Destaques

segunda-feira, abril 27, 2009

Palmeiras virou porco há 40 anos

Compartilhe no Twitter
Compartilhe no Facebook

No dia 28 de abril de 1969 ocorreu um fato lamentável que teria como efeito colateral o "batismo" da Sociedade Esportiva Palmeiras como "porco". Depois de empatar por 1 a 1 com o São Bento, no Estádio Humberto Reali, em Sorocaba (SP), o Corinthians retornou à capital paulista. Do Parque São Jorge, os dois maiores destaques do time naquela competição estadual, o lateral direito Lidú (22 anos) e o ponta esquerda Eduardo (25), resolveram comer uma pizza nos arredores do Canindé, o estádio da Portuguesa. Mas não chegariam ao restaurante: na Marginal Tietê, Lidú perdeu o controle de seu Fusca, que chocou-se violentamente contra uma das pilastras de sustentação da ponte da Vila Maria (foto acima). Os dois morreram na hora.

Corinthians, 1969. Em pé: Ditão, Luís Carlos, Dirceu Alves, Pedro Rodrigues, Lidú e Lula. Agachados: Paulo Borges, Tales, Benê, Rivellino e Eduardo

Daí, veio a confusão que acabou por acirrar definitivamente a rivalidade entre corintianos e palmeirenses. Como o Paulistão já estava no returno e o prazo de inscrições de atletas havia se encerrado, a diretoria do alvinegro tentou, na Federação, uma autorização especial para inscrever dois novos atletas. A FPF convocou todos os clubes para uma reunião extraordinária, colocando em votação a pretensão corintiana, com a condição de que essa aprovação teria que ser unânime. Não foi: somente o presidente do Palmeiras, Delfino Facchina (à esquerda), votou contra. O que motivou o presidente do Corinthians, Wadih Helu (acima, à direita), a chamar os palmeirenses de "porcos". Foi a senha para a torcida do Corinthians.

Na partida seguinte entre os dois times, os alvinegros soltaram um porco no gramado do Morumbi antes do início do jogo. Enquanto o suíno corria, assustado, os corintianos entoavam o coro de "Porco! Porco!". Isso virou uma provocação intolerável para os palmeirenses até as semifinais do Paulistão de 1986, quando o alviverde goleou o rival por 5 a 1 e sua torcida resolveu assumir positivamente o "porco". Durante o jogo, os palestrinos inventaram uma versão para o grito dos dinamarqueses na Copa do México: "Dá-lhe Porco/ Dá-lhe Porco/ Olê-olê-olê". Desde então, o Palmeiras assumiu oficialmente sua identificação suína, após 17 anos de azucrinação corintiana.

Cerveja e sinuca uma semana antes do acidente, no Sambarthur, ponto de encontro de boleiros da época na Vila Maria: a partir da esquerda, os corintianos Décio, Lidú, Arthur (dono do bar), Lula, Eduardo e João Carioca

14 comentários:

André Augusto disse...

Interessante a história, não sabia que tinha sido fruto da rivalidade dentro de um fato tão sério. Belo texto e bela pesquisa.

Abs!

Jogando Por Música disse...

Agora é vez dos sãopaulino adotarem o Bambi...

Fabricio disse...

Olê Porco!

Aluízio disse...

Ê, Marcão, hein! Não é a toa que o Futepoca está entre os sites preferidos por quem gosta de futebol. Queria muito encontrar essa versão da origem do apelido "Porco", pra mostrar pro meu filho, Eduardo,corinthiano que honra a tradição da família. Parabéns pelo blog e prepare-se para dar mais espaço ao Timão!

Marco¹³ Costenaro¹³ disse...

A origem do apelido Porco não teria a sua origem em um Palmeiras x Corinthians de 1978 (se não me engano) no Morumbi vencido pelo Verdão por 4x2 em que a torcida do Corinthians soltou no gramado um porco? Até este evento eu nunca tinha ouvido falar no porco para designar o Palmeiras ou a sua torcida. Me lembro que um dos gols foi do Toninho Catarina.

Fernando Cesarotti disse...

Bela recordação, Marcão.
Apenas algumas breves correções: os 5 a 1 sobre o Corinthians foram no returno em 86, e não nas semifinais, onde o jogo foi 3 a 0, na prorrogação, com gol olímpico do Eder.
E o porco foi publicamente assumido, que eu me lembre, num jogo contra o São Paulo ou o Santos, já no Brasileiro de 86, alguns meses depois, quando a Mancha levou um porquinho para a arquibancada, e em seguida o Jorginho Pé-Frio saiu na capa da Placar com o suíno.

Anônimo disse...

Naquela epoca, qualquer forma de prejudicar o outro clube era valida... Era a mentalidade imbecil de clubes como Palmeiras e São Paulo.

PH disse...

Esse comentário acima do anônimo foi bem imbecil, como se na época atual nenhum time prejudicasse outro AH VÁ!!!!

Pedro disse...

Eu achava que a origem do "porco" fosse italiana. O Palmeiras era o time da italianada e, num lance perigoso, os nervosos torcedores gritavam: "pòrcooo!", "pòrco càn!", ou "pòrco zio", pois "pòrco" era uma interjeição muito usada pelos imigrantes, que equivale ao "p.q.p." dos brasileiros.

Marcilio a.f. disse...

E a tu mãe adotar o de piranh.,

Pedro Luiz disse...

40 anos, foi em 1977 isso, soltaram um porco no gramado do Morumbi antes do jogo pelo Campeonato Paulista começar. E não foi nada Delphino Facchina, Presidente do Palmeiras que não concordou com o Corinthians contratar dois jogadores para os lugares de Lidu e Eduardo, o representante do Palmeiras na reunião, com carta branca, foi José Gimenez Lopes que, segundo consta, era o único palmeirense numa família de corintianos. Na verdade, o Gimenez Lopes fez simplesmente cumprir o regulamento, nada mais que isso. Portuguesa perdeu o Walter, zagueiro lateral esquerdo, em 1953, o Jabaquara perdeu Lara acho que no início dos anos 60 e na verdade o Jabaquara, segundo consta, nem 22 tinha para inscrever na Federação para disputar o certame, até o seu Tesoureiro teve que ser inscrito como jogador e chegou até jogar um jogo como quarto zagueiro. Na verdade, salvo, pode-se dizer, times do interior que Wadi Helu emprestava jogadores, falavam até que para ganhar votos para Deputado nas respectivas cidades, na certeza concordariam mesmo, porém, fora eles, como sabiam que o Gimenez Lopes não era de fazer média e faria com que o regulamento fosse mantido, deram uma de bonzinho, fizeram é media, dando uma de simpáticos. Na verdade, qual dos adversários faz alguma coisa para beneficiar o Corinthians e também vice versa?

Elio Costa disse...

E dias atrás o Palmeiras chiou ou grunhiu, sei lá, sobre a troca de estádio pelo Bragantino, mesmo tendo aceitado isso antes do começo do campeonato paulista.Hipocrisia.

José Luiz Bariani disse...

Bom dia!

Em 1986 o Palmeiras enfrentou o Corinthians em 2 jogos. Perdeu o primeiro com uma arbitragem horrorosa de um tal Ulisses Tavares Filho. O segundo jogo foi vencido por 3 a 0, com um gol olímpico do Eder. Por mais que tentem desmerecer a história gloriosa do Palmeiras jamais conseguirão se não souberem ao menos ler e escrever.

Clayton disse...

Um erro claro nessa postagem!
O apelido Porco já era usado antes desse acidente em forma de segregação a comunidade italiana