Destaques

sábado, abril 18, 2009

O Celeste que "dirigia melhor" bêbado

Compartilhe no Twitter
Compartilhe no Facebook

Omniii at en.wikipedia
Celeste era um mecânico desses que não existem mais. Mas era um motorista peculiar, daqueles que nunca existiram. Vindo do interior, gostava de música caipira, até cantava. E não fazia feio.

Todo dia, depois de fechar a oficina, comparecia ao bar, jogava sinuca com os vizinhos. O pessoal bebia bem, só cachaça. A diferença é que os colegas de copo moravam a poucos metros do estabelecimento etílico, enquanto Celeste vivia longe dali, sozinho, e tinha de voltar dirigindo.

Quando era hora de ir embora, porque o dono do boteco também precisava voltar para casa, acontecia o previsível. Muito pior do que não acertar a chave na fechadura da porta do carro, era o que o Celeste fazia, que não conseguia passar pela porta aberta. Os outros bêbados é que precisavam ajudar o cidadão a se acomodar no carro.

Mas bastava ele se instalar para uma transformação acontecer. A dificuldade para abrir a porta até para passar por ela ia embora e Celeste despertava, dava partida e logo saía, como se estivesse sóbrio.

Ao ir para casa ou na manhã seguinte no cafezinho da padoca, os outros agora ressaqueados se preocupavam, o que seria do Celeste naquele estado? De tão bêbado, teria chegado inteiro? Rumo ao serviço, passavam em frente a mecânica e lá estava o Celeste debruçado sobre algum carro, nenhum sinal da cachaçada do dia anterior. Ou quase nenhum.

Os poucos que se aventuraram em todos os anos de sinuca a pegar uma carona no Fusca do mecânico saíram enojados. Celeste mal limpava o console do carro com os resultados do excesso de álcool. Nunca ninguém conseguiu explicar como o cara conseguia sobreviver àquela roleta russa, a não ser com a explicação de que ele dirigia melhor bêbado. Até porque, pelo que contavam, não pegava a direção sem estar calibrado. Parece que morreu de enfarte, há uns vinte anos, depois de outros 25 anos de álcool e direção todo dia.

2 comentários:

Maurício disse...

Já vi homem chamado Dagmar, Iraci... mas Celeste, nunca.

Marcão disse...

Se algum dia eu tivesse aprendido a dirigir, não estaria aqui escrevendo essas palavras. Mais de dez colegas morreram ao volante, encachaçados. O último foi o Baiano, depois de um baile, no dia 11 deste mês.