Destaques

quinta-feira, março 11, 2010

O cerco aos manguaças continua

Compartilhe no Twitter
Compartilhe no Facebook

Ser um manguaça, no Brasil, está ficando cada vez mais complicado. Ter uma infinidade de estabelecimentos que oferecem bebida e um bom papo não significa, necessariamente, que você pode frequentar todos. Antigamente, o bebum podia selecionar seu reduto por questões ideológicas: sempre evitava bares com "aquela velharada tucana dos infernos" ou "aqueles estudantes petistas insuportáveis". A escolha podia ser futebolística: "como tem corintiano chato naquele buteco", "mas que barzinho bambi, não vou lá de jeito nenhum!" etc etc. Tinha aqueles que não bebiam em lugares que só vendiam Kaiser ou Nova Schin. Que não tinham nenhuma comida "segura". E outros que não suportavam bar com karaokê, ou muito iluminados, ou onde não vai mulher, ou muito lotado, enfim, havia critérios plausíveis e para todos os gostos. Hoje não há opção, há cerco. Exclusão.

Numa cidade do tamanho de São Paulo, buteco longe é problema. É caro chegar lá, o trânsito emperra e, se depender de transporte público, meia-noite é o limite. Por isso, os manguaças começaram a se afeiçoar por bares no caminho do trabalho ou de casa (e vice-versa). E nem sempre são bons ou agradáveis - apenas é menos complicado ir até eles. Essa é uma das exclusões. As outras começaram há alguns anos, com uma ofensiva conservadora que lembra regimes fascistas. Em 2008, o desgovernador de São Paulo, José Erra, digo, Serra (PSDB), proibiu o cigarro no bar. Não vamos discutir o mérito da questão, apenas concluir que, se tinha quatro bares no caminho do trabalho ou da casa para o pinguço, agora ele se obriga a ir só naquele em que é possível fumar sentado, na calçada (no meu caso, só conheço dois: o Gaspar e o da esquina da Benedito Calixto, ambos no bairro Pinheiros).

Não importa se o cachaça fuma ou não; com certeza, conhece muitos amigos (e principalmente amigas...) que fumam. E ficar levantando toda hora pra acender cigarro e interromper a conversa é, para citar o filósofo Emerson Leão, desagradável. Somando com as tradicionais idas ao banheiro, não há tempo para falar nada. E agora a seleção de bares vai ficar ainda mais trabalhosa. Além de ficar perto e de liberar a fumaça na calçada, vai ter que ser do tipo que não cobra porcentagem para o garçom ou que funcione no esquema self service (você vai até a geladeira e pega sua cerveja, como no saudoso Bar do Vavá). Porque a Comissão de Assuntos Sociais do Senado acaba de dar parecer favorável ao projeto de Marcelo Crivella (PRB) instituindo gorjeta de 20% para o garçom, após as 23h, em bares, restaurantes e similares. Ou seja: se você gastar R$ 50, por exemplo, vai ter que desembolsar mais R$ 10. O preço de duas saideiras.

Já saquei, o sistema quer nos obrigar a beber e fumar só em casa. De preferência, assistindo novela ou Big Brother. E, no país da piada pronta, a comissão que deu o tal parecer é de "Assuntos Sociais". Mas tá ficando cada vez mais difícil para nós, manguaças, se socializar...

8 comentários:

David disse...

Olha Marcão, confesso que ao saber da tal notícia da gorjeta fiquei encafifado. Os 10%, talvez 20%, não são facultativos?
É óbvio, vindo do Crivella não pode ser uma lei para agradar garçons...

Tb notei essas paradas para o cigarro entre @s amig@s, realmente a dinâmica mudou, parece mesmo que o papo não rende nada...

O que me deixa mais puto é essa intromissão dos moralistas de araque na manguaça alheia... Tristes tempos...

Abraços!

Glauco disse...

Isso é ridículo, até hoje os garçons lutam para ter garantido o direito dos 10%, que muitas vezes fica com o dono do bar. Se o dileto senador estivesse mesmo preocupado com a saúde ou bem estar do funcionário (o que a lei anti-fumo também finge querer cuidar) ele poderia propor um adicional no salário semelhante à insalubridade. Mas é mais fácil fazer... o mais fácil.

Marcio-SJP disse...

E eu achando que os 10% eram facultativos, agora os caras vem com 20% obrigatório! Vá escova porco!

Como foi muito bem colocado...Blitz, Cigarro, 20%..só resta mesmo frequentar butecos, não barzinhos, butecos mesmos, com torresmo, rolmops, linguiça, MAS QUE NÃO COBRAM 20%.

Abraços,
Marcio

Marcão disse...

"Vá escovar porco" é ótEmo, Marcio. Me lembrou uma amiga que, outro dia, mandou o marido "chupar tamanco até virar chinelo". Ah, a finesse brasileira...

Moriti disse...

Márcio e Marcão, depois dessa, a finesse deveria ter como alvo o "excelentíssimo senador" Marcelo Crivella.

Neide disse...

Honoráveis,
considerando que,
a) sou irmã mais nova de dois manguaças que morreram, literalmente, de tanto beber.
b) sou irma, prima, tia, tiavó, sobrinha, cunhada, concunhada, etc, de diversos manguaças notórios e desconhecidos.
c) me formei em direito justamente para tirar esses manguaças de distritos policiais e congenêres,
d) sou solidária aos manguaças por uma questão de " afeccio" familiar,

e considerando finalmente a minha monumental, caudalosa, extensa, vibtrante e sofrida experiência anterior

Me ofereço para defendê-los quanto às essas injustiças que tentam os |" homens de ben(s)" perpretar contra a nobre,porem desunida e desarticulada classe dos manguaças nacionais.

Saudações!

Marcão disse...

Opa, eu aceito! Primeirão! Você ajuda também em processo de divórcio ocasionado, entre outros motivos, pela manguaça?

Brincadeira, Neide, benvinda, um beijão e tenha minha sincera admiração pela escolha profissional com foco muito bem definido!

Neide disse...

Marcão,

já ia esquecendo de comentar: sou esposa de um profundo conhecedor da cerveja nacional e internacional; e digo a todos as esposas: a manguaça do companheiro náo é justo motivo para divórcio, ao contrário, torna a vida familiar mais emocionante. Sabe lá o que é ser chamada äs 3 da madrugada na Santa Casa, pela assistente social, porque seu querido manguaça exagerou na cerveja e está sendo devidamente hidratado, mas está sem condições de caminhar com as próprias pernas?. E se demora ainda leva uma bronca, onde já se viu a esposa náo dar assistência ao marido nessa hora calamitosa? (hahahaha).
Enfim... contem comigo na defesa dos problemas eventualmente causados pela manguaça. Como já disse sou uma expert!!!!
Abraços.