Destaques

domingo, agosto 02, 2009

Tá bom, tá bom, é reconstrução

Compartilhe no Twitter
Compartilhe no Facebook

Hoje, o corintiano assiste ao Brasileirão 2009 mirando mais longe. Não que vivamos o pior dos mundos. Ao final da partida contra o Avaí, um horripilante empate em 0 a 0 em pleno Pacaembu, o Corinthians oscila para cima (da 6ª para a 5ª posição), sem poder ser ameaçado pelos resultados dos jogos que ainda faltam nesta 16ª rodada. Mas o principal significado da partida é que o momento é de se segurar, pois quem tem entrado em campo é só meio time, pelo menos em relação ao grupo que começou o campeonato. Enquanto esperamos o retorno do Gordo lipoaspirado (e acho que essa cirurgia vai servir só pra compensar o sobrepeso que o Ronaldo sempre ganha quando fica alguns jogos parado), a incorporação ao elenco de Edu (que se entrar bem pode ocupar a lacuna deixada por Cristian), a volta do Dentinho (suspenso), e as contratações “à altura dos jogadores vendidos” (o boato atual é que vem o Riquelme, o que seria perfeito, mas entre o perfeito é um tempo verbal que não existe no futuro), resta-nos acreditar que estamos nos preparando para o próximo ano.

Quer dizer, como já enfatizei o “lado vazio do copo”, resta agora ver o lado cheio. Se eu acreditar que o Corinthians é agora um time em preparação, que usa o Brasileiro apenas como um campo de testes e experimentos para o próximo ano, começo a achar que esta temporada ainda tem um importante papel a cumprir. Que outra equipe terá condições de testar reservas e esquemas alternativos como o Corinthians? A série A deste ano, neste sentido, seria para o time como a série B do ano passado: sem apresentar por si grandes dificuldades – no ano passado pela sobra de qualidade, neste, por não ter a responsabilidade de vencer –, o time põe a bola no chão e se estrutura para a temporada seguinte.

A novidade mais interessante até agora, a meu ver, é o Jucilei. O garoto de 22 anos, formado na base do Corinthians Paranaense, tem mostrado que pode se tornar uma figura importante no meio campo, seja como um segundo volante, seja como meia. Ele sabe conduzir, tem tamanho e força para disputar bem as divididas, acerta bons passes, sabe cruzar. Terá qualidade para ser titular? É possível, embora minha experiência tenha me ensinado a não exagerar na esperança. Mano Menezes tem demonstrado que tem boa intuição para encontrar a posição em que jogadores rendem mais. Tem que ver, tem que ver...

Nos melhores momentos do empate com o Avaí, vejo que muitas jogadas passaram pelos pés de Jucilei, e em diferentes posições do campo. Ele cruzou da direita, armou pela meia esquerda, roubou bola no meio e criou contra-ataque. No momento, ele está cobrindo a vaga de Cristian, mas a tendência é que seja escalado mais à frente. Não sei se o garoto segura a bronca de substituir Douglas, sendo a referência de distribuição de bolas na meia. Além do que, ele tem mais arrancada, minha impressão é de que ele funciona melhor vindo de trás do que recebendo e distribuindo as bolas na frente. Quer dizer, sua posição seria a de segundo volante, mas não vai tirar a vaga do Elias (se ele não for vendido). É um bom problema para se resolver, e o Brasileirão está aí para isso, para experimentar, testar...

Dois receios

Tenho dois receios com relação ao momento que vive o Corinthians. O primeiro é saber se na remontagem do time o Mano Menezes vai ser tão bem sucedido quanto foi na montagem. Ele vinha construindo um trabalho, que dava resultados em grande medida pela continuidade, mais que pelos talentos individuais (exceção feita a Ronaldo e Felipe). Vai saber retomar o passo após essa quebra de ritmo?

O segundo receio é um pouco mais estrutural. Toda uma expectativa cresce em relação ao "ano do centenário" do Corinthians. Outros times tiveram desempenhos medíocres, a ponto de se falar em "maldição do centenário", acreditando que a efeméride dá um peso a mais à camisa. Quando vejo o Corinthians cheio de dívidas, vendendo jogadores de baciada e pensando em contratar jogadores caros (além do caríssimo Ronaldo), temo pela solução populista que pode estar reluzindo nas mentes de dirigentes do clube – populista por buscar agradar a torcida num curto prazo sem estar assentada em bases consistentes.

Qual seria esta solução? Contratar um timaço para disputar a Libertadores de 2010, enfiar o pé na jaca em dívidas, e depois, seja lá qual for o resultado – conquistas ou frustrações –, ter que se desfazer correndo do time, talvez com algum lucro, talvez com prejuízo, mas tendo como cenário geral uma quase bancarrota. Receio... ou será paranoia?

11 comentários:

Victor disse...

E claro,
gastar tubos de $$$ e montar um bom time (não necessariamente duas coisas correlatas) não é garantia de sucesso em 2010.

fredi disse...

DMarcelo, para mim o que esse desmonte atual demonstra é que as coisas não andavam tão bem assim lá no Parque, como se dizia.

Os jogadores saíram sem render tanto dinheiro assim. Parece, realmente, que com a conquista da Copa do Brasil e a vaga da Libertadores resolveram economizar para investir ano que vem.

Ou pelo menos não fechar com um vermelho tão grande assim.

Tudo bem, só não sei se dá para confiar no atual presidente e em seu diretor de futebol, aquele que anda falando besteiras e levando cadeiradas.

Nicolau disse...

A questão da administração é a seguinte: parecia que haviam projetos inovadores para conseguir renda, um investimento maior em produtos, uma tentativa de ganhar dinheiro de outras fontes que não a venda de jogadores. O que vemos agora mostra que, se ocorreram essas tentativas, elas não deram muito certo.
O ano do centenário e a passagem de Ronaldo pelo Corinthians deveriam ser usados para construir um futebol mais sustentavel. Mas não sei se alguém tem a receita do que fazer pra isso acontecer. Ainda mais num clube com uma dívida girando em R$ 100 milhões.

Nicolau disse...

Ah, sobre o jogo, não vi, mas pelos melhore smomentos pelo menos teve umas boas chances de gol...

Maurício disse...

Na verdade, Fredi, as coisas andavam bem na qualidade do futebol. Andrés Sanchez nunca deixou de dizer que tinha uma dívida enorme e que teria que vender jogadores para fechar as contas.
A questão é ver nas próximas semanas como é que eles vão sair dessa. E se não vão se afundar mais ainda nos próximos anos...

Anselmo disse...

o goleiro do avaí pegou muito... e outra: a manchete deveria ser: corinthians para arrancada do Avaí.

o time catarinense era amplo favorito para a partida.

Glauco disse...

Será que o Avaí, depois de cinco vitórias consecutivas, vai entrar em crise com esse resultado?

Maurício disse...

Amplo favorito... Será? Anselmo, acho que você está levando muito a sério a crise do Corinthians. Com meio time, empatamos, podíamos ter vencido.

Que será isso, excesso de autoconfiança parmerista? Mas acho que essa alegria vai mudar um pouco com a saída de Pierre e Diego Souza.

Fabricio disse...

Maurício, me desculpe, mas até com todos os reservas tinham obrigação de vencer o Avaí em casa.

Quanto a situação financeira, quer me parecer que entregar boa parte dos patrocínios secundários (calção, manga, bunda, sovaco) pro Ronaldo não foi lá uma boa idéia. Ainda mais pela quantia que o clube já o paga como salários.

Aliás, não sei aonde vi mas logo após o corinthians anunciar o patrocínio "milionário" (até acredito que seria o caso se não fosse a crise) fizeram uma comparação com os valores de patrocínio de São Paulo e corinthians. E o último perdia devido aos repasses ao Ronaldo. Será mesmo que está sendo benéfica financeiramente esta união?

Maurício disse...

Não precisa se desculpar, Fabrício, concordo totalmente.

Sobre o Ronaldo, acho que ele ajudou a alavancar a subida de moral do clube e da torcida na volta da segundona. Acho que a conta que a diretoria do Corinthians tinha feito é que com o Ronaldo ganharia mais em venda de produtos e bilheteria. Sem jogar no Morumbi, fica limitada a arrecadação com ingresso. Não sei até onde isso vai, mas o negócio é bem arriscado.

Anselmo disse...

tá bom. amplo favorito foi ironia demais.

mas o avaí vinha de uma sequência de 5 vitórias e o corinthians realmente poderia ter vencido. ter obrigação de ganhar é uma coisa, jogar pra ganhar é outra.

realmente acho que o corinthians não tá com problema nenhum, e tão enxergando crise onde não tem. aqui, sem ironias.