Destaques

sexta-feira, maio 16, 2008

Ainda dá, Santos...

Compartilhe no Twitter
Compartilhe no Facebook



Vendo a partida de ontem entre América (MEX) e Santos, lembrei de um outro jogo que assisti na Vila Belmiro em 2003. Já (mal) acostumado com Diego, Robinho e companhia, minhas atenções naquela peleja contra o Fluminense se voltavam para um atacante baixinho do Tricolor. Romário já não estava no auge da sua forma, mas ainda assim era muito interessante vê-lo jogar.

Marcado pelo ótimo zagueiro Alex, quando o Fluminense atacava e o santista olhava pra bola, Romário se deslocava pro lado, sempre tentando se colocar próximo à segunda trave. Volta e meia estava sozinho para receber a pelota.

O que me trouxe essa lembrança ontem foi o atacante Cabañas, do América. Não que ele seja um Romário, longe disso, mas o estilo desse anti-atleta, gordinho e atarracado, lembra um pouco o Baixinho. Precisou de pouco para decidir o jogo. Duas maravilhosas matadas no peito e dois chutes certeiros. Não é à toa que diário El Grafico publicou, na matéria intitulada Santificado seja o seu nome: "Cabañas segue sua sina de ‘Salvador’. Resgatou o orgulho dos torcedores do América e seu nome já é santificado pelos fanáticos".

O América é um time organizado, mas o diferencial é o paraguaio. E o Santos, na Vila Belmiro, pode vencer por dois gols de diferença, como fez com a LDU em 2004. O difícil vai ser não tomar nenhum, enfrentando um furtivo jogador que se desmarca num piscar de olhos. A tarefa poderia ser mais fácil se o bandeira não tivesse anulado um gol legítimo de Kléber Pereira no final do jogo. Curiosamente (ou não), o mesmo auxiliar já havia validado um lance ilegal dos mexicanos em que Fábio Costa foi obrigado a fazer um milagre na primeira etapa.

Por coincidência, nos jogos de volta das quartas-de-final da Libertadores 2008, Santos e São Paulo estão na mesma situação de seus confrontos contra o Grêmio em 2007. Ali, o Tricolor venceu por 1 a 0 a primeira partida e perdeu por 2 a 0 na volta. Já o Alvinegro foi derrotado por 2 a 0 no Olímpico e venceu por 3 a 1 na Vila Belmiro. Maus presságios?

9 comentários:

Ricardo disse...

Mais um off-topic: o Caetano cantou a música "Três Travestis" para o Ronaldo:

http://www.record.pt/noticia.asp?id=787084&idCanal=2477

Marcão disse...

O impedimento foi grotesco. Quando vi, me deu a impressão de que tinha sido marcado pelo juiz, e não pelo bandeira. Um erro que pode ser decisivo para o América.

Quanto à oomparação com o Grêmio, foi exatamente esse mau presságio que tive quando o jogo do Morumbi terminou São Paulo 1 x 0 Fluminense...

Benedito disse...

O gol mal anulado do Kleber Santana pode fazer falta ao Santos. Mas o Peixe tem todas as condições de conseguir a classificação na Vila. O que realmente me surpreende é ver um time que está entre os últimos colocados do campeonato mexicano, que tem um centroavante paraguaio gordo e o Sebá na zaga chegar aonde chegou e podendo ainda ir mais adiante. Aliás, acho que por tudo isso aí que eu aposto no Santos.

Glauco disse...

É, Benedito, e o Sebá salvou vários lances para o América. Impressionante...

Nicolau disse...

O tal do gordinho é boleiro, rapaz.

Victor disse...

Hehehe
Espero que sejam péssimos presságio (pelo menos pelo lado do São Paulo)

Saudações Tricolores (cariocas)

Anônimo disse...

por favor, o Cabanas não é "gordinho" ele é muito forte, isso sim! Ganha na corrida dos zagueiros!!! Como um gordinho conseguiria isso???

Anselmo disse...

o Edu, ponta esquerda, e o Coutinho, ambos do Santos da época do Pelé tinham, segundo a literatura, tendência a engordar. mas jogavam muito.

me lembro de assistir o mesmo edu na selção de masters (afe) ganhando na corrida de muito zagueiro juvenil. No tiro de 15 metros não é uma questao de peso, é de explosão. pergunte pros preparadores físicos.

o cara joga bola. e o santos vai ter que jogar com muita maturidade pra ganhar. prova de fogo pra Leão, Kleber (ambos) e pra torcida.

sobre o impedimento...

gerson sicca disse...

esse movimento que falaste do romário lembrou-me alguém muito familiar, o meu pai, que admirei muitas vezes vendo-o o jogar. O velho, na juventude, caiu da mão de um empresário safado e se ferrou.
vi ele até os 41 anos nos campeonatos amadores, ainda jogando no time principal e sendo goleador. Ele conseguia jogar no meio dos jogadores fazendo sempre esse movimento por trás da defesa, posicionando-se para receber a bola livre. E tinha um domínio de bola diferenciado. aí faz gols tipo bicho.
Abraço