Destaques

segunda-feira, abril 20, 2009

Luxemburgo, o ilusionista, e a hipocrisia da mídia esportiva

Compartilhe no Twitter
Compartilhe no Facebook

Tem certas coisas que acontecem com tanta frequência no futebol que dá até desgosto de comentar. Mas é necessário. No sábado, depois de sofrer nova derrota para o Santos, o técnico do Palmeiras, Vanderlei Luxemburgo, como não tinha motivos para reclamar da arbitragem e teria (se algum repórter perguntasse) que justificar o resultado e a atuação do seu time, quis mudar o foco. Como fez o presidente da Lusa (aliás, cadê a punição para o dirigente?), acusou dizendo que não estava acusando, e culpou Vágner Mancini por ter colocado Domingos com a única intenção de cavar a expulsão de Diego Souza.

De repente, hoje, no Globo Esporte, o comentarista e ex-dublê de meia-atacante Caio Ribeiro diz que o culpado pela confusão foi unicamente Domingos,e  o apresentador engraçadinho bradou que ninguém ali iria ser "hipócrita" culpando o atleta palmeirense, justificando que Diego Souza "tinha sentimentos". Bastante curioso. A Vênus Platinada faz campanhas em prol da "paz nos estádios", mas justifica agressões físicas como algo que vem de alguém que "tem sentimentos". Provavelmente, quem pensa assim deve ter saudades da época em que maridos matavam esposas e eram absolvidos por terem agido em "legítima defesa da honra". Diego Souza, para estes verdadeiros hipócritas, agiu da mesma forma, o que valida sua reação destemperada após a expulsão.

Mas o que impressionou foi que a atitude do meia, de voltar e agredir Domingos, foi saudada e aplaudida pela torcida alviverde. Uma das imagens televisivas mostra um garoto de uns 11 anos vibrando como se fosse um tento do seu time, algo simplesmente pavoroso. E essa imprensa, que acha mais grave a provocação de Edilson com embaixadas do que a voadora de Paulo Nunes na decisão do Paulistão de 1999, é a mesma que culpa as organizadas - só elas - pela violência dentro e fora dos estádios. Para esses jornalistas, uma provocação verbal, dessas que acontecem a partida inteira, é mais merecedora de punição do que um soco ou um pontapé. Aliás, Madson saiu do jogo de sábado acusando defensores palmeirenses de terem o ameaçado mais de uma vez, inclusive de "jogá-lo na arquibancada" se continuasse fazendo "firulas" (alguém duvida que pela diferença de portes físicos isso seria possível?). E aí, quantas expulsões teríamos por "provocação" no jogo?

Curioso da história é que o mesmo Luxemburgo é quem disse que a arbitragem estava "protegendo" Neymar, porque qualquer em "encostão" era marcada falta. A propósito, será que nenhum atleta do Palmeiras tentou intimidar o menino como fez Domingos com Diego Souza? Mas, para falar isso, talvez Luxa não tenha visto as cotoveladas que o menino tomou, por exemplo, contra o Rio Branco pela Copa do Brasil. De novo, fica claro que bater, pode, xingar... nossa, que grave!

O futebol tem se tornado mais sem graça e mais violento por conta de gente como o tal técnico que muda de conceito ético literalmente de acordo com a camisa, e que é tido como "ofensivo" (em termos táticos, claro), mas que pelo jeito gosta de verdade é de embate físico no futebol. E culpa também da imprensinha que apoia e vai na onda do dito cujo. A torcida - quase todos que vão ao estádio, e não só as organizadas - já estão pegando o gosto pela apologia à violência em São Paulo, e os tais 5% para o vistante só vão perpetuar esse estado de coisas. Enquanto vemos brincadeiras e galhofas no Maracanã, na final da Taça Rio, em São Paulo a preocupação é com o quebra-pau durante e após as partidas. Talvez falte praia a São Paulo. E os cartolas bandeirantes sejam menos, mas muito menos, sérios do que se acredite.

*****

Outro fato risível ainda é o comandante do Palmeiras evocar o "histórico" de Domingos. Não, ele não estava falando do estilo agressivo do atleta, mas sim do fato de o zagueiro ter "provocado" a expulsão de Adriano no clássico do Paulista de 2008 contra o São Paulo. Bom, se o árbitro fizesse ponderações sobre "histórico", o que dizer de Diego Souza e suas expulsões? Por exemplo, contra a Ponte Preta em uma final ganha no ano passado, sendo excluído em seguida contra o Coritiba? Foi julgado por expulsão também na partida contra o Bragantino este ano e não vou continuar contando seus cartões vermelhos porque será improdutivo, além das vezes em que poderia ter sido expulso e não foi. O post vai ficar muito longo.

26 comentários:

Guzz disse...

Glauco, não posso concordar com suas observações, especificamente a partir do 3o parágrafo. O aplauso da torcida em relação à agressão de Diego Souza nada tem a ver com apologia à violência: tem a ver com 'lavar a alma'. Todos viram a pura encenação de Domingos. Cabe lembrar que a expulsão de ambos foi infundada e injusta (Salvio Spinola justificou, na súmula, que os jogadores trocaram cabeçadas). A ira de Diego Souza foi despertada na hora em que o teatro de Domingos começou. O revide foi aplaudido pois qualquer um daquela arquibancada teria feito a mesma exata coisa. Poderia até comparar a atitude de Diego com às subidas de Marcos na área gremista no Brasileiro do ano passado. Era a esse sentimento que Caio Ribeiro e aquele apresentador engraçadinho se referiram no programa.
Há ainda um ponto fundamental não levado em conta no seu post, que também pode ser comparado às embaixadinhas do Edilson na referida final do Paulistão: tanto Edilson como Domingos foram antidesportivos, do mesmo modo. Abdicaram do objetivo maior de jogar bola para provocar gratuitamente os palmeirenses, ambos com a vantagem na mão.
Me espantou você não ter colocado esse contraponto no seu texto.
No mais, parabéns à todos do Futepoca. É leitura obrigatória para quem quer terminar bem o dia.

Guillermo disse...

Quem era o comandante do Domingos há dois anos e achava lindo quando ele lutava contra o Diego Traira, na época ainda jogador gremista? Pois é... o mundo dá voltas.

Sobre a comparação com a subida do Marcos contra o Grêmio acho perfeita: ambos demonstram o desespero palmeirense.

DÁ-LHE GRÊMIO!!!

Luis Henrique disse...

Não sei se o Domingos entrou só pra isso, mas que foi ridículo foi. E ainda saiu comemorando, como se tivesse feito gol de título. Mas o Diego Souza, que já tava estressadinho, entrou na dele, e perdeu a razão.

André Augusto disse...

A atitude do Diego Souza foi lamnetável, mas a expulsão injusta (de ambos) e a ceninha de Domingos foram lamnetáveis. Aliás, o zagueiro merece punição, tão exemplar quanto a de Diego. Quanto a incitação a violência, tem relação. Mas dentro de campo, a maioria dos jogadores pouco se lixa pra suas atitudes. E o Diego precisa sentar em um divã.

Nicolau disse...

Peraí, galera! Falar é uma coisa bem diferente de fazer. Encenar é bem diferente de dar porrada. Todas podem ser consideradas antidesportivas, provocativas e o cacete a quatro, mas há gradações. Tanto que o Código Penal pune uma e não as outras situações. Não acho que "lavar a alma" com porrada seja uma boa, mesmo frente a uma atitude irritante e metida a malandra como foi a do Domingos...

Nicolau disse...

Outra: não entendi qual a evidência que aponta que Wagner Mancini mandou Domingos cavar a expulsão de Diego. Estava 2 a 1, o Palmeiras, com um a menos, precisava de dois gols em, sei lá, 15 minutos, e Mancini queimou uma substituição para mandar Domingos pro abate? Parece pouco crível. Se me disserem que o técnico ou o próprio zagueiuro tiveram a idéia de provocar Diego, não imagino nada mais cristalino. É óbvio que rola provocação, o tempo todo, em todas as partidas, dos dois times envolvidos. Luxemburgo, que é malandro e se gaba disso, deve ter umas boas histórias pra contar a respeito.

Ricardo disse...

Um off-topic:

O meu clube (Benfica) contratou o lateral-direito do São Caetano, o Patric.

O que têm a dizer sobre este bípede?

Abraço!

Vinícius M. B. Rodrigues disse...

Manifestei minha opinião em http://sonavadoc.blogspot.com/2009/04/santos-se-garante-na-final-do-paulista.html.

No mais, concordo contigo Glauco.

Vida longa ao Futepoca.

rafaelfortes disse...

Em linhas gerais, concordo com o Glauco.

Quanto aos tais 5% para a torcida "visitante", considero atestado de incompetência das autoridades esportivas e de segurança pública, assinado pelas próprias.

Só para efeito de comparação, na primeira metade dos anos 1990 a atuação das organizadas era muito mais violenta do que hoje em dia. Não obstante, aqui no Rio:

a) o Fluminense jogava nas Laranjeiras, o Botafogo no Caio Martins e o Flamengo, na Gávea.

b) houve um estadual em que o Maracanã ficou fechado e os clássicos foram disputados em São Januário.

c) houve clássicos no Caio Martins (eu mesmo fui a um Fla x Flu em que o Renato Gaúcho deu na cara do então novato Djalminha - ambos jogavam no mesmo time!).

E agora vêm dizer que jogo em São Januário é "perigoso", que não pode ter clássico lá e no Engenhão. E se alimenta por aqui essa triste idéia, já aplicada em São Paulo, de clássico de uma torcida só...

É o fim da picada, ainda mais aqui no Rio, em que boa parte dos espaços do Maracanã (arquibancada branca, cadeiras inferiores e cadeiras especiais) não separa os torcedores nos clássicos. Há neles uma notável cultura de tolerância.

Glauco disse...

Guzz, não concordo que a manifestação da torcida foi por conta da falta de justiça da expulsão de Diego Souza (que, por atos entendidos como agressão em Madson e Germano poderia até ter sido expulso antes). Estando em plena maioria, restou à torcida aplaudir um ato de violência, pois não tinha mais como vibrar pelo futebol. Isso não é exclusividade da torcida alviverde, já vi isso em quase todas as outras torcidas, mas a sãopaulina, por exemplo, fez algo diferente no domingo, saudando a equipe e não atos de violência. E repito, parafraseando o poeta, se for punir provocação, não fica um, meu irmão! Alguém acha que Madson ou Neymar não escutaram coisa pior do que Diego Souza?

Acho que o Nicolau colocou bem a questão da "gradação das penas". Não dá pra comparar uma provocação com uma agressão física, ainda mais após os atletas terem sido excluidos da parida. Achar que a atitude de Diego Souza é igual a de Domingos é regredir a uma etapa anterior a a Lei de Talião.

E valeu pelas manifestações sobre o Futepoca. A gente agradece.

Silvinho disse...

Amigos, leio diariamente este blog e ele é ótimo. No caso Domingos x Diego Souza, analiso da seguinte forma: Domingos estava cumprindo perfeitamente seu papel de pau-mandado até que exagerou na simulação. Diego Souza, como qualquer ser humano, não teve sangue de barata e teve uma reação esperada, porém condenável. Não condeno nenhum dos 3 envolvidos sob o ponto de vista ético, porque o futebol é feito de um tempero picante como este, mas certamente Domingos e Diego serão julgados e condenados, ficando a pena maior logicamente para Diego Souza

Abraço e Parabéns pelo Blog

Jogando Por Música disse...

Eu concordo com quase tudo o que vc falou. Porem não acho correto um cara entrar só para provocar. E foi o que aconteceu. O cara entrou em campo só paa fazer isso. O Diego Souza foi imbecil e caiu na armadilha.

Fabricio disse...

O Diego ficou p. da vida pq acabou expulso sem motivos por causa de um bosta como o domingos bem na hora que o time podia tirar forças do gol que acabara de fazer (embora isso fosse pouco provável).

Eu achei CERTÍSSIMA a atitude dele de voltar e bater no domingos (aliás, virar de costa, levantar o braço e dizer que não é covarde é demais pra minha cabeça). Eu faria o mesmo.

Se vai ser punido por isso? Claro, e deve mesmo já que agressão merece punição. Mas que gostei do que ele fez, gostei. Não sou hipócrita para negar.

E qualquer torcida iria comemorar do mesmo jeito, em qualquer país. Se alguém foi culpado pela atitude da torcida, do Diego e minha ao escrever este post, foi única e exlusivamente o domingos.

Uns anos atrás o Diego subiu no símbolo do São Paulo no Morumbi e a torcida queria matar ele, assim como os demais jogadores do São Paulo. Só falta dizer que a torcida e os jogadores são os violentos e ele não teve culpa.

Mais um exemplo. Um cara chega no seu trabalho, começa a te provocar bem na sua frente, xingando sem motivo algum. Seu chefe vê tudo de longe e demite os dois. Me fala se você vai querer sair pela porta numa boa ou vai querer bater no cara.

Eu vou querer bater nele, podem ter certeza. E isso não é ser um cara violento. É ser homem e defender o que é meu.

Marcão disse...

Se o Diego Souza não tomar uma punição bem severa, será muita palhaçada.

Caio Andreolli disse...

Concordo plenamente. Diego "nervosinha" Souza deve tomar uma punição severa. Vai dizer q é só o Domingos que falou o jogo inteiro com intuito de irritar o adversário?

E tome Peixão na porcada. Agora é pegar os gambás e passar o carro.

Glauco disse...

Se o Domingos entrou "só pra provocar" e as expulsões foram injustas, há algo de errado. Ou ele não entrou "só pra provocar" ou então o árbitro previu suas más intenções e quis colaborar com ele. Não dá, né...

Fabricio, pra mim sua comparação não procede. Primeiro que não foi "do nada" que Domingos chegou em Diego Souza. Ele já havia agredido Germano e dado uma cotovelada no Madson. Domingos foi intimidá-lo como o próprio palmeirense fez.

E há outras formas de "ser homem". Você não precisa responder uma provocação (aliás, nem você, nem eu, nem ninguém sabe o que Domingos falou) com agressão física. Ele poderia fazer como Madson fez com seus provocadores, responder na bola. Mas parece que não tem cabeça para tanto.

Fabricio disse...

O Diego não respondeu. Ele não fez absolutamente nada e foi expulso. Só então ele quis tomar satisfação. Só que nessa hora encontrou um covarde que virou de costas e agora, quatro dias depois, fica marcando hora e local pela imprensa pra brigar.

Como ele vai responder na bola se o juiz colocou ele pra fora?

Glauco disse...

Fabricio, sugiro que você assista a esse vídeo , postado por um palmeirense que comemora a agressão de Diego Souza. Veja a partir do minuto 3 e perceba que não só o meia responde como ainda põe a mão no rosto de Domingos antes de ser expulso.

Fabricio disse...

Pronto, vi que ele colocou a mão no rosto do domingos. E agora?

Até lembrei de quando o Luiz Pereira deu uns tapinhas no rosto do Rivelino na final de 74. O que tem de mais?

A impressão cada vez maior que tenho do lance é essa:

domingos entra em campo, vai direto pras costas do Diego Souza que vira pra ele e diz:
"- Que foi cara, que bixisse é essa de grudar em mim?"
No que o domingos responde:
"- Tá me tirando? Bate em mim ae, bate ae! Quero ver!"
O Diego Souza então coloca a mão no rosto dele dizendo algo desse tipo:
"- Quem é você rapaz? Me dá licença, chega pra lá que não tenho tempo pra perder com você, que nem conheço, no momento."
Daí o juiz vai lá e expulsa os dois sem motivo. O domingos vira pro banco e dá um sorriso querendo dizer:
- "Viu professor, alguma coisa eu fiz! Eba!"
Indignado, o Diego tenta tirar satisação, no que o domingos já cai no chão que nem uma moça com a mão na cabeça.

Aí começa toda a confusão, que termina com o Diego indo de encontro ao domingos que vira de costas, levanta os braços, toma uma rasteira que não é nem perto do que eu teria feito e já cai de novo com a mão no ombro, na cabeça, no quadril, etc...

Daí o Diego vai pro vestiário no mesmo momento em que eu batia palmas em casa e o domingos se levanta aparentemente sem dor nenhuma e vai pro chuveiro.

Um vai ser punido pela agressão, outro pela atitude antidesportiva. Só que um saiu com a marca de covarde e outro de cabeça erguida.

Glauco disse...

A questão é que você falou: "O Diego não respondeu. Ele não fez absolutamente nada e foi expulso." O vídeo msotra o contrário. Mas o excerto "Pronto, vi que ele colocou a mão no rosto do domingos. E agora?" pode ser substituído por "Pronto, vi que o Domingos falou alguma coisa pro Diego Souza. E agora?".

Outra substituição que poderia ser feita é no trecho "Um vai ser punido pela agressão, outro pela atitude antidesportiva. Só que um saiu com a marca de covarde e outro de cabeça erguida."

Pode-se dizer: "Um vai ser punido pela agressão, outro pela atitude antidesportiva. Só que um saiu com a marca de burro e outro de malandro. O primeiro vai prejudicar a sua equipe e seus torcedores ainda assim vão achar bonito. O segundo não vai fazer falta."

De fato, Diego Souza merece aplausos... Os rivais aplaudem com gosto pelo que ele fez para o Palmeiras!

Rakal D'Addio disse...

Achei sensacional o lance. Diego Souza retardou o jogo em uns cinco, seis minutos. E para quê?

Faltou educação aos santistas que deviam ter engrossado a onda de aplausos.

Fabricio disse...

Ele deu mais alegria ainda pra torcida do que já vinha dando com a bola que está jogando, como a atuação contra o Sport, o gol contra o corinthians, o gol de ontem que colocou o time de volta na briga, etc...

Mas ainda acho que esse pontapé no domingos foi melhor ainda! Como falei antes, gostei!

Mas você falou uma coisa certa. Ele prejudicou demais o time. Como vamos fazer sem ele no Paulista do ano que vem? Vai ser fogo!

Glauco disse...

Fabricio, você se equivoca de novo. Pra esclarecer: "Diego Souza foi denunciado em três artigos do Código Brasileiro de Justiça Desportiva (CBJD): 255 (ato de hostilidade), 253 (praticar agressão física) e 274 (invadir local destinado à partida ou nele ingressar sem a necessária autorização). O primeiro tem pena de um a três jogos de suspensão. Só que, como ele foi denunciado três vezes nesse artigo, a pena máxima pode chegar a nove jogos; no segundo o gancho chega a até 540 dias (não "jogos", ou seja, vale pro Brasileiro e pod einclusive afastar o atleta da Libertadores, caso seja punido e o Palmeiras siga na disputa); enquanto o terceiro é mais pesado, com pena máxima de 720 dias (de novo, vale pro Brasileiro). Somando tudo, o jogador palmeirense pode levar um gancho de 1260 dias, mais nove jogos."

Maurício disse...

Belo texto do Glauco, sem dúvida. Concordo nas linhas gerais e em muitos detalhes.

Mas em algum nível eu entendo o Diego Souza... Mesmo para o antijogo há um rito a se seguir. E o Domingos quebrou todo o protocolo. Foi tão explícito que o Diego Souza se surpreende, fica olhando para os lados como quem diz "vocês estão vendo o que esse cara tá fazendo?". O que sem dúvida elimina a hipótese proposta pelo Glauco de que se poderia supor que ele sairia com a marca do "malandro". Malandro sem sutileza não existe.

Eu achei foi bem engraçada a pernada que ele levou. E o tempo todo ele fica fazendo cena. É um péssimo ator, mas está muito claro que ele só entrou pra fazer cena mesmo.

Outra coisa, este caso não tem nada a ver com o do Edilson e do Paulo Nunes. O que o Edilson fez foi sem dúvida uma provocação, mas fez com show e chamou todo mundo pra brincar. Na época se falou no Garrincha – guardadas as devidas proporções, claro, mas não sem razão.

O caso agora me lembra muito mais o do Materazzi e do Zidane – guardadas as devidas proporções, claro. É se colocar na situação e dá pra entender. No entanto, mais até que o Diego Souza nesse caso, o Zidane perder a cabeça ali foi realmente imperdoável, pois se tratava aí sim de um dos momentos mais decisivos da vida dele.

Mas digo isso tudo tentando entender o que é estar ali, nessa situação. Não vejo nenhuma glória pro Diego Souza, nenhum glamour em ser o "animal". Tem sim que ser punido e bem punido. Afinal, um jogador tem que ter cabeça para aguentar provocação, isso é básico, é condição para a profissão.

No fim das contas, o que ele fez apenas premiou o Domingos com um lugarzinho na história. E provavelmente (esperemos) condenou a si mesmo a uma quebra na carreira que pode ser difícil de reverter.

Anônimo disse...

Isso só demonstra o nível baixíssimo do futebol brasileiro, onde palhaços pagam para entrar e no picadeiro palhaços milionários dão um verdadeiro show de estupidez!! Azar de quem ainda acredita em futebol...

Thiago disse...

Existe ai um senso moral machista no julgamento da situação. Em muitos anos nos foi ensinado de que o homem deve ter palavra ( honrar o fio do bigode ) não levar desaforo para casa e assim defender o seu "gado" no melhor estilo machão. Apesar dessa retórica ter sido um pouco lápidada ainda encontra-se no amago de cada homem nesse mundo, principalmente no futebol . E é esse senso moral que nos faz desprezar a falta de hombridade do Domingos (que simulou uma agressão com intuito obviamente premeditado ) e não tanto o destempero do Diego Souza que sentia-se lesado.

É claro que no futebol sempre existiu e existirá provocação , não direi que o Diego estava certo em voltar para agredi-lo , mas tenho de ressaltar que prefiro um jogador com gana e raça do que um que propõem-se a entrar em campo para fazer um "drama queen" estilo bambi.

Um abraço.