Destaques

sexta-feira, março 07, 2008

Guia de cachaça pra levar no bolso

Compartilhe no Twitter
Compartilhe no Facebook


Pausa para leitura. Um volume bem interessante pra quem principia no mundo da cachaça. Chama-se (pasmem) Cachaça, escrito pelo publicitário Paulo Falzoni, e é da editora Livro de Bolso. O livrinho é de bolso mesmo, menor que um cartão postal, quase cabe na carteira. E nas páginas você encontra uma muito bem sintetizada história da patrícia, curiosidades sobre a fabricação e dicas de degustação, tudo ilustrado com belas fotos.

Ali aprendi que, em meados do século 17, a cachaça começou a disputar o mercado africano com a bagaceira portuguesa, e foi ganhando espaço de tal modo que a Coroa Lusa, preocupada com as perdas financeiras decorrentes, resolveu proibir a produção da branquinha em várias partes do Brasil. O Rio de Janeiro, por exemplo, “em 1659 recebeu ordem real que mandava destruir todos os alambiques da região”. Aí foi demais, mexer com a teimosa é pedir fogo de volta.

Segundo Falzoni, “esse foi o início do que, um ano mais tarde, seria chamado de A Revolta da Cachaça, quando uma centena de senhores de engenho recusaram-se a parar com a produção e comércio de cachaça. A força desse grupo era tanta que, ao final da revolta, o governador do Rio de Janeiro foi deposto e a proibição foi derrubada”.

Conta ainda que, no século 19, a força simbólica da bebida era tão grande que “muitos historiadores afirmam que D. Pedro I fez questão de brindar a Independência com um copo de cachaça nas mãos”. A prova de que o Manguaça Cidadão, programa social em elaboração nos fóruns do Futepoca, tem profundas raízes históricas.

Na segunda parte, uma série de fotos de 50 dentre as mais famosas marvadas. Não há nada de colecionador, são 50 caninhas que você encontra nas boas adegas ou lojas especializadas. Ou seja, é um bom guia para percorrer uma trilha básica no universo da canjibrina e montar o seu acervo pessoal. Apenas uma ressalva: podia dar mais informações, pelo menos a madeira em que é envelhecida cada uma das preciosas. No mais, vale muito levar um exemplar do libreto no bolso do paletó.

5 comentários:

Anselmo disse...

Boa dica o livro. O mais engraçado é o bolso que forma a logo da editora...

mas o futepoca ainda vai lançar seus títulos sobre cachaça.

Marcão disse...

Com o Manguaça Cidadão, um exemplar desse guia poderia ser entregue a cada beneficiário.

Breiller disse...

Até eu, que não bebo, fiquei com vontade de virar uma branquinha agora.

Vi um artigo de um professor da faculdade que trata justamente da tríade do blog: futebol, política e cachaça. Vou ver se acho o arquivo na internet e recomendo pra vocês. O artigo segue bem essa linha histórica do livro de bolso, contando como o futebol e a cachaça contribuiram para a formação da sociedade brasileira, relacionando tudo à esfera política. É bem interessante.

Já tão linkados no Rola Blog e, sempre que puder, darei uma passada pelo Futepoca.

Abraços.

maurício disse...

Valeu Breiller
Se achar o artigo, mande sim, que ele muito nos interessa.
Abraço

olavo disse...

Muito legal ver a mobilização do povo brasileiro de 1659. E depois dizem que esse país não tem futuro!