolando irritantemente 45 minutos e não consegue fazer nada além de gritar na beira do gramado pra ver se arruma as coisas. Ele está lá para fazer algo além de berrar nervosinho na linha lateral. Esperar o intervalo para tentar alguma mudança é assinar atestado de incapacidade. E se o time toma 5 no primeiro tempo?
A propósito, se repetirem o primeiro tempo de ontem no domingo e Kléber Pereira, Neymar ou Madson estiverem inspirados o Santos reverte a vantagem em 45 minutos.
É por essas e outras que não consigo ver os 90% de chances de título que alguns apontam. Eu sigo, sinceramente, entendendo que está nos 50% e com aquele comportamento dissoluto de alguns jogadores e do Mano não me surpreenderá vitória santista independente do título ir para o litoral.
De resto, os argumentos dos que apontam uma verdadeira Ronaldo-dependência do time corinthiano caíram por terra ontem, não bastasse já termos que levar em conta que o Corinthians não perdeu nenhum jogo atuando um bom pedaço do Paulistão com Souza e afins, quando nem se imaginava a data da volta de Gornaldo.
Pelo menos nisso eu consigo ver algum mérito do grupo do Mano, pra não dizer que não falei de flores.