Destaques

quarta-feira, agosto 26, 2009

Suplicy mostra cartão vermelho para Sarney

Compartilhe no Twitter
Compartilhe no Facebook


Desta vez não teve Bob Dylan, nem Racionais, nem Cat Stevens. O impagável senador Eduardo Suplicy (PT) apelou para o discurso futebolístico, afim de mostrar toda sua insatisfação com os rumos da política brasileira
Ele que já fez gol no Zidane, agora driblou a posição de seu partido, subiu na tribuna do Senado e sacou um enorme cartão vermelho, destinado para senador José Sarney (PMDB), que já não se encontrava mais no plenário. “Se há uma forma de o povo brasileiro compreender bem o que isso significa é nós falarmos a linguagem do esporte mais popular do Brasil. Ali (no Conselho de Ética) eu estava na função de juiz. Era o terceiro suplente e não chegou a minha vez de dizer o meu voto. Então, o que faz um juiz no campo de futebol para que todos entendam? Apresenta um cartão vermelho. Nessa altura, o melhor passo para a saúde do Senado e do próprio presidente Sarney é simbolizado neste cartão vermelho. Que ele deixe a presidência e possa permitir que o Senado volte aos seus trabalhos normais”, explicou Suplicy.
Em seguida, o senador bateu-boca com Heráclito Fortes (DEM), que saiu em defesa de Sarney. Heráclito também recebeu cartão vermelho de Suplicy. Já para Heráclito, o senador deveria mostrar o cartão ao presidente Lula, que por sua vez deu o cartão amarelo para o "irrevogável" líder do PT, Aloizio Mercadante.
A sessão, que era presidida pelo senador Mão Santa (PMDB), acabou ganhando a solicitação do próprio, pelo encerramento do bate-boca, afinal quem estava com o "apito era ele" e até "futebol tem fim".

Confira o vídeo e aproveite para participar do Troféu Cara-de-mamão de xingamentos: Senado.
Para ajudar ainda mais na inspiração, vale conferir o infográfico produzido pelo G1, com os melhores xingamentos no Senado.

12 comentários:

Anselmo disse...

grande suplicy. sarney, já para o chuveiro!

Saulo disse...

Eu nem sei mais o que dizer dessa política brasileira.

Carlos Eduardo disse...

Hilariante.
Depois que criaram a TV Senado aquela casa nunca mais foi a mesma. Nem os mais inventivos roteiristas conseguem produzir uma comédia de erros dos costumes brasileiros tão bem como esses nossos senadores. É um episódio por semana.

Adir disse...

O Sarney nem estava no plenário, o Suplicy está ficando gagá!!!

Nicolau disse...

Sem noção...

Marcel Jabbour disse...

São uns parlapatões mesmo né?

Abraços

diletra.blogspot.com

Marcão disse...

O Suplicy já nasceu gagá...

Glauco disse...

O Senado está ficando cada vez mais divertido.

Sinn-Klyss disse...

A pantomima ridícula de PúsTulas fazerem “militância” contra Sarney, e, descaradamente ainda insuflarem os jovens (hoje completamente descacetados, e sem liberdade, engolidos pela enchurrada do nojo religioso, sufocados por tanta covardia feita contra eles) a darem uma de bocós fazendo propaganda estúpida com um medíocre cartão vermelho é o derrame completo da canalhice. De trama em trama espúrias, os calhordas ainda cospem um vírus infeccioso, o “troço” sibila esquisito com feição de urutu-cruzeiro travestido de “top model intelectual”, e embrulham a coisa com lacinho verde (pra não sentirmos o cheiro pútrido do embuste) e nos endereçam pra ainda tentarem acabar de desgraçar de vez o Brasil; e vão jogando devagarinho a CPI da Petrobrás pra debaixo do lixão nocivo com cara de governo.
NUNCA ninguém viu montanhas se moverem e avançarem sobre cidades; nunca ninguém viu isso. Mas nós estamos à beira de ver o que fizemos a nós mesmos. O asco da Natureza pelo que nos fizemos já se insinua em iminente repúdio do clima e do solo, contra tão grotesco coacervado de bichos com forma arremedada de gente.

Maurício disse...

O Brasil é único. Onde mais uma coisa dessas aconteceria na Câmara Alta do país?
Interrogação

Marcão disse...

Sinn-Klyss (parece nome de partido politico da Irlanda), por favor, explique o termo "descacetados". Desenvolva.

Vicente D Figueiredo disse...

Se o senador Suplicy continuar votando com a oposição, quem vai levar cartão vermelho é ele nas próxima eleições...

Abraço.