Destaques

quinta-feira, agosto 06, 2009

Audiência Pública vai discutir homofobia nas escolas

Compartilhe no Twitter
Compartilhe no Facebook

Na tarde desta quarta-feira, 5, mais um importante passo foi dado para o reconhecimento do espaço educacional como fator de extrema importância no combate aos preconceitos e na construção do respeito a diversidade. O requerimento do deputado federal Iran Barbosa (PT-SE) para debater, em conjunto com a Comissão de Educação e Cultura (CEC), a homofobia nas escolas foi aprovado e a audiência pública, para disseminar informações a respeito de pesquisas que apontam o quanto é grave o grau de discriminação nas escolas, finalmente vai acontecer.

O assunto requer um pouco mais de atenção, pois ao contrário de outras formas de preconceitos, a homofobia é admitida e, por muitas vezes, ampliada no ambiente escolar. Para dimensionar o tamanho da problemática, uma boa pesquisa foi realizada pela Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe) e publicada em 2009. Chama-se Preconceito e Discriminação no Ambiente Escolar.

O estudo revela que 87,3% dos entrevistados têm preconceito com relação à orientação sexual. Foram entrevistados 18,5 mil alunos, pais e mães, diretores, professores e funcionários, de 501 escolas públicas de todo país.

Infelizmente este preconceito gerado e disseminado por nossa sociedade resulta em consequências de diversas facetas, como a exclusão, violência e o vergonhoso alto índice de mortes de homossexuais, o que coloca o Brasil como um dos países que mais mata homossexuais no mundo, como constata a ONG Grupo Gay da Bahia. (Para quem tiver interesse no assunto, a matéria A homofobia na sala de aula, publicada na revista Fórum, dá um bom panorama destes estudos e de ações governamentais que combatem a homofobia.)

Ainda sobre a audiência, apesar da data ainda não ter sido divulgada, serão convidados para debater o assunto vários estudiosos no assunto. Entre eles estão o secretário de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade do Ministério da Educação (Secad/Mec), André Lázzaro e a pesquisadora do Instituto de Bioética, Direitos Humanos e Gênero (ANIS), Tatiana Lionço.

3 comentários:

Maurício disse...

Excelente, um bom começo. Mas vai ser um terreno bem espinhoso pra avançar. Como muita gente ainda considera homossexualismo como um distúrbio ou até uma doença, não vai faltar pais protestando que a escola está desviando seu filho ou sua filha, só por abrir o debate. Mas tem que enfrentar. Como diz o mestre chinês, ninguém disse que seria fácil... Vai precisar de um trabalho continuado de muitos anos até começarmos a sentir resultados.

Anselmo disse...

87,3% é mta coisa...

Nicolau disse...

Muito importante a iniciativa. Uma discussão legal nas escolas pode ajudar bastante um monte de garotos e garotas que estão descobrindo sua sexualidade.