Destaques

segunda-feira, novembro 24, 2008

A volta bugrina e uma Série C mais "digna"

Compartilhe no Twitter
Compartilhe no Facebook

Ontem o Guarani venceu o Águia-PA por 2x1, em casa, e assim garantiu o segundo lugar no Campeonato Brasileiro da Série C e o consequente acesso à segunda divisão nacional. O Bugre voltará a disputar a Série B depois de dois anos consecutivos na Terceirona. Além do clube de Campinas, subiram ontem o Duque de Caxias-RJ e o Campinense-PB. O Atlético-GO, campeão por antecipação, já estava promovido. Quem se deu mal no octogonal foram Brasil-RS, Rio Branco-AC, Confiança-SE e o já citado Águia, que terão que encarar a Terceirona novamente no ano que vem.

O acesso do Bugre é algo a ser celebrado. Num futebol cada vez mais organizado como o nosso (e falo isso sem ironias, é óbvio que ainda está ruim, mas já esteve bem pior), que a partir do ano que vem terá três divisões com regulamento e participantes bem definidos, o Guarani merece estar entre os 40 participantes dos dois melhores níveis. A grandeza do clube e sua torcida justificam isso.

E há outro ponto para reflexão. Em 2006, o Guarani foi rebaixado no Brasileiro (da Série B para a C) e no Paulista (da A1 para a A2). Não foram poucos que chegaram a decretar a "morte" do Burge. A avaliação à época era que a queda à Série C era um abismo muito grande para ser superado. Além da humilhação óbvia de jogar a terceira divisão, o que se dizia era que o formato da Série C, com seus participantes definidos em cima da hora e com um regulamento que favorece a imprevisibilidade, dificultaria o ressurgimento de qualquer equipe.

Pois bem, ainda em 2006 o Brasil viu uma mostra de que a queda à Série C é algo reversível. Naquele ano, Vitória e Criciúma, times que haviam jogado a Série A dois anos antes, conseguiram avançar da Terceira para a Segunda divisão. No ano seguinte, foi a vez do Bahia subir. Agora, quem avança é o Guarani.

Acredito que o que fica dessas histórias é justamente a referência de que os rebaixamentos devem, sim, ser respeitados, e que a queda não é algo que represente necessariamente o término do "passado de glórias" de alguma equipe. Cair não é bom, claro que não, mas com um bom trabalho é possível se recuperar e reverter o quadro.

5 comentários:

Marcão disse...

Clássico da Série B em 2009: Vasco x Duque de Caxias!

Glauco disse...

Tenho birra do Guarani por conta do favorecimento e virada de mesa que evitou sua queda para a Série A-2 em 2001, garantindo uma nada merecida vaga no Rio-São Paulo no ano seguinte. Em 95, os bugrinos pareciam jogar a vida contra o Santos na última rodada da segunda fase do Brasileirão e tudo porque os atleticanos de Minas tinham mandado uma mala preta para Campinas, buscando garantir sua classificação às semifinais.

Tomara que volte para a Série C.

Em tempo: não gosto da Ponte Preta também por ter feito a alegria do Corinthians em 77 e 79, do São Paulo em 81 e do Palmeiras agora.

Marcão disse...

Falando em Guarani e Ponte, no próximo ano teremos também o dérbi campineiro na Série B.

fabiolimamor disse...

O "favorecido" Guarani só caiu para série C porque a Fifa tirou tres pontos por um atraso no pagamento de um jogador que estava na Turquia. Algo "totalmente comum" nesse esporte, basta ver todos os pontos perdidos pelo Corinthians por não ter pago o lion no caso Nilmar.
MAs tudo bem, o Bugre esta voltando e vai voltar mais e mais.
E para aqueles que acham que os Vascainos irao culpar Dinamite pela queda do Vasco, vou contar a hisória do Guarani:
O cancer do ex-presidente entregou o Guarani em decimo na segunda divisao e o novo presidente caiu. Pra quem ficou a culpa? Pro presidente antigo é claro, torcedor não é bobo, sabe de quem vem a herança maldita.

Nicolau disse...

Fabio, tomara que você tenha razão. Mas que deve ter uns sem noção pedindo a volta do Eurico, ah, deve...