Destaques

sexta-feira, março 13, 2009

"Mesmo estilo não impede de jogar junto"

Compartilhe no Twitter
Compartilhe no Facebook

Finalmente, comprei um par de pilhas e consegui ouvir uma partida do meu time pela rádio Jovem Pan. O adversário era tão fraco que quase emprestei o título de um texto do Glauco e escrevi "São Paulo empurra bêbado ladeira abaixo". Porém, como considero uma maldade fazer uma coisa dessas com qualquer pessoa, não só com os embriagados, resolvi destacar uma frase do técnico Muricy Ramalho logo após a goleada por 5 a 0 sobre o Mirassol, ontem à noite, no Morumbi. "Todo jogador bom tem lugar no time, mesmo se os dois têm a mesma característica", disse o treinador, em coletiva, referindo-se ao sucesso da dupla de ataque Borges e Washington (foto), que, teoricamente, têm o mesmo estilo e atuam mais próximos à grande área - e, por isso, não poderiam atuar juntos. Essa é uma questão que causou muita polêmica na Copa de 1970, quando diziam que Pelé e Tostão não poderiam ser titulares ao mesmo tempo, por terem o mesmo estilo e posicionamento - o que provou ser uma grande besteira. Ontem, Borges e Washington foram responsáveis por quatro dos cinco gols (o segundo fez três). Uma das apostas de Muricy, antes de efetivar a dupla atual, foi a manutenção de Dagoberto como titular, no lugar de Borges, caindo pelas pontas e jogando mais fora da área. No entanto, essa dupla com Washington, que fez sucesso no Atlético-PR, foi um fiasco logo na primeira tentativa: derrota por 2 a 0 para o Santo André, em pleno Morumbi.

Teimoso, Muricy resolveu rever seus conceitos. "A diferença é que no ano passado nós tínhamos apenas um pra botar a bola pra dentro, o Borges. Agora temos dois", comentou o técnico, após a vitória contra o Mirassol. "Mas, com essa dupla de atacantes parecidos, somos obrigados a fazer reajustes. No meio de campo, Hernanes e Jorge Wagner têm de encostar mais na frente e entrar com frequência na grande área, pois Borges e Washington não recuam tanto quanto Dagoberto. Pedi para eles fazerem isso no intervalo e, no início da segunda etapa, Jorge Wagner marcou de cabeça", completou Muricy. Para um time que vinha de duas derrotas, para o Santos e o Mogi Mirim, a goleada foi providencial para injetar ânimo (afinal, vai até o Uruguai encarar o Defensor, no meio da semana, pela Libertadores). Mas é bom ressaltar que, além da fragilidade, o Mirassol ainda teve um jogador expulso. De positivo, ficou a boa atuação de Júnior César na lateral esquerda, liberando Jorge Wagner - o nome do jogo - para o meio. O time começa a ganhar uma "cara" mais interessante. Resta saber o que esperar dessa temporada.

6 comentários:

Glauco disse...

Borges e Washington é a dupla titular. Só não vai entrar em campo quando o Muricy quiser poupar alguém. É a melhor opção.

Anselmo disse...

pelo direito dos bêbados, contra as ladeiras!

até umas rodadas, tinha comentarista dizendo que o Mirassol era o mais forte do interior. curioso.

Nicolau disse...

Não vi o jogo, mas parece que o Muricy colocou o Arouca na ala-direita, o que eu e o Glauco já tinhamos imaginado em conversas no fórum adequado um bom tempo atrás. Uma pena, mas fica um belo time o do São Paulo.

Marcão disse...

Ele substituiu o Zé Luís bem no fim do jogo, Nivaldo. Acho que o Arouca jogou uns 10 minutos, se tanto. Na coletiva, disse que não é uma boa opção, pois o Arouca não sabe jogar como lateral-direito - e que isso leva muito tempo para um volante aprender.

Maurício disse...

Mas que tá uma graca esse casal...

Luis Henrique disse...

Ué, mas o Ze Luis não é volante de origem e tá na lateral? O lado direito ainda é o ponto fraco desse time, já que na esquerda parece que a posição tem dono. Já o Dagoberto até é esforçado, volta pra marcar, mas de titular não dá pra ele. Pra mim, o ataque é mesmo Washington e Drogborges.