Destaques

segunda-feira, maio 05, 2008

24 horas de ônibus lotado. E um bêbado

Compartilhe no Twitter
Compartilhe no Facebook

Minha amiga Andréa conta a saga que viveu no feriado, quando, sem encontrar passagem de avião, enfrentou 24 horas de busão até Porto Alegre, mais 4 até Santa Maria, no Rio Grande do Sul, para visitar os pais. Como de praxe na maioria das viagens cansativas em veículos abarrotados, tinha que ter um bêbado. Na fila para entrar no ônibus, ainda no Terminal Tietê, em São Paulo (SP), o homem se recusou a mostrar o RG. "-Que que é isso aí? Ditadura? Meu nome tá aí no bilhete!". Contornada a (primeira) confusão, o manguaça foi procurar sua poltrona. "-O senhor pode ir levantando daí. A poltrona é minha. Ó, pode ver: poltrona 39", intimou o cachaça. Mas o outro cidadão também tinha um bilhete 39. E tome discussão. Cansada do bate-boca, minha amiga pediu para ver os bilhetes. O do passageiro que já estava sentado era, realmente, de número 39. Já o do bebum estava escrito, bem grande: PLATAFORMA 39. A poltrona era a 15, para onde, depois de alguma resistência, se dirigiu. Mas o pior ainda estava por vir: cinco horas depois, quase na divisa com o Paraná, o ônibus parou num posto e o bêbado desceu para, possivelmente, tentar beber mais alguma coisa. No retorno, advinhem: ele voltou lá no distinto passageiro e, cheio de autoridade, falou: "-Pode levantar daí. A poltrona é minha. Olhaí: número 39!". Minha amiga ligou o MP3, botou os óculos escuros e entregou a Deus. E desconfia, até agora, que o manguaça tava querendo ir, na verdade, para Belém do Pará...


Leia também:

Manguaça: motorista leva garrafada e bate ônibus
Astronautas voaram bêbados. Será que era o brasileiro Marcos Pontes?
São Martinho, o padroeiro dos bêbados

6 comentários:

olavo disse...

Rapaz! Esse é o tipo de coisa que depois é engraçado, mas na hora deve ser um saco. E longa vida a esses manguaças, que continuem existindo (mas nas viagens dos outros...).

Marcão disse...

A única solução, nesses casos, é ficar bêbado também. Mas, assim como nos estádios, proibiram venda de bebida nas estradas. Então, o melhor é já embarcar inconsciente. E tentar se sentar na poltrona 39...

Glauco disse...

Pelo jeito ela deu azar durante a viagem pra Porto Alegre também, porque o normal é durar 18 horas, não 24. Só faltou, além de aguentar o bêbado, ter alguma criança perto abrindo aqueles salgadinhos que empesteiam o ar com um indisfarçável cheiro de vômito... Credo!

Mauricio disse...

por que será que, com a história do bêbado, o glauco lembrou desses salgadinhos?

Filipe Araújo disse...

jajajaja
ê cachaça!

abrazo!

http://gambetas.blogspot.com

Anônimo disse...

Eu sempre pensei que era o único que achava que esses salgadinhos tinham cheiro de vômito.....