Destaques

sexta-feira, março 13, 2009

No butiquim da Política - Quieto, o 'troquinho' está chegando

Compartilhe no Twitter
Compartilhe no Facebook

CLÓVIS MESSIAS*

Aqui no buteco os papos estão amenos. Como lugar comum, Ronaldo Gordo é o assunto da ironia. Mas, no meio da amenidade, alguém diz: "É bom acabarem de acertar, logo, a nova Mesa Diretora da Assembléia Legislativa. Nas lideranças partidárias só se discutem, a portas fechadas, cargos e mudanças das peças no tabuleiro administrativo. Afinal, os deputados estão quietos porque, em Brasília, debate-se um belo aumento de salário que, pelo efeito cascata, beneficiará todos os legislativos estaduais e municipais. Com base em uma estimativa incompleta que aponta economia aos cofres públicos, está em debate o aumento dos salários dos congressistas de R$ 16,5 mil para R$ 24,5 mil, em substituição à verba indenizatória de R$ 15 mil mensais.

Um outro butequeiro emenda: "Mas eles provavelmente dirão que a medida será de economia para os cofres públicos" (como cofres públicos entenda-se que está rolando o meu, o teu, o nosso dinheiro). "É uma confirmação necessária", prossegue o bêbado. Questão para análise. A verba indenizatória foi criada como medida salutar, segundo eles, por estarem longe de casa precisam de conforto, o que aumenta os seus gastos. Justificaram, na época, que assim não haveria efeito cascata, não mais atingiriam os estados e municípios. Balela. Como eles prostituíram as suas verbas indenizatórias, novamente, como efeito moralizador, mas de fraca memória, acharam nova forma de economia. Mais uma vez, estimativa incompleta e oportunista.

Os 513 deputados federais vão varrer o lixo para debaixo do tapete. Afinal, nós ouvimos os dois lados, mas sem memória histórica. Isto os parlamentares sabem e abusam. Pela Constituição, o teto salarial dos vereadores está vinculado ao salário dos deputados estaduais, cujo teto é ligado ao salário dos deputados federais. Quando há reajuste no contracheque dos congressistas, pode haver aumento nas Assembléia Legislativa e Câmaras Municipais. Nunca se deixou de lado o texto constitucional de vinculação salarial. É bom que se ressalte: no Brasil, existem 1.059 deputados estaduais e 52.007 vereadores. Segundo o 1º secretario da Câmara dos Deputados, Rafael Guerra, do PSDB (foto), autor da tese incorporatória, "defender salário de deputado em R$ 12,5 mil é defender que deputado seja bandido ou rico".

Pelo exposto, congressista tem preço. Bem que eles poderiam defender os nossos salários com a mesma veemência. Pela proporcionalidade, uma fortuna deverá sair dos cofres públicos para os ajustes salariais. Por estes e outros motivos é que você, ser comum, tem que pagar plano de saúde, escola particular, creche, segurança particular e etc. Pergunto: pra que serve mesmo o Estado?

*Clóvis Messias é jornalista, são-paulino, dirigente do Comitê de Imprensa da Assembléia Legislativa e colabora com esta coluna para o Futepoca.

2 comentários:

Maurício disse...

assustador

Glauco disse...

Domingo eu tomei um susto quando zapeava a televisão e vi que a Assembleia estava trabalhando (escolha de nomes pra comissões?). Procede ou o "ao vivo" era um equívoco de quem passou a reprise e esqueceu de tirar o GC?