Destaques

quinta-feira, fevereiro 25, 2010

Revolta no busão

Compartilhe no Twitter
Compartilhe no Facebook

Agora há pouco, vindo de ônibus (Terminal Pirituba) da rua Teodoro Sampaio em direção à avenida Heitor Penteado, bairro Pinheiros, presenciei uma situação que nunca imaginei passar em todos os seis anos que já pago meus pecados nessa paulicéia alagada. Logo que subi no busão, abarrotado com umas 50 ou 60 pessoas, percebi um clima tenso de revolta. Todas as pessoas nervosas, resmungando, xingando. De orelhada, fui me informando de que, pelo que parece, diminuíram o número de veículos por linha.

- Agora tem cota de 21 ônibus por linha, não pode ter mais. E cortaram várias linhas diretas, tem que fazer baldeação nos terminais - comentava um rapaz que, pelo uniforme, parecia funcionário de alguma empresa de transporte.

- Onde já se viu? Esse homem é bizarro! E pensar que eu votei nele! Tive que acordar às 5 da manhã e ainda não cheguei. Não tem mais ônibus direto. Maldito Kassab! - reclamava uma senhora, muito transtornada.

- Mas ele vai pagar! - dizia outra. Meu dedinho tá coçando pra castigar ele na urna! Ele vai ver só!

- É vagabundo! Olha aí, tá tudo alagado, tudo sujo. Ele aumentou o IPTU, por que não limpa a rua? É vagabundo! Cachorro! Merece uma bela duma peia! - rosnava um homem de boné, os olhos saltados.

Nisso, a cobradora, que tentava dormir, despertou com o alarido das reclamações e não deixou barato, descascou um belo de um sermão:

- Vocês votaram tudo no Kassab, que eu sei! Vocês tem que se ferrar! A Marta fez corredor de ônibus, criou o bilhete único, trocou os ônibus velhos por novos, acabou com perueiro clandestino. E quando precisou de vocês, não teve nada! Vocês votaram no Kassab, tem mais é que se ferrar, mesmo!

Atônito, perplexo e sem palavras, eu ainda consegui ouvir duas coisas antes de me esgueirar para descer no ponto certo:

- Eu voto no PT. Eu sempre votei no PT, não votei no Kassab, não! - defendia-se um homem bem humilde, com o filho (ou neto) que levava para a escola.

- Mar-ta! Mar-ta! Mar-ta! - gritavam algumas meninas no fundo do busão.

Juro, isso aconteceu. Se o Kassab sair na rua hoje, apanha. Ou morre.

E se a Marta quiser fazer campanha para qualquer coisa, na rua, esse é o dia.

15 comentários:

Brunna disse...

Pagava para ver uma cena desta. ó se pagava....
Mais uma das coisas que não tenho saudades de SP, pegar onibus lotado, todo fudido, e as pessoas apoiando Serra/Kassab.
Nojo

Zhu Sha Zang disse...

Talvez ainda tenha esperança de não ver Serra presidente.

Sinceramente, como disse a Regina Duarte num passado recente:

EU TENHO MEDO.

fredi disse...

Marcão, como também sou usuário de ônibus, desde o ano passado venho ouvindo queixas parecidas.

Quando reclamei do excesso de pessoas no ônibus (se notar, lá na frente tem escrito o número máximo de pessoas permitidas em pé e sentadas, o que nunca é exigido), ele disse que o problema é que no passado por não dar aumento na passagem, reduziram a frota em 20%.

Este ano, aumentaram a passagem, mas os ônibus não voltaram.

Aliás, a gente podia até criar o diário dos coletivos, andar sempre com um gravadorzinho digital e registrar as pérolas que surgem.

Marcos disse...

Pois é, Fredi, olha a matéria do Agora S.Paulo, do final de junho de 2009, que achei:


SP perde 207 ônibus e ganha 220 mil passageiros

Bruno Ribeiro e Folha de S. Paulo
do Agora

A frota do transporte público da capital perdeu 207 ônibus e ganhou mais de 220 mil passageiros neste ano em que a gestão Gilberto Kassab (DEM) promete manter a passagem congelada em R$ 2,30.

O cenário, de um lado, é um ganho de produtividade (ganha-se mais com mais usuários; gasta-se menos com menos veículos), comemorado por viações e perueiros para compensar a promessa do prefeito de não subir a tarifa.

De outro, indica a piora do conforto para os usuários, aumento da superlotação e da demora para o coletivo passar no ponto, segundo avaliam especialistas e operadores. A queda de 1,4% (média entre janeiro e maio), numa frota de 15 mil veículos aptos para uso, e a elevação de 2,9% no número de passageiros ocorrem em meio à insatisfação dos paulistanos com o serviço.

Em 2008, a aprovação dos ônibus foi de 40%, a mais baixa da década, conforme pesquisa da ANTP (associação de transportes públicos).

------------------------------


Impressionante. E a passagem aumentoui pra R$ 2,70 em janeiro.

Mas quero fazer aqui a ressalva, que já fiz em outro post, de que a mídia paulistana passou a bater forte no Kassab pra desviar o foco do Serra, como se o governo do Estado não tivesse nada a ver com o caos em São Paulo. Podem perceber que não sai nada do Serra e ninguém reclama dele. O Kassab virou boi de piranha e está sendo devorado. É justo, ele merece, mas gostaria de ver mordidas, também, no dono da boiada.

Anselmo disse...

Marcão, que coincidência incrível. Hoje, eu ouvi uma conversa praticamente inversa no busão, na Francisco Morato.

Um aposentado dizia pra sua colega de banco:
– Isso aí tudo do Kassab que tão dizendo é coisa do PT, viu?
– Aé?
– É, o advogado dele diz que nada consta sobre ele. Que é tudo político, que tem medo do Kassab sair a governador e ficam com essas histórias.
– É intriga da oposição?
– É, tudo mentira do PT. Querem pôr a Marta de volta, e é tudo mentira. Melhor que a Marta o Kassab é. Ela fez muita coisa, mas deixou muita dívida que ninguém sabe. E ela não pagou até hoje.

Enfim, enigmático.

Até então, só vinha mesmo ouvindo queixas.

Mary disse...

Concordo com muitas coisas que foram ditas, mas existe um grave problema que muitas pessoas não fazem nada para resolver.
O que falar daqueles que em prostestos as chuvas colocam fogo nos onibus e no dia seguinte reclamam por superlotação, por poucos carros e tudo mais.
Enquanto a população não se educar, a situação não vai mudar. É fácil culpar uma única pessoa, mas na hora de votar, pensem um pouco mais.

Fabricio disse...

Não consigo decidir entre o que é pior: Marta ou Kassab.

Irineu Curtulo disse...

Nem Kassab, nem Marta, etc... infelizmente, todos os políticos são iguais, então, meu voto é NULO.

Olavo Soares disse...

Essas revoltas públicas são legais. Geralmente, o que rola é uma atiração a torto e a direito, atacando todo mundo.

Nunca esqueço de uma vez, quando eu trabalhava no banco. Tava uma baita de uma fila, e todo mundo estava (com razão) puto da vida. Um senhor então começa a querer puxar papo com todo mundo, se tornando o porta voz das indignações.

Começou a xingar Deus e o mundo, não parando de falar mal. O auge veio quando ele emendou um assunto que não tinha nada a ver com outro de forma magistral:

"Esse banco aqui é uma droga. E droga, aliás, é o grande problema do Brasil. Porque a violência começa com o tráfico e...".

Gênio.

fredi disse...

Mary, numa frota de milhares de ônibus quantos foram queimados no último ano?

Nada justifica queimar, mas não é esse o problema do transporte em SP.

Há uma inversão de prioridadades, com menor investimento em transporte público e limpeza.

Daí o caos.

Culpar a própria população pelo que ela sofre não leva a lugar nenhum, só a desculpas.

Irineu, nem todos os políticos são iguais, é necessário saber separar e escolher os melhores.

Se não, só ganham os corruptos, que compram votos e contam com a despolitização do povo.

Sartorato disse...

Problema é que votar bem é importante para TODOS os cargos em questão. Não adianta nada colocar um bom político e um mau político em posições em que eles são interdependentes. Brasileiro não costuma pensar muito nisso.

Marcão disse...

Fabricio, se você não vê diferença entre Marta e Kassab, não morava em São Paulo na gestão do PT (ou pelo menos não andava de ônibus naquela época e nem agora). Para comparar um pouco, veja o belo relato que a Thalita fez na última campanha municipal:

http://www.futepoca.com.br/2008/10/serrakassab-e-os-corredores.html

Esse texto é importante, também, para relembrar que JOSÉ SERRA (gravem esse nome!) foi o PREFEITO que substituiu Marta e deu início ao caos que vemos hoje. Me lembro que em janeiro de 2005, primeiro mês de seu mandato, ele extinguiu a baldeação gratuita nos terminais de ônibus de uma hora para outra, sem avisar. Milhares de pessoas chegaram nos terminais e não tinham dinheiro para pagar a próxima condução. Testemunhei isso como usuário. Pra variar, nada foi noticiado. Aliás, na eleição para prefeito, JOSÉ SERRA garantiu - e registrou em cartório - que não abandonaria o cargo para disputar o governo do estado. Pois Zé...

Leandro disse...

Eu pego trem no mínimo de segunda a sexta, todos os dias me deparo com algum problema, a coisa piora a cada dia e não vejo indignação das pessoas contra o Zé Alagão e a maldita CPTM nem nas linhas esquecidas, naquelas em que ainda não resolveram dar mais empregos a espanhóis e alemães trazendo trens novinhos de lá em vez de adquirir de empresas brasileiras (quando elas ainda existiam, num passo nem tão distante).
Bom saber que nem tudo está perdido e que o povo não perdeu a possibilidade de se indignar diante dos demotucanalhas que assolam este pobre Estado de SP há tanto tempo.
Minha esperança no amanhã se renova diante deste relato.

joao disse...

Grande Marcão! Estava mesmo faltando você por aqui.

Olavo Soares disse...

Faltando? Se tem alguém que não "falta" aqui no Futepoca, é o Marcão!