Destaques

domingo, junho 28, 2009

Empate em casa contra o Santos só não é pior do que derrota

Compartilhe no Twitter
Compartilhe no Facebook

O título do post é mais do que óbvio. Tão óbvio quanto escrever que a vitória seria muito melhor. Seria obrigação até.

Mas é só para lembrar que o placar de 1 a 1 no clássico contra o Santos, a primeira partida do Palmeiras na temporada depois da saída do treinador Vanderlei Luxemburgo foi menos pior do que o da segunda partida da semifinal do Campeonato Paulista entre os mesmos times. Na ocasião, o Santos bateu o time de Palestra Itália por 2 a 1, com direito a papelão de Diego Souza. E o Palmeiras não jogou para ameaçar os classificados.

Neste domingo, dois dias depois da conturbada demissão, o resultado foi 1 a 1. O alviverde saiu na frente, com Obina, aos 32, e o Peixe empatou aos 36, com Robson.



Se a equipe comandada por Jorginho, ex-jogador e técnico do Palmeiras B, foi bem no primeiro tempo, deixou a de Vágner Mancini superá-la na segunda etapa. Não foi um início de jogo espetacular nem nada, mas suficiente para garantir mais posse de bola, obrigação de um time que atua em seus domínios.

No segundo tempo, recuou um pouco, não conseguiu explorar contra-ataques e deixou o time visitante crescer. Quem se apequena, é punido.

O certo seria vencer em casa. Mas manter a sequência de seis partidas sem derrota no Brasileirão indica que a saída de Luxemburgo não fez tanto dano assim.

Mas ainda precisa de mais jogos para ter certeza.

4 comentários:

Brunão Mafiotecano disse...

Prêmio "O RLY" + "Master of obvious" pra vcs... O dia que um empate for pior que uma derrota acho que vai ser um "pouco" estranho né?

fredi disse...

Camarada Anselmo, a ironia é muito sutil para certos espíritos.

Adira à internet e quando tentar ser irônico escreva assim:

Empatar é melhor que ganhar [ironia] ou [ironic mode on], daí o povo entende.

Fabricio disse...

Em 2000 na última rodada do Paulista o Palmeiras pegou o corinthians.

Com um empate o Palmeiras terminaria na frente do rival e enfrentaria na seminfinal o São Paulo, segundo do outro grupo e com melhor campanha no geral, que jogaria pelo empate.

Com uma derrota o Palmeiras terminaria em segundo do grupo e enfrentaria o primeiro do outro grupo, Santos, com campanha pior no geral. Logo o Palmeiras nesse caso teria vantagem do empate.

O jogo ia equilibrado até uns 30 do segundo tempo, quando o corinthians desempata em 3x2. Imediatamente o Felipão saca um atacante, coloca um volante e o Palmeiras recua de forma absurda. Com esse prato cheio o corinthians ainda faz o quarto.

Agora me digam, o Felipão estava certou ou não? É melhor pegar o Santos com vantagem ou o São Paulo sem vantagem?

O final da história todos conhecem com a virada heróica do Santos no segundo jogo, e o título tricolor.

Mas que nesse caso o empate era pior que derrota, isso é fato!

Unknown disse...

Boa lembrança, Fabricio, só pra lembrar mais uma regra exdrúxula do Paulistão. Ô, pessoal pra inventar.

Qaunto ao jogo, fiquei impressionado com o quanto o Palmeiras recuou nos egundo tempo, mesmo jogando em casa, e também com a caixa de ferramentas aberta pelos alviverdes.