Destaques

sexta-feira, agosto 28, 2009

A ciência do óbvio: abstêmios são mais depressivos

Compartilhe no Twitter
Compartilhe no Facebook

Saboreando uma deliciosa lata de Guinness (presenteada por um chapa) aqui no bunker (a cozinha do porão onde moro), me deparo com a seguinte notícia no tablóide local: cientistas britânicos e noruegueses comprovaram que os teetotallers - abstêmios ou, pra tentar ums gíria nossa, os de "bico seco" - tendem a ter as piores e mais inadequadas relações sociais, ou pior, alta deficiência de sociabilidade. E, consequentemente, altos níveis de ansiedade e depressão, problemas mentais e de saúde.

"Não-bebedores são mais sombrios e tem menos amigos. Nós vemos que esse grupo é socialmente menos ajustado do que outros", diz o líder da pesquisa, Dr. Eystein Stordal, da Universidade Norueguesa de Ciência e Tecnologia. "Geralmente, quando as pessoas estão com amigos, é mais aceitável nas sociedades ocidentais beber do que não beber. Mas o cientista faz uma observação beeem moderada: "As pessoas mais felizes são aquelas que costumam beber duas taças de vinho, uma garrafa de cerveja ou uma dose de spirits (bebida destilada) por semana". Quem consegue beber só isso?

A pesquisa abordou um público significativo de 40 mil noruegueses sobre sua saúde mental e física e consumo de álcool no período de duas semanas. Do total, 15,8% dos abstêmios disseram que sofrem de depressão, e 17,3%, de ansiedade. A maioria é composta por mulheres e pessoas mais velhas (e também confessaram ter outros problemas de saúde). Os cientistas derrubaram um mito: "A depressão é muito mais frequente entre os abstêmios do que entre aqueles que consomem altas quantidades de álcool".

Ps.: Falando em Guinness, foi lançado ontem, aqui na Irlanda, um selo comemorativo aos 250 anos da cervejaria, com o rosto do fundador, Arthur Guinness. O lançamento foi feito na cervejaria St. James's Gate, em Dublin. Para a arte do selo, foi usado um retrato do século 18 (à esquerda). Com o sabor inigualável da stout irlandesa ainda reverberando em minhas (felizes) papilas gustativas, só posso brindar à bela iniciativa - e em bom gaélico: Slantcha!

7 comentários:

Brunna disse...

Precisamos fazer uma pesquisa desta no brasil e na américa latina!

Anselmo disse...

Eu não sabia que a Guiness tinha o nome do seu Arthur! Marcão tbem é cultura.

Mas é uma verdade... seria o caso de uma série de selos comemorativos aos rótulos de cachaças ou aos cachaceiros que tanto fizeram à cultura nacional.

sobre a depressão, é curioso o dado.

Agora, a pergunta "Quem consegue beber só isso?" é crucial. Marcão, vc acha que é isso que o pessoal chama de moderação? Prefiro nem pensar nisso...

Nicolau disse...

Slantcha! Agora, "quem consegue beber só isso?" Devo ser bem triste e naõ to sabendo, rapaz...

Glauco disse...

Quem consegue beber só isso? Todo mundo quer menos depressão e ansiedade.

Maurício disse...

Arté o fim da frase achei que essa era a média proposta por dia, não por semana. Aí seria mais realista.

Mas este é um problema que os cientistas estão encontrando: conforme vão descobrindo os benefícios do álcool, como recomendar o consumo sem incentivar o alcoolismo? E pior, como vencer o preconceito que ainda permeia a produção científica?

Anônimo disse...

Pinguços fazendo pesquisa para validar seu vicio afffeeeeeeee

Anônimo disse...

Só sendo muito ingênuo mesmo pra acreditar em tabloides...