Destaques

quarta-feira, julho 08, 2009

José Serra faz ataque frontal ao Futepoca

Compartilhe no Twitter
Compartilhe no Facebook

O governador de São Paulo José Serra, talvez irritado com as críticas recebidas pelo Futepoca aqui (e aqui, aqui, aqui...) resolveu responder nos atacando de forma brutal. "Não tem nada a ver futebol com política", bradou o tucano em entrevista concedida em Genebra. Como disse o Fredi, só faltou complementar a frase dizendo que "só mesmo quem toma cachaça pra achar que política e futebol combinam". Um absurdo ataque à liberdade de expressão e uma moção de censura aos manguaças desse blogue.

O argumento do cabotino provável candidato à presidência em 2010 foi utilizado por conta de uma declaração de Ronaldo, o Gordo, aquele que faz as flores murcharem quando abre a boca. Desta feita, o atacante disse que "o presidente Lula é quem mais está ajudando o Corinthians nessa fase. Ele está dando alguns contatos de empreiteiras que podem nos ajudar. O presidente está muito interessado no projeto do Corinthians. Ele é fanático, um corintiano roxo". Evidencia-se-se pois a perfídia da estratégia serrista: utilizar a figura de Lula, que sintetiza os temas desse blogue em sua pessoa, para nos atingir.

Não nos calaremos, governador!  E continuaremos provando que futebol tem a ver com política, a despeito de suas vis ofensas.

12 comentários:

Anselmo disse...

será que José Serra avisou isso a seu aliado Gilberto Kassab antes de ele receber homenagem do São Paulo? Ou será que ele não se lembrou disso ao ser celebrado como "palmeirense eterno"?

Se política e cachaça fossem como óleo e água, a cachaça resolveria fazendo o papel de adstringente. Mas não existe separação alguma.

Não é só em Lula que futebol e política se misturam. Luiz Gonzaga Belluzzo, presidente do Palmeiras, o time do coração de Serra, passeia pelos temas com uma facilidade ímpar.

Mário Jorge Lobo Zagallo deve o comando da seleção brasileira de 1970 à mesma combinação. Segundo versão corrente, não fossem as predileções políticas do cronista esportivo promovido a treinador João Saldanha, Emílio Garrastazu Médici não o teria defenestrado do escrete canarinho.

Aliás, as ditaduras militares do Brasil e do Chile usaram e abusaram desse vínculo.

E houve Sócrates e Osmar Santos no palanque do comício pelas Diretas Já em 1984. O protagonista da Democracia Corintiana e o locutor esportivo ajudaram a comandar os 1 milhão de paulistanos na Praça da Sé.

Continuo determinadamente satisfeito de saber que a camisa "100% ACM" tenha sido vetada pelo Flamengo quando Romário deu a ideia.

Mas esse ataque gratuito de mostra que Serra evidencia que o cidadão não frequenta mesas de bar, onde os dois temas se fundem ainda com questões existenciais humanas, relações pessoais, antropologia e o estudo da gastronomia improvável do boteco sujo.

bodegacultural.com disse...

Isso é uma tentativa de desqualificar e atingir, também, o presidente Lula. Lula é um legitimo torcedor e degustador de uma cachacinha e José Serra um grande invejoso. Foi buscar um prêmio em Genebra (talvez o troféu cara de pau) e como não tem o mesmo carisma de Lula, tenta atingí-lo. O que falta FairPlay e sobra em troglodices.

Sartorato disse...

Só pra complementar os exemplos do Anselmo, quando fala sobre ditaduras, um velho ditado: "onde a Arena vai mal, mais um time no Nacional". Impossível não lembrar do (nada) saudoso Abi Chedid.

Olavo Soares disse...

O Anselmo realmente é um fenômeno na arte de colocar links no meio das palavras. Acho que deveria haver um campeonato mundial disso. Se tivesse, a taça certamente ficaria com ele!

Brunna disse...

Anselmo, o rei dos link´s!

Liliana disse...

Nenhum comentário do Serra me surpreende.
Cada pérola que sai da sua boca vampiresca reforça tudo o que eu odeio nele.

Arina disse...

Pô, quando foi que o Lula deixou de ser vascaino?

Anselmo disse...

Carlinhos, o bodegueiro, vc tem razão. claro que o alvo preferencial é o presidente Lula. Mas estamos defendendo nossa proposta de política pública, o Manguaça Cidadão, também conhecido como Bebe Brasil.

Liliana, eu não odiei o Serra quando ele falou da inocência dos porquinhos em relação à gripe suína. Foi meio patético e teria sido melhor, do meu ponto de vista, se ele falasse que a responsabilidade era do agronegócio internacional. Só chamo atenção que entre o ódio absoluto e uma concordância mais ampla, existe a indiferença ou o riso ou a vergolha pelo outro entre outros sentimentos mais ou menos nobres.

Olavo, sobre a taça mundial de colocação de links (lê-se linques), é uma questão de hipertexto. só aceito se for de fato um o caneco e estiver repleto de cerveja.

Anônimo disse...

O Serra merece "apanhar", sem dúvida. Mas como site TAMBÉM de política, vocês não vão comentar as peripécias Lula-Sarney?

Anônimo disse...

serragio, o virtuoso patético.Abr.Roberto.

Servílio Gentil Lavapés disse...

Ué? O Serra tem coração?

Servílio Gentil Lavapés disse...

Ué? O Serra tem coração?